A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 26 de Agosto de 2019

27/04/2019 12:44

No ranking dos golpes, o que bomba entre estelionatários é o “nude”

"Noventa por cento das vítimas de estelionato querem se dar bem", afirma o delegado Mateus Zampieri, da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos

Geisy Garnes e Viviane Oliveira
 Delegado Mateus Zampieri, da Derf (Foto: Viviane Oliveira) Delegado Mateus Zampieri, da Derf (Foto: Viviane Oliveira)

Todos os dias, alguém perde dinheiro em golpes aplicados por estelionatários. Abusando cada vez mais da internet, eles tentam explorar o lado mais “ingênuo” das vítimas. Na lista dos crimes do tipo mais comuns, um em especial tem liderado os registros policiais e chamado à atenção pela organização: o “golpe do nude”.

O crime começa com uma solicitação de amizade no Facebook. As vítimas, em sua maioria homens, são atraídas pelo perfil de uma mulher bonita que logo começa a conversar e mandar fotos íntimas. Atendendo ao pedido da “nova amiga”, os alvos devolvem as fotos, produzem vídeos nus e imediatamente começam a ser extorquidos.

Para não ter as imagens íntimas divulgadas para amigos, familiares e nas redes sociais, o usuário paga. Segundo o delegado Mateus Zampieri, da Derf (Delegacia Especializada de Roubos e Furtos), por trás da mulher bonita, na verdade, está uma quadrilha especializada, que muitas das vezes nem é do Brasil.

“Em um dos casos registrado aqui na Derf descobrimos que a quadrilha era de outro país. O golpista usava o Google tradutor para conversar com a vítima e pedia que o dinheiro fosse depositado em uma casa de câmbio”, explicou o delegado.

As orientações são, nas palavras do delegado, cuidados básicos quando de trata de redes sociais. “Não aceitar pessoas desconhecidas e principalmente não mandar fotos íntimas para pessoas que nunca viu”.

Intermediário – Outro golpe cada dia mais comum, conforme o delegado, é do carro em sites de venda. Nesse caso o estelionatário copia um anúncio original e oferece o mesmo veículo por um preço muito abaixo do mercado. O comprador se interessa pelo valor e ao invés de entrar em contato com o verdadeiro dono, fala com o golpista.

A partir daí, o estelionatário passa a ser o “intermediário” da compra. Conversando e enganado os dois interessados no negócio, ele faz com que o comprador deposite o dinheiro na conta de laranjas, e com o comprovante, cobre o verdadeiro dono do veículo. Em seguida some, sem deixar rastros. “Já tive casos do vendedor se negar a entregar o carro porque não recebeu o dinheiro e o comprador estar com o comprovante de depósito na mão”.

Não aceitar intermediários, falar direto com o dono, fazer a transferência dos documentos do veículo e verificar a conta para depósito e sempre guardar o comprovante, são alguns dos cuidados necessários em compras pela internet. “90% das vítimas de estelionato querem se dar bem. Se o carro está muito abaixo do mercado, precisa acender uma luz de alerta”.

WhatsApp É também pelas redes sociais que acontece o terceiro golpe na lista dos “mais famosos”, o da clonagem do WhatsApp. Nesse, as quadrilhas contam com ajuda de funcionários de operadoras para clonar e desabilitar o chip das vítimas. Com isso, os autores conseguem acesso à lista de contatos da pessoa e passam a pedir dinheiro para amigos e parentes dela.

Com o chip desabilitado, a vítima não recebe ligações e fica incomunicável. “A orientação é para mesmo que seja parente, fazer contato pessoal antes de depositar qualquer valor”, reforçou Zampieri. Ainda conforme o delegado, na maioria das vezes as vítimas expõe dados pessoais, por isso nunca se deve repassar informações como CPF e até nome completo por telefone.

A exposição de dados, é também, base para o quarto golpe da lista. Ele começa, geralmente, com o pedido de ajuda para encontrar veículos roubados e furtados. Pouco depois, a vítima recebe a ligação de uma pessoa que pede dinheiro para contar onde a moto, ou o carro, está. Ao Campo Grande News, o delegado afirma que o ideal é evitar esse tipo de post, mas se for necessário, a vítima deve repassar as informações recebidas para a polícia, imediatamente.

Em baixa - Se golpes pela internet ganham cada dia mais força, velhos conhecidos se tornam mais raros. Como o caso do falso sequestro, feito de dentro dos presídios brasileiros até hoje.

“O autor do golpe liga aleatoriamente para o telefone das vítimas, diz que está com o filho e exige o dinheiro do resgate. Com ameaças de morte e o nervosismo das vítimas, acabam convencendo que está com alguém da família”. Manter a calma e fazer perguntas que só ao parente saiba é a saída para esse tipo de crime.

“Historicamente não há registro desse tipo de crime (sequestro mediante pagamento) aqui no Estado”, reforçou o delegado.

Sobre rodas – Também feito de dentro dos presídios e por telefone, o golpe do carro quebrado garantia crédito nos celulares dos presos.

Nesse golpe, o estelionatário se passa, geralmente, por um sobrinho da vítima, conta que está na beira da rodovia e precisa ligar para um guincho, ou mecânico, para isso pede ajuda da “tia”. O falso bilhete premiado também já fez muitas vítimas, a maioria delas idosos e com pouca instrução.

A compra de veículos também é alvo dos estelionatários no golpe do envelope falso. Nesse caso, os autores depositavam envelopes vazios nas contas dos vendedores, que ao receber o comprovante, entregavam o carro. A descoberta de que o dinheiro não havia caído só vinha depois, quando os suspeitos já haviam fugido. “Ainda acontece, mas com menos frequência”.

O delegado lembra ainda que apesar da redução nos registros, idosos continuam sendo vítimas dos golpistas dentro das próprias agências bancárias. Eles se aproximam “querendo ajudar” mas aproveitam a distração das vítimas para trocar os cartões. Os cuidados vão de pedir ajuda só para funcionários do banco, a não deixar a senha junto com o cartão.

Segundo Zampieri, a migração desses golpes para a internet mostra que os estelionatários evoluem junto com as vítimas e as tecnologias. “Os golpes vão evoluindo conforme a mudança da sociedade. Não existe almoço de graça. Se o negócio for muito bom, desconfie. Tome toda a precaução”, orienta.

Bandido morre em troca de tiros após fazer refém em golpe do falso frete
Uma troca de tiros no centro de Campo Grande terminou com um assaltante morto na noite desta sexta-feira (26). O suspeito e o irmão mantinham um cami...
Homem será julgado 15 anos após matar colega com golpe de 'picareta' na cabeça
Quinze anos depois de ter matado Olegário Gimenes com um golpe de picareta na cabeça, Amilton Maidana, de 65 anos, será julgado nesta terça-feira (23...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions