ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUINTA  30    CAMPO GRANDE 26º

Capital

Prefeitura descarta aumento de repasse para a Santa Casa

Por Christiane Reis e Yarima Mecchi | 12/01/2017 14:10
Marquinhos Trad, secretário de saúde e o presidente da Associação Beneficente da Santa Casa em reunião na manhã desta quinta. (Foto: Yarima Mecchi)
Marquinhos Trad, secretário de saúde e o presidente da Associação Beneficente da Santa Casa em reunião na manhã desta quinta. (Foto: Yarima Mecchi)

A Prefeitura de Campo Grande descartou aumentar o repasse de recursos à Santa Casa. A informação é do secretário de Saúde, Marcelo Vilela, e foi dada durante assinatura de acordo com o hospital na manhã desta quinta-feira (12).

“A prefeitura não tem como aumentar o valor do repasse. Atualmente são repassados R$ 4,674 milhões por parte do município”, destacou. O valor total do contrato é de R$ 20 milhões, sendo R$ 4,674 milhões do município, o Governo do Estado repassa R$ 2,570 e o restante é verba do Governo Federal.

O contrato com o hospital, que expirou em dezembro do ano passado, foi prorrogado até o dia 31 de março deste ano. Na reunião de hoje, o município se comprometeu em fazer o repasse, entre hoje e amanhã, de R$ 18 milhões dos R$ 20 milhões previstos em contrato com a instituição, referente ao mês de dezembro de 2016, e manter em dia os repasses de janeiro, fevereiro e março. 

Alternativas – O prefeito Marquinhos Trad (PSD) disse que já houve momentos em que governo do Estado e município repassavam a mesma quantia. Um alternativa, segundo ele, é procurar o governo estadual para aumentar o valor repassado. Ainda não há data para iniciar a conversa.

Outro caminho, segundo Marcelo Vilela, é buscar o aumento por parte do Governo Federal. “O teto de urgência e emergência pode aumentar dos R$ 2 milhões para R$ 7 milhões mensais”, disse. Para isso, tanto o secretário de Saúde, quanto o de Finanças, Pedro Pedrossian Neto, devem ir a Brasília para negociar o acréscimo.

O presidente da ABCG (Associação Beneficente de Campo Grande), Esacheu Nascimento disse que o Ministério Público também vai acompanhar as negociações.

Nos siga no Google Notícias