A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

04/12/2013 18:09

Presidente da Fetems é ameaçado de morte

Lidiane Kober
Presidente da Fetems estava ao lado de Zeca e de outros líderes de movimentos sociais quando foi informado da ameaça (Foto: Cleber Gellio)Presidente da Fetems estava ao lado de Zeca e de outros líderes de movimentos sociais quando foi informado da ameaça (Foto: Cleber Gellio)

Após liderar movimento para barrar o “Leilão da Resistência”, o presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), Roberto Botarelli César, foi ameaçado de morte, na tarde desta quarta-feira (4).

Ele ainda estava na Justiça Federal comemorando a decisão da juíza Janete Lima Miguel, que concedeu liminar e determinou a suspensão do leilão, previsto para arrecadar fundos para a contratação de seguranças e compra de armas visando proteger as propriedades rurais das invasões indígenas, quando foi comunicado da ameaça.

“Um homem ligou na Fetems, se identificou apenas como Maurício, disse que era pistoleiro e mandou eu me cuidar para não morrer”, relatou Botarelli. “A Fetems existe para cuidar da educação, mas tem um importante papel social e luta pela democracia e pelas minorias”, disse para justificar seu empenho na luta pela causa indígena.

Em nota, a direção da Fetems detalhou a ameaça. “O indivíduo que realizou esta ação se identificou como Mauricio Pistoleiro e proferiu palavras de baixo calão, seguidas de ameaças contra a vida do nosso dirigente”, relatou a entidade no texto. “O professor Roberto Botareli representa atualmente mais de 25 mil, portanto, a ameaça a ele é a todos nós”, completou.

Ainda na nota, a Fetems disse que “a intimidação, a ameaça oculta é dos covardes, pois a luta que fazemos é transparente, nós colocamos a nossa cara, a nossa bandeira, nós vamos para as ruas, nos mobilizamos, nos unimos a toda a classe trabalhadora de nosso país, não temos medo, por isso, nos indignamos quando passamos por situações como essa”. A entidade informou ainda que “tomou as providências cabíveis, tanto de segurança, quanto de denúncia”.



Lembramos aos companheiros que estamos em democracia, o dialogo social e o caminho correto e o da justiça e a forma de primoramento da democracia, ai esta o problema todos tem o direitos de proteção e esta disposto na Constituinte, Crime é Crime em qualquer sentido, até quando não resolvemos com os governantes os problemas dos assentamentos dos sem terra, dos Indigna e do povo também alguém tem responsabilidade a tudo de proteção de todos os cidadãos Brasileiros
 
Rinaldo Salomão em 06/12/2013 21:12:32
Em relação à educação concordo, mas dizer que índio não produz e que morreríamos de fome caso os ruralistas parassem, acho totalmente clichê e infundada, já que a nossa alimentação provém da agricultura familiar e não dos grandes latifundiários que priorizam à monocultura SOMENTE para exportação, e não para o abastecimento do país. Além disso, recebem enormes recursos e financiamentos do governo e agridem a natureza com desmatamentos legais e ilegais A principal matéria-prima do pão francês, o trigo, é importado e até feijão da China o Brasil importa de vez em quando, por exemplo.
 
Marcel Monteiro em 06/12/2013 12:14:53
Talvez as pessoas não tenham noção do quanto o problema da demarcação de terra é uma questão séria no nosso Estado, provavelmente porque que não lhes interessa DEVOLVER a terra a quem de direito. Penso que também não saibam o quanto esse empasse tem se tornado perigoso, que pessoas armadas só vão derramar mais sangue ou talvez saibam, no entanto não se preocupam com isso, pois afinal quem morre são os mais fragilizados, como os ÍNDIOS, E NÃO OS QUE SE DIZEM PROPRIETÁRIOS DE UMA TERRA QUE NÃO LHES PERTENCEM E ESTÃO TRANQUILAMENTE PROTEGIDOS POR SEUS SEGURANÇAS. O movimento sindical, precisa sim, envolver-se na luta daqueles que sempre foram roubados nesse país e o presidente da entidade precisa ser protegido de ameaças que não são infundadas, que digam, todos aqueles que já tombaram
 
Gedy Brum Weis Alves em 05/12/2013 17:54:34
Acho que a educação no Ms já é uma porcaria, e acho que este sujeito erra demais em colocar todos os produtores rurais como farinha do mesmo saco.
Já erra em não aceitar que todos somos Brasileiros, e todos temos direitos iguais a propriedade.
 
Ricardo Almeida em 05/12/2013 10:41:40
Acho que a Fetems deveria fazer leilão ou bingo para contratar seguranças,ou seja,milícia armada para garantir a integridade física de seu valoroso líder e seus associados,pelo que me consta,esse tal Maurício Pistoleiro é mesmo muito perigoso,verdadeiro terrorista....Tenho certeza que a justiça federal não se oporia....
Boa sorte para os queridos da Fetems!!
 
gladis alaia em 05/12/2013 01:14:37
A cúpula do mundo assistencialista reunida!
 
José Ferreira Lopes em 04/12/2013 22:14:33
Não entendi muito... Pistoleiro com Disque-mensagens? Tá tudo tão moderno!!!
 
Marcelo do Nascimento em 04/12/2013 21:58:44
A educação está horrível e este senhor, que é o presidente da fetems, não cuida nem de professor que, constantemente é ameaçado, fica cuidando de problemas alheios a seu labor, e ainda diz que defende a classe trabalhadora, nunca ouvi dizer que indio produzisse neste pais, queria ver se todos produtores rurais parassem a produção no país o que iria acontecer.
 
Pedro camargo em 04/12/2013 21:48:25
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions