ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SÁBADO  16    CAMPO GRANDE 20º

Capital

“Pânico e susto”, resume morador que teve casa destruída por figueira

No total, três residências na Rua Professor Xandinho foram atingidas pela árvore de 25 metros

Por Viviane Oliveira e Bruna Marques | 14/10/2021 12:09
Figueira destruiu duas casas que ficavam no mesmo terreno. (Foto: Henrique Kawaminami)
Figueira destruiu duas casas que ficavam no mesmo terreno. (Foto: Henrique Kawaminami)

“Minha reação foi de pânico e susto”, disse o vigilante Valmir de Souza Rebelo, 45 anos, dono de uma das casas que foi destruída por figueira de 25 metros. O caso aconteceu na manhã desta quinta-feira (14), na Rua Professor Xandinho, no Jardim São Lourenço, em Campo Grande.

No total, três casas foram atingidas pela árvore, duas delas, que ficam no mesmo terreno, terão que ser reconstruídas. O Corpo de Bombeiros foi acionado e tentava conseguir com a Defesa Civil ou outro órgão de apoio, guindaste para fazer a remoção dos galhos. “Pela espessura do tronco, não conseguimos cortar com a motosserra”, explicou o tenente Joelher Alencar.

Árvore de 25 metros caiu sobre casa e ficou escorada em muro. (Foto: Henrique Kawaminami)
Árvore de 25 metros caiu sobre casa e ficou escorada em muro. (Foto: Henrique Kawaminami)

Morador há 30 anos no local, Valmir contou que estava dormindo quando foi atingido pelos galhos da árvore que destruiu a sua casa. Não deu tempo de fazer nada, foi de repente. Ele disse que ficou preso entre os troncos e a cama, começou a gritar e foi socorrido pelos vizinhos.

Numa das residências, vivia Valmir e na outra, o irmão. Os imóveis pertencem a uma empresa e foram cedidos para os dois morarem. “Não sabemos o que vamos fazer. A princípio vamos ficar na casa da minha mãe. O nosso futuro aqui é incerto”, contou. A moto dele também foi danificada, mas tem seguro. “Sinceramente, eu estou no lucro. Era para eu ter morrido”. O morador estima prejuízo de R$ 100 mil.

Casa do casal Naomi e Mauro, que também foi atingida pela figueira. (Foto: Henrique Kawaminami)
Casa do casal Naomi e Mauro, que também foi atingida pela figueira. (Foto: Henrique Kawaminami)

Segundo Valmir, a figueira fica no terreno ao lado, que pertence a uma construtora. Ele acredita que colocaram veneno na raiz da árvore para ela ir morrendo aos poucos e cair, porque ficava muito caro removê-la dali. "Isso aqui já era previsto. Nunca tinha acontecido isso antes, nem um galho dela caía. De uns tempos pra cá, ela começou a descascar e as folhas não cresciam mais”, desabafou.

A vizinha de Valmir, a professora Noemi Chaves de Souza, também teve parte do imóvel atingido pela figueira. Ela estava trabalhando, quando ligaram avisando sobre o fato. “Cheguei e me deparei um caos. A árvore atingiu o vidro traseiro do carro do meu filho, o padrão de energia e parte do telhado do sobrado que a gente vinha construindo", contou.

O marido da professora, o advogado Mauro Alves de Souza, 67 anos, estava descansando quando ouviu o barulho, semelhante a de um desabamento. “Achei que havia explodido o transformador. Foi um susto que não dá para descrever. Até meu coração acelerou”. Mauro acredita que o prejuízo vai ficar em torno de R$ 20 mil. Vou ter que refazer o padrão e arrumar a obra que só faltava a parte de acabamento.

Motocicleta ficou debaixo dos galhos e dos troncos da árvore. (Foto: Henrique Kawaminami)
Motocicleta ficou debaixo dos galhos e dos troncos da árvore. (Foto: Henrique Kawaminami)


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário