ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUINTA  04    CAMPO GRANDE 20º

Capital

Plano de retomada da economia começa nesta terça-feira com reabertura de bancos

Lojas e prestadores de serviços poderão reabrir na semana que vem, gradualmente, segundo o prefeito Marquinhos Trad

Por Anahi Zurutuza | 30/03/2020 16:49
Prefeito Marquinhos Trad (à direita) fez live nesta segunda-feira (30) ao lado do secretário Luiz Eduardo Costa (Foto: Reprodução)
Prefeito Marquinhos Trad (à direita) fez live nesta segunda-feira (30) ao lado do secretário Luiz Eduardo Costa (Foto: Reprodução)

Depois de baixar 23 decretos com medidas restritivas com o intuito de manter o máximo de pessoas em casa, Prefeitura de Campo Grande elaborou plano para a retomada a atividade econômica na Capital. O planejamento prevê a reabertura de estabelecimentos comerciais, aos poucos, a partir da terça-feira que vem, dia 7, mas amanhã, 31 de março, bancos já estão autorizados a abrir.

O decreto que faz recomendações às agências bancárias já está em edição extra do Diário Oficial, segundo adiantou o prefeito Marquinhos Trad (PSD) em transmissão ao vivo nesta tarde. “Vão poder reabrir apenas para serviços que não podem ser realizados em terminais de autoatendimento. Cada agência deverá disciplinar o atendimento, dando preferência para quem recebe algum benefício social, mas têm de evitar aglomeração e atender regras sanitárias”.

Dentre a determinações a serem cumpridas pelos bancos, correspondentes bancários e cooperativas de crédito, está a de "providenciar o controle de acesso, a marcação de lugares reservados aos clientes, o controle da área externa do estabelecimento, bem como a organização das filas para que seja mantida a distância mínima de 1,5 metro de distância entre cada pessoa".

Estes estabelecimentos também terão de reforçar o esquema de limpeza e garantir que clientes higienizem as mãos com álcool em gel, ou similar, antes de entrar e sair do local. Maquininhas de cartão e caixas eletrônicos terão de ser limpos após cada uso.

Por que? - Marquinhos comentou sobre a necessidade de num primeiro momento tomar medidas radicais e agora, com calma, estudar caso a caso para encontrar o ponto de equilíbrio. “O nosso maior objetivo é busca do equilíbrio entre a saúde, economia, educação, lado social. Então vamos, gradualmente, retomar as atividades, para garantir a empregados e empregadores segurança jurídica, econômica e sanitária. Mas, principalmente, o direito a vida dos quase 915 mil campo-grandenses”.

O chefe do Executivo municipal contou que ouviu pedidos dos profissionais ligados à estética, ao transporte coletivo e transporte escolar nesta tarde, mas não adiantou como funcionará a reabertura do comércio, a partir da semana que vem. “A partir da terça que vem, 7 de abril,  paulatinamente, com protocolos de segurança, vamos retomar a vida, para você não perder seu emprego e não falta comida na mesa”.

Mais de 1 mil atividades - Luiz Eduardo Costa, secretário municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, foi apresentado como um dos responsáveis pela elaboração do plano e disse que 1.098 atividades comerciais ou de prestação de serviços estão sendo avaliadas sobre a volta ou não ao trabalho, com restrições.

Ele fez questão de dizer que a cidade não mais poderá “ser frequentada” como antes. “Não dá para usar a cidade como usávamos antes da pandemia. Se precisa fazer compra, farmácia, banco, vai sozinho. É preciso planejar a ida e volta, como você vai entrar em casa, para que você não leve o problema para a sua família, a gente precisa fazer as coisas com mais cuidado. Precisamos do comprometimento de todos”.

Na semana passada, lotéricas já haviam sido liberadas para funcionar, mas por força de decreto federal. Cartórios também voltaram a atender. Restaurantes estavam sendo estimulados a investir no delivery, mas muitos fecharam as portas por causa da restrição de manter mesas para somente 30% do público.

Uma coisa é certa, segundo o secretário, qualquer local que aglomere pessoas, continuará de portas fechadas. “Não tem condições de abrir lugar que tem aglomeração em massa, como boate, casa de show, de festa. A gestão está estudando tudo a afundo”.

Luiz Eduardo afirma ainda que a pandemia nos deixa uma lição. “Vamos aprender, vamos respeitar cada dia, vamos fazer com que cada dia seja seguro para você e para sua família”.