ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  22    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Paralisação de assistentes por salários fecha creches na Capital

Cerca de 100 funcionárias de Emeis protestam e esperam ser ouvidas em frente à prefeitura

Por Cassia Modena e Antonio Bispo | 05/03/2024 09:02


Cerca de 100 assistentes de educação infantil que trabalham nas Emeis (Escola Municipal de Educação Infantil) de Campo Grande fazem paralisação nesta terça-feira (5) e estão protestando em frente à prefeitura, revoltadas com o não cumprimento de promessa feita a elas quanto ao salário da categoria.

Por causa disso, alunos estão sendo dispensados das creches municipais. Conforme apurou a reportagem, tiveram que fechar as portas, por exemplo, a Emei Eloedes Estavan, que fica bem ao lado da prefeitura; a Emei Emy Ishida Nascimento Nogueira, localizada na Rua Antônio Maria Coelho; e a Emei Sandra Mara Gobbo, que atende crianças do Bairro Caiobá.

Apenas a representante das assistentes, Natali Pereira, falou com a imprensa no início do protesto, já que as demais temem perder os empregos caso sejam expostas. Segundo ela explicou, há mais funcionárias participando da paralisação. Algumas chegaram a ir para as Emeis, mas não estão fazendo suas atividades.

Cerca de 100 funcionárias de Emeis protestam em frente à prefeitura (Foto: Henrique Kawaminami)
Cerca de 100 funcionárias de Emeis protestam em frente à prefeitura (Foto: Henrique Kawaminami)

Promessa de diálogo - De acordo com Natali, há assistentes recebendo menos de R$ 1 mil. A categoria negociou, em fevereiro, que a prefeitura as receberia 15 dias após o Carnaval para discutir a proposta de subir o salário base da categoria de R$ 1,5 mil para R$ 2,5 mil, por 40 horas semanais trabalhadas. A promessa foi feita pelo secretário municipal de Governo, João Rocha, relata a representante.

O acordo foi feito quando as assistentes realizaram outra manifestação por melhores salários e o fim do desvio de função. "Somos coagidas pelos diretores fazer atividades que não cabem a nós, e ainda temos que ensinar o trabalho às assistentes menos experientes que são contratadas", falou.

Outra reclamação é terem descontos nos salários quando precisam ficar em casa para cuidar dos próprios filhos, se estão doentes. "É como se fosse falta e tem desconto no mês seguinte", alega Natali.

O protesto de hoje começou a ser organizado enquanto circulava, ontem, num grupo de WhatsApp das assistentes, que a prefeitura lançaria hoje um edital de novo processo seletivo com oferta de salário de R$ 1,9 mil, abaixo do que quer e sem consultar categoria.

Protestantes estão em frente à prefeitura, mas ameaçam ir à pé até a Câmara  (Foto: Henrique Kawaminami)
Protestantes estão em frente à prefeitura, mas ameaçam ir à pé até a Câmara (Foto: Henrique Kawaminami)

"Lançaram 'nas nossas costas'. A prefeitura publicou edital do novo processo seletivo com aumento que não esperávamos e nem concordamos", falou Natali.

O edital do processo seletivo foi mesmo publicado hoje no Diário Oficial de Campo Grande, prevendo o salário citado por Natali e 1.578 vagas. O contrato é válido por 12 meses.

Paralisação pode continuar - As assistentes gritaram, em frente à prefeitura: "Prefeita, cadê você? Eu vim aqui só para te ver". Mas elas foram recebidas por um funcionário, que ouviu suas reivindicações. Elas aguardam serem chamadas para uma conversa.

"Caso não recebam a gente, vamos caminhar até a Câmara Municipal para falar com os vereadores. Se não nos ouvirem, vamos paralisar de novo amanhã", ameaça Natali.

O Campo Grande News questionou a Semed (Secretaria Municipal de Educação) quantas Emeis foram afetadas e o que será feito com relação às paralisações, mas não recebeu retorno até a publicação desta matéria.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias