A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

20/03/2015 15:41

Negado recurso a homem que processou Estado dizendo ter sido preso injustamente

Ricardo Campos Jr.

Um prestador de serviços gerais, de 26 anos, que processou o Estado alegando ter sido preso injustamente por quase quatro meses teve o pedido de indenização negado pelos desembargadores da 3ª Câmara Cível. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (19) após análise do recurso protocolado pela vítima após sentença semelhante em primeiro grau.

De acordo com os autos do caso, o homem havia sido condenado a quatro anos de prisão por tráfico de drogas. Durante esse tempo, conseguiu passar do regime fechado para o semiaberto, de onde conseguiu fugir. Enquanto estava foragido, a Justiça autorizou que ele cumprisse a pena em liberdade com restrição de direitos e emitiu alvará de soltura.

Entretanto, no sistema de informações policiais, o prestador de serviços ainda constava com a prisão em aberto por conta da fuga. No dia 15 de dezembro de 2012 ele foi encontrado e levado novamente para a cadeia. Na alegação do advogado que o representa, a prisão foi irregular, tendo em vista que havia autorização judicial para que permanecesse livre, situação causada por um erro de atualização no banco de dados.

A situação só foi corrigida após apelação à Justiça. No dia 11 de abril de 2013, um juiz emitiu novo alvará de soltura para o prestador de serviços gerais, ocasião em que foi liberado.

No entendimento da 3ª Câmara Cível, a decisão que soltou o detento não pode ser cumprida porque ele estava foragido. “No particular aplica-se a teoria do risco administrativo, uma vez que em eventual dano causado por ato omissivo do Ente Estatal, a responsabilidade é subjetiva”, sustentou o relator do caso, desembargador Marco André Nogueira Hanson.

Por unanimidade, os demais membros da corte seguiram o voto e negaram provimento ao recurso. Ainda cabe apelação aos órgãos judiciais superiores.

Decisão unânime de desembargadores mantém concurso da Sefaz
Os desembargadores do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) decidiram por unanimidade manter o prosseguimento do concurso da Sefaz (Secret...
Desembargadores revogam por unanimidade multa aplicada a advogado
OAB-MS considerou a multa inconstitucionalOs desembargadores da Seção Criminal revogaram a multa no valor de 10 salários minímos aplicada pelo juizo...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions