ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SEGUNDA  17    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Polícia prende acusado de matar advogado William Maksoud que estava foragido

Por Paula Maciulevicius | 09/03/2012 09:52

Acusado de ter efetuado os disparos que mataram Maksoud Filho, em 2006, Rato foi preso em setembro do ano passado, no Paraguai

Julgamento do mandante da execução de William Maksoud, em 2008. (Foto: Arquivo/Minamar Júnior)
Julgamento do mandante da execução de William Maksoud, em 2008. (Foto: Arquivo/Minamar Júnior)

A Polícia prendeu nesta quinta-feira o homem acusado de matar o advogado William Maksoud Filho, em 2006. Rafael Carlos Mosqueda, 29 anos, conhecido como Rato estava foragido do semiaberto na Gameleira.

Acusado de ter efetuado os disparos que mataram Maksoud Filho, Rafinha foi preso em setembro do ano passado, no Paraguai. Com a prisão dele o juiz Aluízio Pereira dos Santos, determinou o desarquivamento do processo criminal e solicitou ao Ministério da Justiça a extradição do acusado.

William Maksoud Filho estava trabalhando no escritório de advocacia, na região central de Campo Grande, quando o acusado invadiu a recepção e efetuou vários disparos contra o advogado, fugindo em seguida na garupa de uma motocicleta, em abril de 2006.

Na época o Ministério Público denunciou 12 pessoas, cinco foram pronunciados e todos julgados e condenados, com exceção de Rato, que fugiu para o Paraguai.

Segundo a denúncia, Maksoud Filho foi executado porque recebeu dinheiro da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) para transferir um detento para Campo Grande, mas não realizou o trabalho. Ele teria que devolver os honorários, mas ainda de acordo com a denúncia, reembolsou parte do dinheiro.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário