ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SEGUNDA  04    CAMPO GRANDE 26º

Capital

Polícia investiga envolvimento de funcionários da Uniderp no esquema

Graziela Rezende | 11/11/2013 11:15

A Polícia investigará, após a prisão em flagrante de 22 vestibulandos a faculdade de Medicina da Uniderp/Anhanguera, se funcionários da instituição estão envolvidos no esquema. Outra hipótese é que uma quadrilha seria responsável pelo crime, aliciando candidatos e também colocando um terceiro para resolver as questões da prova.

“A maioria dos candidatos, quando questionados sobre o possível vazamento de gabarito ou cola eletrônica, permaneceu em silêncio e disseram somente que vão responder em juízo. E esse será o passo inicial, descobrir quem está por trás do esquema”, afirma a delegada Ariene Murad Cury, titular da Dedfaz (Delegacia Especializada em Repressão aos Crimes Fazendários).

Além de indiciados por fraude em certame público, cuja pena varia de um a quatro anos de reclusão, os candidatos tiveram de pagar uma fiança de três salários mínimos para serem liberados. Apenas um continua preso. “Vou receber ainda hoje o flagrante da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do bairro centro e iniciar novas oitivas”, comenta a delegada.

Possível fraude – Segundo a Polícia, os candidatos pagaram de R$ 300 a R$ 500 pelo aparelho auditivo. Com a aprovação na prova, o valor seria maior. Após 2h, quando os primeiros começaram a sair, os portões foram fechados o que obrigou todos a passarem pelo exame de otoscopia, que avalia visualmente o canal auditivo externo e do tímpano, teste efetuado com a ajuda de instrumentos específicos, como os usados para detectar doenças auditivas.

De acordo com o coordenador de planejamento de curso, Antônio Carlos Carbonaro Salles, o esquema de fiscalização foi proposto por professores que vêm ao longo dos anos questionando o rendimento dos alunos no curso. Uma coletiva sobre o caso será realizada amanhã, ás 10h, na Cepol.

Nos siga no Google Notícias