A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

09/12/2013 22:20

Polícia inicia investigação sobre ameaça e ouve amanhã presidente da Fetems

Vinícius Squinelo

A delegada Ana Cláudia Medina, da 1ª Delegacia de Polícia de Campo Grande, iniciou nesta segunda-feira (9) as investigações sobre as ameaças de morte ao presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato grosso do Sul), Roberto Botareli. O próprio sindicalista deve ser ouvido nesta terça-feira (10).

“Estamos começando a investigação agora, vamos ouvir testemunhas e o próprio presidente da Fetems”, informou Ana Cláudia.

Botareli e duas testemunhas devem depor amanhã, mas a delegada ainda não sabe em que horário, já que o presidente da entidade não está em Mato Grosso do Sul.

Botareli teria sido ameaçado na quarta-feira (4) por ter liderado o movimento que tentou barrar, na semana passada, o “Leilão da Resistência”, evento promovido por produtores rurais do Estado para arrecadar fundos que financiariam ações de combate a invasão indígena em terras sul-mato-grossenses.

A segurança de Botareli e da família – esposa, três filhas e netos – é feita pela Força Nacional depois que o presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Vagner Freitas, encaminhou ofício ao Ministério da Justiça e à Secretaria Geral da Presidência da República solicitando o apoio.

Ameaças – Segundo informações da assessoria de imprensa da Polícia Civil, o boletim de ocorrências 17239, registrado por Botareli às 18h43 do dia 4 de dezembro, diz que uma pessoa identificada como “Maurício Pistoleiro” ligou para a Fetems fazendo ameaças ao presidente.

“É o Maurício quem fala. Eu sou pistoleiro. Avisa o professor Roberto para ele se cuidar que ele vai morrer”, teria dito o ameaçador. O registro policial ainda informa que um técnico de telecomunicações identificou o número de onde partiu a chamada e que uma professora retornou a ligação quando Maurício teria novamente ameaçado: “avisa esse babaca que ele vai morrer”.

No boletim de ocorrências, o presidente ainda diz que uma das lutas da Fetems é a questão indígena no Estado. Ele também lembrou que entrou com pedido no MPF/MS para suspender o Leilão da Resistência que visava a contratação de grupos "paramilitares" para atuar contra os indígenas



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions