ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUARTA  19    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Durante 60 dias fica proibido corte de serviços de água por falta de pagamento

Quem não pagar as contas durante o período, poderá parcelar a dívida em 36 vezes

Leonardo Rocha | 18/03/2020 10:25
Prefeito Marquinhos Trad (centro), ao lado do secretário José Mauro Filho (direita) e a infectologista Márcia Dal Fabbro (esquerda), durante coletiva (Foto: Reprodução)
Prefeito Marquinhos Trad (centro), ao lado do secretário José Mauro Filho (direita) e a infectologista Márcia Dal Fabbro (esquerda), durante coletiva (Foto: Reprodução)


O prefeito Marquinhos Trad (PSD) estreou hoje a modalidade de coletiva de imprensa via internet, para evitar aglomerações. E na primeira conversa pelas redes sociais, anunciou que está proibindo o corte de água durante 60 dias em Campo Grande. A decisão consta em decreto emergencial do município. Ele explicou que a intenção é contribuir no combate ao coronavírus, em uma estratégia coletiva para não ampliar os casos na Capital.

Em entrevista coletiva on line na prefeitura, Marquinhos explicou que o decreto proíbe o corte (água) pela empresa responsável pelo serviço, a Águas Guariroba. “As contas que vencerem (validade) hoje (18) até daqui 60 dias que não forem pagas, não vai se interromper o serviço”.

Também adiantou que as pessoas que contraírem dívidas durante este período (60 dias), poderá depois parcelar o valor em até 36 vezes. “Temos que ser solidários neste momento, para que Campo Grande seja exemplo nacional, de boa convivência e combate ao vírus”, disse ele, acompanhado pelo secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho.

Sobre as contas de energia, ele ponderou que vai acionar o Ministério Público para que as medidas também sejam válidas à Energisa, empresa responsável pelo serviço no Estado. "Vou recomendar e pedir medida judicial".

Orientação – Marquinhos ainda pediu que as pessoas do grupo de risco, como idosos, evitem sair para fazer compras em mercados ou farmácias, pedindo para que outros membros da família façam a atividade. “O vírus só se espalha pelos nossos próprios erros, se não prevenir, podemos ter mortes na cidade”.

Ele ainda lembrou que a prefeitura foi a primeira cidade a paralisar as aulas nas escolas municipais e mudar a rotina do poder público, assim como proibir eventos com mais de 100 pessoas na cidade. “Chegou a hora de cada fazer sua parte”.

Nos siga no Google Notícias