A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

26/02/2016 11:09

Nas ruas, tortura de criança inflama ódio e discussão da pena de morte

Luana Rodrigues
“Achei uma catástrofe, um horror, deveriam ir para cadeira elétrica, diz a estudante de 19 anos, Fernanda Venialgo Nunes. (Foto: Marcos Ermínio)“Achei uma catástrofe, um horror, deveriam ir para cadeira elétrica", diz a estudante de 19 anos, Fernanda Venialgo Nunes. (Foto: Marcos Ermínio)
“Prisão perpétua, pena de morte, como é lá no Japão”, condena Jair Rodrigues Yassumoto, 60 anos. (Foto: Marcos Ermínio)“Prisão perpétua, pena de morte, como é lá no Japão”, condena Jair Rodrigues Yassumoto, 60 anos. (Foto: Marcos Ermínio)

“Um ato de barbárie, um verdadeiro absurdo”. É assim que pessoas consultadas nas ruas resumem o caso de tortura a um menino de 4 anos, que chocou Campo Grande esta semana. Gente mostrando-se revoltada fala em prisão perpétua e até a morte dos três envolvidos no caso – penalidades que, no Brasil, não são permitidas pela lei.

“Achei uma catástrofe, um horror, deveriam ir para cadeira elétrica. Não consigo entender como é que tem gente capaz de fazer aquilo com uma criança indefesa. Não consigo entender como é que deixaram isso acontecer”, diz a estudante Fernanda Venialgo Nunes, de 19 anos.

A moça diz que, em uma visita a Santa Casa, teve a oportunidade de ver de longe o garoto no quarto em que ele está, o que a deixou ainda mais abalada. “Você olha para ele e não aceita o que houve. Acho que ele conseguirá se recuperar, mas só com um tratamento muito bom e o amor de uma família que siga os preceitos de Deus”, afirma.

Quando questionado sobre a pena que daria ao trio de suspeitos, Jair Rodrigues Yassumoto, 60 anos, é objetivo: “prisão perpétua, pena de morte, como é lá no Japão”, diz. O vigilante morou no país oriental por 19 anos, voltou para o Brasil há pouco mais de quatro e não se conforma com leis que ele classifica como “brandas” no país. “Vão para a cadeia e ficam dando despesa para nós, acho que no mínimo deveriam trabalhar para pagar o sustento deles por lá”, considera.

“Eu os mataria com minhas próprias mãos, afirma a auxiliar de cozinha Katiucia Ferreira da Silva, 33 anos. (Foto: Marcos Ermínio)“Eu os mataria com minhas próprias mãos", afirma a auxiliar de cozinha Katiucia Ferreira da Silva, 33 anos. (Foto: Marcos Ermínio)
Eles deveriam ir para a cadeia. Ninguém tem o direito de tirar a vida de ninguém, considera Elisabete de Oliveira, 45 anos. (Foto: Marcos Ermínio)"Eles deveriam ir para a cadeia. Ninguém tem o direito de tirar a vida de ninguém", considera Elisabete de Oliveira, 45 anos. (Foto: Marcos Ermínio)

A opinião da auxiliar de cozinha Katiucia Ferreira da Silva, 33 anos, quanto a punição dos suspeitos é ainda mais radical. “Eu mataria com minhas próprias mãos. Aquela mulher, queria vê-la sofrer, porque aquilo que ela diz que fez por causa da religião é safadeza. Acho que ela não vai durar muito na cadeia e é isso que me consola”, diz.

Maria Borges tem 66 anos, com toda sua experiência de vida, diz que nunca viu um crime tão brutal. Ela também não acredita que o fato tenha sido motivado por uma questão religiosa. “Jamais alguém faria aquilo em nome de uma religião. Quem tem religião não faz essas coisas com uma criança. Isso é conversa fiada”, acredita a idosa.

Em meio a tanta revolta, a moradora da cidade de Bonito, que está de visita na Capital, Elisabete de Oliveira, 45 anos, tem uma opinião menos emocional sobre a punição caso os suspeitos sejam condenado pelo crime. “Eles têm que ir para a cadeia, pagar pelo que fizeram. Porque não adianta a gente usar nosso ódio e também tirar a vida deles. Ninguém tem o direito de tirar a vida do outro, só Deus, porque depois da Justiça do homem, vem a Justiça de Deus e Ele sabe julgar”, pondera a dona de casa.

Pela lei – A comissão de Direitos Humanos da OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso do Sul) fez um cálculo sobre a possível pena que tio de 31 anos, tia de 45 anos e primo de 18 anos do garoto terão, caso sejam condenados por tortura.

"Pelo que conversei com o Dr. Laureto [Paulo Sérgio Laureto, delegado titular da Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente)], eles devem ser indiciados por tortura qualificada. Como haverá outros apêndices, a pena deles pode ir de quatro anos e oito meses a 13 anos e quatro meses, se o MP entender que o caso se enquadra mesmo com tortura qualificada", explicou ao Campo Grande News, o advogado Gerson Almada.

Levando em conta a pena de 13 anos e quatro meses, o casal teria que cumprir em regime fechado, no mínimo, cinco anos e quatro meses - 2/5 da pena total - para depois progredir para o semi-aberto.

Como os suspeitos estão presos, o delegado tem 10 dias para concluir o inquérito, ouvindo além dos agressores e vítima, testemunhas e pessoas que teriam se omitido diante da situação. "Vamos acompanhar essa apuração e nada impede que, após o envio do inquérito pela Polícia Civil, atuemos diretamente nesse caso", diz Almada.

Além da comissão de Direitos Humanos, a de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, liderada por Venâncio Josiel dos Santos, e dos Advogados Criminalistas (CAC), presidida por Fábio Andreasi, também integram a equipe.

Menino que era torturado por tios pode precisar de transplante de córnea
De todas as marcas e cicatrizes verificadas pela equipe médica que acompanha o menino de quatro anos que era torturado pelos tios durante ritual de m...
Avó de garoto torturado diz que fazia rituais de magia, mas sem agressões
A avó do garoto de quatro anos, torturado pelos tios durante rituais de magia negra, negou que também participasse dos ritos, conforme depoimento dad...
Prisão preventiva de primo de garoto torturado em rituais é decretada
O primo do menino de quatro anos torturado pelos tios em rituais de magia negra teve a prisão preventiva decretada pela Justiça no começo da noite de...


Sabe eu fico imaginando; tem tantas ONGs e grupos de todos os tipos nas redes sociais e inclusive algumas que cuidam de animais, que por sinal fazem excelentes trabalhos e, também, salvam vidas de criaturas indefesas. Então, poderíamos criar um movimento de mobilização estadual e nacional para pedir a pena de PRISÃO PERPÉTUA para crimes hediondos contra as crianças. Acho que os conselhos tutelares, a OAB, a Secretaria de Ação Social, a Promotoria da infância e juventude, os clubes de serviços (Lions, Rotary e Maçonaria) enfim toda a sociedade organizada. Precisamos dar um basta nestas barbáries.
 
Ezequiel em 26/02/2016 15:42:53
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions