A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 24 de Janeiro de 2018

04/07/2013 17:18

OAB pede intervenção do MPE na investigação da morte de delegado

Aline dos Santos
Delegado aposentado foi morto em frente à escola da filha. (Foto: Marcos Ermínio)Delegado aposentado foi morto em frente à escola da filha. (Foto: Marcos Ermínio)

A OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil) quer que o MPE (Ministério Público Estadual) intervenha na investigação do assassinato do delegado aposentado e advogado Paulo Magalhães, de 57 anos. O procedimento já é realizado pela Polícia Civil. Ele foi executado a tiros no dia 25 de junho, em frente à escola da filha, na rua Alagoas, em Campo Grande. Após o crime, a Ordem criou uma comissão para acompanha o caso.

O ofício encaminhado ao Ministério Público é assinado pelo presidente da OAB, Júlio Cesar Souza Rodrigues. “Em razão de a vítima ser advogado e o modo pelo qual foi assassinado, a indicar crime de pistolagem, a Ordem dos Advogados do Brasil/MS reconhece a necessidade e reclama a intervenção do Ministério Público na investigação criminal para a devida elucidação dos fatos e responsabilização dos envolvidos, com o fim de combater efetivamente a impunidade”, diz o documento.

A partir desta semana, a investigação policial passou a correr sob sigilo. O delegado aposentado era professor universitário e também tinha uma ONG (Organização Não- Governamental) onde fazia denúncias envolvendo o poder público.

Ele chegou a publicar um livro sobre instalação de câmeras clandestinas na Penitenciária Federal de Campo Grande. Recentemente, denunciou dois magistrados ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça). 

Testemunhas do assassinato contaram que dois homens em uma moto se aproximaram do lado direito do Land Rover dirigido por Paulo Magalhães e atiraram. Ele foi atingido por seis tiros de pistola 9mm.



Caro José Maria, não sei se o senhor sabe, mas já existe discussão no STF sobre o tema, onde até o presente momento, uma boa parte é no sentido de que o MPF tem competência para tanto. Se o STF, que é o guardião da CF falar,quem somos nós para questionar. Outra, caso não tenha entendido, aquele os "montes" de delegados que estão investigando, significa que a polícia já esta em "força tarefa". Agora pensando um pouco, é até um pouco antagônico, o Magalhães que lutava a ferro e fogo contra o poder de investigação do MP, agora o órgão, talvez, investigará a sua morte.
 
Mario Andrade em 05/07/2013 14:45:49
Copiei da Helena... Ué, mas não era justamente essa OAB que apoiou a PEC-37 para dar exclusividade à Polícia para investigar?! E não era essa polícia que queria somente para si o privilégio de investigar?!
 
Oscar Rodrigues em 05/07/2013 09:45:22
Cara Helana Camilo, caso você ainda não tenha entendido, com o arquivamento da PEC 37 a Polícia Federal e a Polícia Civil nada perderam. O Ministério Público continua não tendo respaldo legal para investigar. Em outras palavras: não há previsão legal. Simples assim. Agora, sem dúvida, que é salutar alterar a Constituição dando autonomia ao MP para investigar, conjuntamente, os crimes de "Colarinho Branco", os governadores e prefeitos. Neste caso do Dr. Paulo Magalhães, Homicídio, seria interessante a Polícia Civil constituir uma Força Tarefa para elucidar o caso.
 
Jose Maria em 05/07/2013 09:01:19
Pois é Helana... São as hipocrisias do poder...
Quando vivo, Paulo Magalhães tinha a admiração de alguns policiais honestos e o ódio do restante... Se deixarem as investigações por conta da polícia civil, dificilmente chegarão aos autores e mandantes. :-(
Resta saber se o MP tem alguma razão ou vontade de esclarecer esse crime...
 
Jair Pereira Bastos em 05/07/2013 08:21:26
Faço minhas as palavras da Helena!
 
Rodrigo F. Madureira de Pinho em 05/07/2013 08:12:51
Essa OAB virou comédia, só se manifesta quando percebe os holofotes acesos e voltados pro palco.
 
Mathias Hanns em 05/07/2013 07:45:28
A maioria dos casos de pistolagem aqui no MS são engavetados.
O Brasil todo sabe disso!
 
Elviria Santos Ferreira em 04/07/2013 22:03:24
Pois é Helena, parece que de uma hora para outra a OAB começou a duvidar da competência policial. Ou o poder exclusivo de investigação da polícia era só para crimes cometidos contra pessoas que não tinham a virtude de ser advogado?!
 
Marco Antonio em 04/07/2013 19:26:28
Como disse a Helana, estranho! Fica a dúvida...a OAB mudou o posicionamento do nada ou só porque a vítima era advogado?
Fiquei na dúvida...
 
alvaro campos em 04/07/2013 18:41:11
Pede para o MPE investigar o Jogo do Bicho em Campo Grande/MS, quero ver se eles fazem alguma coisa, kkkk..... Vamos ver se eles tem coragem!
 
jair riquermen em 04/07/2013 18:09:53
Ué, mas não era justamente essa OAB que apoiou a PEC-37 para dar exclusividade à Polícia para investigar?! E não era essa polícia que queria somente para si o privilégio de investigar?!
 
Helana Camilo em 04/07/2013 17:47:50
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions