A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

26/09/2013 15:11

Pane na Justiça adia sonho de jovem limpar o nome e de viúva ter pensão

Lidiane Kober
Viúva, Tereza depende da Justiça para conseguir auxílio doença para seu filho (Fotos: Marcos Ermínio)Viúva, Tereza depende da Justiça para conseguir auxílio doença para seu filho (Fotos: Marcos Ermínio)

Frustradas, assim dezenas de pessoas estão saindo diariamente do Fórum de Campo Grande por conta de pane no sistema de informática. O primeiro sentimento é de indignação por perder a viagem, depois, vem a chateação por diagnosticar outra longa espera por uma audiência para resolver problemas.

É o caso de Elizer da Silva de Oliveira, 24 anos, que espera há sete anos para “limpar seu nome”. Em 2006, ele perdeu todos os documentos e, seis meses depois, ao tentar comprar uma moto “para trabalhar” descobriu seu nome na lista negra do Serasa. A partir daí, ele começou uma luta para se livrar de contas que ultrapassam R$ 40 mil.

“Assim que percebi a perda, registrei BO (Boletim de Ocorrência), mas fui obrigado a arrumar outras provas de que não fiz as compras e até empréstimo de mais de R$ 20 mil no banco”, explicou. Na semana passada, ele recebeu intimação para comparecer ao Fórum e, hoje, convicto de uma novidade no caso, deparou-se com o local fechado. “É o meu nome que está em jogo e não consigo resolver”, desabafou.

Elizer luta há sete anos para tirar seu nome do Serasa e provar que não gastou cerca de R$ 40 mil Elizer luta há sete anos para tirar seu nome do Serasa e provar que não gastou cerca de R$ 40 mil

Também toda contente e acompanhada de duas testemunhas, Tereza Antonio da Fonseca, 68 anos, chegou ao Fórum na tarde desta quinta-feira (26). Viúva, ela procurou a Justiça para tentar um auxílio doença para seu filho de 38 anos, que toma remédio controlado por conta de problema mental.

“Há oito meses estou nessa luta”, contou. Há três meses, veio a informação da audiência. “Fiquei feliz, mas, agora, só me resta esperar mais um pouco”, lamentou. Para sua vizinha, Edeonira Andreani, 25 anos, é um absurdo a falta de respeito com a população.

“Pagam uma fortuna para manter esse sistema e quem paga o pato é a população, que deixa seu trabalho de lado para comparecer a uma audiência na esperança de resolver um problema e da de cara o cancelamento”, desabafou. Por ano, o TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) paga R$ 2,2 milhões a Softplan – Planejamento e Sistemas - para manter o portal da Justiça em Campo Grande.

Maria Lúcia Cardoso, 34 anos, e Éder Flávio Almeida de Oliveira, 28 anos, são outras vítimas da pane. O jovem será obrigado a viajar a Dourados por não encontrar as portas do Fórum fechadas e Maria precisará esperar mais para provar a paternidade de sua filha de 14 anos. “Ela foi fazer um curso e exigiram o nome do pai”, explicou.

Desde sábado (21), advogados, partes e o funcionários do Poder Judiciário não conseguem acessar aos processos e o Fórum de Campo Grande foi obrigado a dispensar os funcionários e só funcionar em regime de plantão.

Na quarta-feira (25), a Softplan, empresa de Santa Catarina, emitiu nota e atribuiu o problema a uma “situação atípica e inesperada”. De acordo com a assessoria do TJ-MS, os dados dos cerca de 250 mil processos “foram recuperados e o sistema está em fase de teste”. A expectativa é reativar o serviço nesta sexta-feira (27).

OAB teme que pane "suma" com cerca de 250 mil processos na Justiça
A manutenção do SAJ (Sistema de Automação do Judiciário), ferramenta usada na digitalização dos processos do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Gross...
Com contratos de R$ 2,2 milhões, empresa diz que pane no TJ é atípica
A Softplan – Planejamento e Sistemas, que recebe R$ 2,2 milhões por ano do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), atribuiu a uma “situação...
Guarda oferece palestra sobre prevenção e combate às drogas em Uneis
Jovens da Unei (Unidades Educacional de Internação) Dom Bosco e da Unidade de Internação Feminina Estrela do Amanhã, em Campo Grande, receberam pales...
Cadastramento biométrico é oferecido pela Carreta da Justiça em Anhanduí
Desde o início desta semana a Carreta da Justiça está realizando atendimentos da biometria no distrito de Anhanduí, no município de Campo Grande, gra...


Pra quem conhece essa empresinha chamada "Softplan", eles ganha fortunas de vários estados pra manter o sistema. Só que o sistema é zero de qualidade, eles não investem em melhorar o produto, pagam mal aos funcionários além de assédio moral. Então é um sistema ruim e defasado com funcionários desmotivados querendo sair. Porque não acabam o contrato com essa empresa e colocam uma empresa séria que queira realmente ajudar a agilizar a justiça brasileira e não só sugar dinheiro nosso de impostos. Essa empresa aqui em Floripa é muito malvista mas eles compram muito espaço na mídia pra vender como se fosse a melhor empresa..
 
Carlos Silveira em 19/10/2013 09:46:03
Com certeza a população foi lesada,, mas os absurdos ditos em cada comentário com relação ao problema técnico do sistema é impressionante..... Senhor João Alves, leia as outras matérias relacionadas a este assunto e tente entender melhor o problema ocorrido no SAJ, verificará que não era tão simples como pensa...
 
Carlos Magno em 27/09/2013 09:23:40
"Quem paga o pato é a população" Acredito que nem só a população, mas também todos os servidores, juízes e etc... Significa mais audiência a serem marcadas e realizadas, mais trabalho para os cartórios... Devemos ver os dois lados da moeda, antes de criticar...
 
Bruna Morettini em 27/09/2013 00:57:33
Acho um absurdo o que aconteceu com o sistema do Tribunal, um desrespeito com a população, com advogados, etc, porque eles acham que só porque suspende prazo tá tudo resolvido, ninguém é prejudicado, mas há muito mais prejuízo do que apenas atraso nos processos. E o pior é que pelo visto ninguém será responsabilizado, a empresa não será multada? os diretores da informática não serão exonerados? fica por isso mesmo?
Agora em relação à matéria, também não vamos apelar né, o cara faz sete anos que tenta limpar o nome da justiça e agora vem culpar uma semana de problemas?
 
rafael santos em 27/09/2013 00:11:36
Qual a diferença? Com pane ou sem pane a cosa anda devagar do mesmo jeito. Agora pelo menos tem um álibi.
 
Valter Castilho em 27/09/2013 00:00:00
É uma insensatez e falta de vergonha gastar num órgão público horrores para garantir um bom atendimento ao cidadão com dinheiro nosso (contribuinte) e se deparar com o desrespeito e irresponsabilidade dos responsáveis e dirigentes do Fórum de Campo Grande/MS. Os senhores que administram o Fórum não tem justificativa que convença o cidadão com essa motivação deixar de atender o cidadão. Se há algum problema técnico que a empresa repare isso em outros horários diferente do horário de atendimento ao público. Onde fica o senso de justiça neste caso? A pessoa gasta o que não tem para chegar num órgão esperançoso de solucionar um problema que arrasta por anos e ainda tem que passar por uma decepção como essa? Será que os responsáveis da para corrigir para não acontecer mais essa insensatez???
 
João Alves de Souza em 26/09/2013 18:09:25
É sempre assim. Investem nos salários milionários... nas mordomias, do vale coxinha, e esquecem dos afazeres. Como manter o sistema 100% funcionando, já que o sistema é fundamental. Então só nos resta uma coisa. DEMITIR O ATUAL DIRETOR, PRESIDENTE, SEJA LÁ O QUE FOR , pela falha, que com certeza, não deu a devida atenção ao sistema. Ou seja,... com certeza, falha de investimentos.
 
Eduardo Semir em 26/09/2013 16:54:24
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions