ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEXTA  21    CAMPO GRANDE 28º

Política

Licitação suspeita abre caminho para contrato emergencial de tapa-buraco

Prefeito de Campo Grande vai utilizar dinheiro fruto de convênio para eventual contratação

Mayara Bueno e Aline dos Santos | 20/01/2017 13:02
Prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD)(Foto: Alcides Neto)
Prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD)(Foto: Alcides Neto)

Com a licitação para escolha de empresas do tapa-buraco travada e na Justiça, a Prefeitura de Campo Grande não descarta um convênio emergencial para contratar novas empresas e efetivar a parceria com o governo estadual para execução do serviço nas ruas da Capital.

O problema estaria na concorrência 010/2016, que previa R$ 51,8 milhões, divididos em sete lotes para “manutenção de vias públicas, reconstituição de pavimento asfáltico, com fornecimento de CBUQ - remendo superficial (tapa-buracos) e remendo profundo”.

Uma das empresas, a RR Barros Serviços e Construções Ltda, que concorreu à licitação, ano passado, entrou com um mandado de segurança para anular o ato da prefeitura, que a inabilitou.

Na última terça-feira (dia 17), o juiz da 2ª Vara de Fazenda Pública e Registros Públicos, Alexandre Tsuyoshi Ito, anulou o ato municipal de anulação.

Segundo o prefeito Marquinhos Trad (PSD), a Justiça constatou vícios na concorrência e afirmou que a decisão prevê também que o Município decida se anula a licitação ou não, por meio de parecer da procuradoria-jurídica. “Pela decisão, dificilmente a licitação será homologada. A partir do momento que existe uma decisão, que aponta vícios em determinadas etapas, eu não me sinto seguro”, afirmou, sem detalhar quais seriam as irregularidades.

Se a concorrência for anulada, a prefeitura deverá fazer um contrato emergencial para o serviço de tapa-buraco, já que os atuais convênios estão próximos dos prazos de validade. O dinheiro fruto do convênio com o governo estadual – fechados ontem no valor de R$ 50 milhões – deverá ser utilizado para bancar as eventuais novas contratações, disse o prefeito.

“Salienta-se que a presente decisum não possui o condão de impedir a reanálise, por parte da Administração Municipal, dos requisitos necessários para a regular habilitação da parte impetrante no referido certame (inclusive os utilizados para acarretar a sua inabilitação originária), desde que eventuais motivos constatados aptos a acarretar possível futura inabilitação sejam claramente demonstrados pelo Ente Munícipe”, afirma o magistrado na decisão.

Brasília – O prefeito anunciou que deve fazer, em 31 de janeiro, a primeira agenda como prefeito em Brasília. O objetivo é tentar garantir recursos para obras, já que pactuadas na gestão anterior, mas, como as construções foram paralisadas, existe o risco de o Município perder de vez o recurso.

Entre as pautas previstas, está a discussão do projeto de revitalização do centro. Deputados federais de MS trabalham para fechar detalhes da agenda na capital federal.

Nos siga no Google Notícias