ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
DEZEMBRO, QUARTA  06    CAMPO GRANDE 29º

Capital

“Não conseguimos fazer nada direito" crítica infectologista sobre restrições

Apresentando diversos estudos, médico disse que reduzir a mobilidade é a chave para combater contágio

Clayton Neves | 31/03/2021 13:01
Julio Croda apresentando estudo durante debate na manhã desta quarta-feira (Foto: Reprodução)
Julio Croda apresentando estudo durante debate na manhã desta quarta-feira (Foto: Reprodução)

Durante debate com representante do comércio, o médico infectologista Julio Croda criticou falta de empenho no cumprimento de medidas restritivas impostas para frear o avanço da covid-19. Em alerta, o especialista afirmou que, caso as restrições não sejam levadas a sério e a vacinação acelerada, em breve haverá nova necessidade de fechamento do comércio.

“O cenário é de tragédia, de calamidade pública e a gente não consegue fazer nada direito, nem o controle da pandemia, nem a recuperação da economia mais ativa”, disse.

Croda participou de um debate proposto pela Câmara Municipal. Com ele, participou o presidente da Associação Comercial de Campo Grande, Renato Paniago, que em contrapartida, expôs as dificuldades enfrentadas pelos lojistas no período da pandemia.

Apresentando diversos estudos sobre a covid-19, o médico afirmou que “reduzir a mobilidade é a chave para reduzir o contágio”, no entanto, cobrou adesão no cumprimento das medidas. “É preciso fazer bem feito. A população precisa colaborar”, explica.

Para Croda, a preocupação com o agravamento do cenário é que pacientes vítimas da covid-19 possam morrer sem terem acesso a tratamento adequado. “A gente está caminhando para um aumento de óbitos de pacientes que vão morrer sem nenhuma assistência. É a opção que se faz quando reabre sem a contenção adequada de transmissão do vírus”, pontuou.

Já Paniago, questionou determinação de fechamento do comércio e disse acreditar que a medida é ineficiente para a contenção ao contágio. “Adotamos as medidas de biossegurança para poder trabalhar. Essas empresas geram emprego e com a população sem emprego, outras mazelas tão grandes começam a ocorreer”, relata.

O representante do comércio ainda cobrou ainda aporte financeiro às empresas durante o período da pandemia. “Não tem como falar para ficar em casa sem dar suporte social e econômico. Em outros países isso foi pago”, completa.

 No início da sessão, vereadores divulgaram dados atualizados da pandemia em Campo Grande. Pelos números, até o momento a Capital contabilizou 85.062 casos confirmados e 1867 óbitos em decorrência do novo coronavírus. Hoje  a cidade tem 599 internados, sendo que 270 estão em leitos de UTI.

A partir da discussão entre os dois especialistas, representantes da comissão de saúde da Câmara Municipal pretendem levantar discussões para elaboração de propostas de enfrentamento à covid-19 na cidade.

Nos siga no Google Notícias