ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 22º

Capital

"Ningúem vai esperar morrer": colega defende agente penal em júri por homicídio

Agente penal acredita que colega agiu em legítima defesa após ser agredido a chutes e socos

Por Silvia Frias e Bruna Marques | 14/06/2022 10:36
Testemunha de agente penal foi ouvida por videconferência (Foto: Henrique Kawaminami)
Testemunha de agente penal foi ouvida por videconferência (Foto: Henrique Kawaminami)

A primeira testemunha de defesa do agente penal Joseilton de Souza Cardoso, 41 anos, falou sobre o temperamento do colega, “sensível e calmo”, do momento de pânico que a categoria vivia em 2017 e que acredita que ele somente revidou por estar sendo agredido a chutes e socos. "Ninguém vai esperar morrer enquanto é chutado no chão", disse a agente.

Joseilton Cardoso está sendo julgado por ter matado o pedreiro Adilson Silva Ferreira dos Santos com tiro no tórax, durante discussão em show sertanejo, na madrugada de 24 de setembro de 2017. A briga começou por conta de desentendimento na fila do banheiro.

Joseilton durante a sessão do júri popular (Foto: Henrique Kawaminami)
Joseilton durante a sessão do júri popular (Foto: Henrique Kawaminami)

Por videoconferência, a servidora pública federal, que não mostrou todo rosto, falou sobre o réu, com quem trabalhou diretamente por quatro anos. Segundo ela, é companheiro de trabalho “carismático e tranquilo e sempre foi bom colega, sensível e calmo”.

A agente penal lembra que o ano do crime foi período de tensão para a categoria, após execução de três agentes entre 2016 e 2017. “Naquela época todos os agentes federais estavam em pânico, tínhamos medo de morrer, qualquer lugar saímos armado, era época de pânico”.

No dia seguinte ao crime, a agente foi visitá-lo na delegacia onde ele estava detido, em Campo Grande. "Estava bem machucado: lesão na boca, ele ergueu a camiseta e tinha vários roxos no corpo", lembrou.

“Estou do lado dele, entendo a situação; ele me falou que estava apanhando por três rapazes, levava chutes e sentiu que um deles ia pegar a pistola na cintura dele, pegou e efetuou o disparo. Ninguém vai esperar morrer enquanto é chutado no chão”.

A agente também falou da rotina de treinamento deles. “Sempre somos treinados para viver. Em geral o tiro tenta focar em alguma região que a pessoa não revide, treinamos para de fato atingir regiões centrais do corpo para sair vivo”.

O agente penal chegou a ser absolvido pelo crime em agosto de 2019, em decisão do juiz da 1ª Vara do Tribunal, Carlos Alberto Garcete, mas, a acusação recorreu e foi determinado que ele fosse a júri popular.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também