ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 32º

Capital

Paciente corre risco de amputação após ser 'esquecido' em máquina

Caso aconteceu no HR após paciente ficar uma semana internado; unidade não comentou a situação

Nyelder Rodrigues e Ana Beatriz Rodrigues | 24/02/2021 19:23
Mesmo borrada por ser muito impactante, imagem feita hoje evidencia gravidade do ferimento que acomete o pé de Fabio no Hospital Regional (Foto: Direto das Ruas)
Mesmo borrada por ser muito impactante, imagem feita hoje evidencia gravidade do ferimento que acomete o pé de Fabio no Hospital Regional (Foto: Direto das Ruas)

Uma internação para se tratar da covid-19 pode custar o pé de um paciente de 39 anos com paralisia infantil, que corre o risco de ter o membro amputado diante de um grande ferimento que se formou no local e que só piora, um dia após o outro. O caso aconteceu no HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul), em Campo Grande.

O paciente é Fabio Aparecido de Assis, que sofreu paralisia infantil com dois anos e desde então não se locomove sozinho e nem fala. Quem denuncia a situação é a irmã dele, Fabiana de Assis Marcucci, de 34 anos. "Ele só consegue resmungar, mais nada", explica sobre a condição de dependência do irmão, cinco anos mais velho.

Fabiana conta que na semana retrasada o irmão apresentou febre e aparente falta de ar, sendo levado direto para o Hospital Regional, onde foi diagnosticado com covid-19. Lá, ele ficou uma semana internado em leito clínico, sendo liberado dia 17.

"Dia 17 à tarde meu tio foi buscá-lo e a enfermeira falou que ele tinha sofrido uma queimadura durante um exame, sendo esquecido em uma máquina lá. Mas ela falou que era algo de menor gravidade, simples, e liberou ele apenas com uma faixa no pé. Meu tio veio embora e só fomos descobrir depois", revela Fabiana.

A irmã de Fabio também conta que seu o ferimento só foi descoberto no dia seguinte, quando seu tio foi dar banho no rapaz. "Vimos que era grave e levamos ele de volta para o Hospital Regional, dia 18. Ele voltou a ser internado e não saiu mais", frisa.

Extensão do grave ferimento afeta todo o peito do pé direito de Fabio (Foto: Direto das Ruas)
Extensão do grave ferimento afeta todo o peito do pé direito de Fabio (Foto: Direto das Ruas)

Amputação - De acordo com Fabiana, a família foi informada por um médico hoje que o problema no pé de seu irmão foi causado por uma doença pré-existente e que encontrou espaço para eclodir a partir da fragilidade do corpo de fácil durante a covid-19.

Ainda segundo a irmã, foi dado a opção de tentar um enxerto no pé, usando partes dos glúteos de Fabio. Contudo, ela avalia que, como seu irmão passa quase todo o tempo sentado por causa da paralisia infantil, ele não ia conseguir se recuperar corretamente da cicatrização da cirurgia. A outra opção dada foi a da amputação do membro.

"Como não conseguimos ficar lá o tempo todo com ele, estamos fazendo até uma rifa para conseguir dinheiro e pagar alguém para ficar com ele no período da noite. De dia meu tio consegui acompanhá-lo", comenta Fabiana, ao falar sobre os cuidados especiais que seu irmão necessita. A família mora no bairro Caiobá, próximo ao hospital.

O outro lado - A reportagem do Campo Grande News entrou em contato com o Hospital Regional através da assessoria de imprensa, questionando sobre o suposto esquecimento do paciente em uma máquina - a família afirmou não saber que máquina seria essa, nem o nome dos profissionais envolvidos - durante o exame.

Ferimento no dia 18, quando foi descoberto pela família; desde então, a situação fica pior, inclusive com possível necrose (Foto: Direto das Ruas)
Ferimento no dia 18, quando foi descoberto pela família; desde então, a situação fica pior, inclusive com possível necrose (Foto: Direto das Ruas)

Em resposta, o hospital se resumiu a afirmar que não repassa informações pontuais à imprensa sobre pacientes por questões de sigilo médico/paciente - mesmo que o contato expondo a situação tenha partido da família do paciente.

"Reiteramos que todos os casos assistenciais se pautam em ditames éticos", encerra a nota, que antes ainda faz orientação para que a família da Fabio procure a ouvidoria do Hospital Regional para formalizar a queixa e buscar respostas sobre o caso.

Nos siga no Google Notícias