ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  22    CAMPO GRANDE 29º

Capital

“Pedreiro Assassino” vai encarar 1º júri popular por série de crimes

Timótio Roman, 62 anos, foi cruelmente executado por não pagar dívida de R$ 3 mil

Aline dos Santos | 08/09/2021 09:04
Cleber, que está preso desde 15 de maio de 2020, escava local onde enterrou uma das vítimas. (Foto: Henrique Kawaminami)
Cleber, que está preso desde 15 de maio de 2020, escava local onde enterrou uma das vítimas. (Foto: Henrique Kawaminami)

Conhecido como “Pedreiro Assassino”, Cleber de Souza Carvalho, 45 anos, deve encarar o primeiro júri popular em 29 de outubro. Autor confesso de sete assassinatos, o primeiro julgamento será pela morte de Timótio Pontes Roman, de 62 anos. A data foi agendada pela 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, mas a defesa já tenta uma redesignação.

O advogado Dhyego Fernandes Alfonso alegou que tem viagem pré-agendada para outro Estado e quer transferir o julgamento para novembro. O pedido ainda não foi analisado pelo Poder Judiciário.

Segundo a acusação, Timótio foi executado por não pagar dívida de R$ 3 mil. A vítima emprestou dinheiro de Cleber no fim de 2017. Em abril do ano passado, os dois se encontraram e a vítima prometeu que quitaria o débito. Foi quando o réu pediu que o homem, que também era pedreiro, fosse até a casa dele para fazer alguns serviços.

No dia combinado, 2 de maio de 2020, Ronan foi até o imóvel e disse que não tinha dinheiro, mas poderia pagar com trabalho. Irritado, o “Pedreiro Assassino” o golpeou na cabeça com um cabo de picareta. Depois, Cleber arrastou o corpo e jogou no poço, localizado na Rua Netuno, na Vila Planalto.

O “Pedreiro Assassino” vai para o banco dos réus acusado de homicídio duplamente qualificado (motivo fútil e recurso que dificultou a defesa da vítima) e ocultação de cadáver. Cleber está preso desde 15 de maio do ano passado.

Naquela sexta-feira, a cidade despertou com as imagens de Cleber apontando os locais onde enterrou suas vítimas. A investigação foi da DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídios).

Nos siga no Google Notícias