ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Prefeito quer aval da Justiça para contrato emergencial de tapa-buracos

Problema em licitação anterior pode levar município a novo convênio

Mayara Bueno | 24/01/2017 12:03
Prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD)(Foto: Mayara Bueno)
Prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD)(Foto: Mayara Bueno)

Com a licitação anterior para contratação de empresas de tapa-buraco na Justiça e a possibilidade de o processo demorar mais seis meses, a Prefeitura de Campo Grande vai pedir autorização da Justiça para fechar contrato emergencial para disponibilizar o serviço. A afirmação é do prefeito da Capital, Marquinhos Trad (PSD).

Semana passada, o chefe do Executivo Municipal disse que estudava a possibilidade do convênio emergencial e utilizar o dinheiro fruto do convênio com o governo estadual. Dos R$ 50 milhões pactuados, R$ 20 milhões serão exclusivos para o serviço de reparo no asfalto da via.

O problema está na concorrência 010/2016, que previa R$ 51,8 milhões, divididos em sete lotes. Uma das empresas recorreu da licitação na Justiça, que além da anular a exclusão, determinou o retorno dela para que o certame continue, ainda segundo Marquinhos.

“Se tiver que incluir, vai levar mais cinco a seis meses da primeira até a última etapa. E dá para esperar com Campo Grande como está? A prefeitura vaio pedir o contrato emergencial”, disse.

Para não incorrer em erro e depois ser questionado, o prefeito quer o aval da Justiça para firmar o convênio emergencial. “Tudo eles estão interferindo e nós vamos pedir para não trazer incômodo”.

Histórico - Uma das empresas, a RR Barros Serviços e Construções Ltda, que concorreu à licitação, ano passado, entrou com um mandado de segurança para anular o ato da prefeitura, que a inabilitou. Na última terça-feira (dia 17), o juiz da 2ª Vara de Fazenda Pública e Registros Públicos, Alexandre Tsuyoshi Ito, anulou o ato municipal de anulação.

Até então, a determinação era para que a procuradoria-geral elaborasse um parecer sobre a licitação à Justiça.

Nos siga no Google Notícias