ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 16º

Capital

“Não suporto mais a polarização”, conta rapaz que despejou tubo de cola em urna

O eleitor foi preso em casa pela Polícia Federal e vai passar por audiência de custódia na terça-feira

Viviane Oliveira e Mariely Barros | 02/10/2022 11:34
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade



O eleitor Gabriel Scherer da Costa, de 22 anos, foi preso em casa, na manhã deste domingo (2), após despejar tubo de supercola numa urna da seção eleitoral 582, na Faculdade Estácio de Sá, na Rua Venâncio Borges do Nascimento, no Jardim TV Morena, em Campo Grande.

O aparelho teve de ser substituído pelo TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral). O rapaz foi levado para a sede da Polícia Federal e vai passar por audiência de custódia na terça-feira (4).

Conforme o juiz da 8ª Zona Eleitoral, Luiz Felipe Medeiros Vieira, o jovem despejou um tubo de supercola nas teclas da urna e saiu do local de votação. Quando o próximo eleitor foi votar, se deparou com o equipamento danificado e chamou os mesários. A Polícia Federal foi acionada e Gabriel acabou preso em casa. Ao ser indagado pelo juiz sobre a sua atitude, o jovem disse: “Não suporto mais a polarização”.

A presidente da seção, onde ocorreu o fato, disse que o rapaz chegou vestido com casaco de capuz e máscara contra a covid-19. A mesária, então, pediu para o jovem tirar o acessório para ser identificado. Na sequência, o rapaz foi para a urna votar. Ele foi visto colocando a mão no bolso, mas logo saiu da sala.

Segundo o advogado de Gabriel, Joaquim Oliveira Neto, o jovem sofre de transtorno (não soube dizer qual) e faz tratamento psiquiátrico. Quando ele coloca o capuz se transforma em um personagem. “Gabriel se vê como um super-herói. Ele achou que colando as teclas ninguém mais ia votar, mas depois que saiu da escola viu o que fez e se arrependeu.

Conforme o advogado, já em casa, o rapaz viu a notícia na TV sobre o que havia feito e ao saber que se tratava de crime eleitoral ficou desesperado. “Ele é um rapaz muito bom, a mãe dele ficou chocada com a situação. Ela deu uma bronca nele quando soube”, destacou o advogado. O tubo de cola usado para danificar o equipamento foi apreendido na casa de Gabriel.

Nos siga no Google Notícias