A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 18 de Outubro de 2018

06/08/2015 23:59

Prefeitura alega equívoco, e nega ter reajustado contratos com a Solurb

Thiago de Souza
Prefeitura diz que pagamentos variam conforme quantidade de lixo coletada. (Foto: Divulgação PMCG)Prefeitura diz que pagamentos variam conforme quantidade de lixo coletada. (Foto: Divulgação PMCG)

A Prefeitura Municipal de Campo Grande, por meio da Secretaria Municipal de Planejamento, Finanças e Controle, informou que houve interpretação equivocada, da informação de reajuste dos contratos pelo executivo à empresa Solurb, responsável pela coleta de lixo e outros 14 serviços em Campo Grande. 

Conforme o Campo Grande News noticiou, no dia 27 de julho, o Consórcio CG Solurb recebeu da Prefeitura R$ 14,3 milhões, referentes aos serviços prestados em junho. O valor representa um acréscimo de 47,4% em relação a média paga em 2015, que foi de R$ 9,7 milhões. E em relação ao valor inicial, previsto na assinatura do contrato em outubro de 2012, houve aumento de 232%.

O custo mensal, de acordo com a Prefeitura, varia conforme o volume de serviço executado e medido, custando em média R$ 7,9 milhões por mês no primeiro semestre de 2015, conforme levantamento da Secretaria de Receita, Planejamento e Controle. A medição referente a julho, concluída pela Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação, contabilizou medições faturadas no valor de R$ 7.769.53,13, referente, por exemplo, a coleta de 21.713.79 toneladas de lixo, uma média diária de 723 toneladas; 11.299.36 quilômetros de varrição; 2.292.169,96 metros quadrados de capina e 267 km de meio fio.

Segundo o secretário-adjunto de Municipal de Planejamento, Finanças e Controle, Ivan Jorge, o Diário Oficial do dia 24 de julho, trouxe a publicação de quatro empenhos em favor da concessionária que somaram pouco mais de R$ 14 milhões, medições dos serviços dos meses de junho e julho, que serão pagos ao longo do mês de agosto conforme a disponibilidade financeira do município. “Esta publicação gerou interpretações equivocadas de que teria sido concedido um aumento de quase 100% em relação aos valores faturados nos meses anteriores”, explicou Ivan, mencionando um detalhe técnico: “empenho não é pagamento, não significa desembolso financeiro”.

O secretário-adjunto lembra ainda que, o contrato prevê revisões anuais, (que ainda não foram e nem concedidas neste ano) que levam em conta uma série de indicadores, um deles é o IGPM (Índice Geral de Mercado) calculado pela Fundação Getúlio Vargas, que alcançou 5,05% nos primeiros sete meses do ano.

O contrato também foi impactado pela ampliação da área de atuação da concessionária em regiões da cidade onde os serviços até o ano passado eram feitos pela própria Prefeitura ou terceirizados para empresas, cujos contratos foram encerrados e não foram renovados. Isto ampliou em 28,46%, de 2012 para este ano, o perímetro em que a concessionária faz o serviço (que passou de 185 quilômetros para 242 km ). A capina, raspagem e roçagem manual com destinação final dos resíduos, cresceu 42,82%, enquanto a roçada mecanizada com máquina costal com destinação e disposição final dos resíduos, ficou 289,22% maior.

O secretário lembra que, com o aumento da renda das populações, o consumo aumenta, e consequentemente, eleva-se a quantidade de resíduos. O titular da pasta disse ainda que, em épocas de férias e festas como natal e ano novo, a quantidade de lixo aumenta, e em em meses como julho, o volume de resíduos diminui.

Suspensão de gratuidade no transporte de doentes crônicos gera protesto
Manifestantes irão se reunir nesta quinta-feira (18), em frente à Abrec (Associação Beneficente dos Renais Crônicos), em protesto contra decisão do S...
Abordada no Centro, jovem é mantida refém e deixada por bandido no Noroeste
Uma jovem de 22 anos foi deixada no Jardim Noroeste em Campo Grande, depois de ser mantida refém dentro do próprio veículo Gol, que foi roubado por u...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions