A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

26/03/2014 10:25

Presos se antecipam e compram celular via satélite para furar bloqueio

Mariana Lopes
Apesar da segurança e revista rigorosa, presos recebem aparelhos de telefone (Foto: Cleber Gellio/Arquivo)Apesar da segurança e revista rigorosa, presos recebem aparelhos de telefone (Foto: Cleber Gellio/Arquivo)

Os presos ligados a facções criminosas decidiram se antecipar aos bloqueadores de celulares, que devem ser ativados neste semestre pelo Governo, e compraram telefones via satélite para manter a comunicação com o "mundo externo". Os criminosos recorreram aos equipamentos sofistificados, que custam até R$ 3 mil, para manter a prática dos crimes, como assaltos e sequestros fora dos presídios. 

A denúncia chegou ao Campo Grande News através de uma mulher que tem pelo menos cinco familiares no complexo penitenciário da Capital, todos presos por causa de tráfico de drogas e alguns envolvidos com o PCC (Primeiro Comando da Capital). Por medo e para garantir a própria segurança, ela pediu que a sua identidade fosse preservada.

“Falo todos os dias com as pessoas lá de dentro por telefone, até quando o sinal está cortado, porque eles já estão com aparelhos via satélite”, afirma a mulher. Apesar de saber que a denúncia pode impedi-la de conversar com frequência com os familiares e também coloca em risco a vida dela, a comunicante pontua que é contra o crime organizado e que tem consciência de que o comércio do tráfico é comandado também de dentro dos presídios.

Segundo ela, os celulares via satélite chegaram à Máxima da mesma forma que chegam todos os outros aparelhos. “A gente entrega para as mulheres dos agentes penitenciários, para não levantar suspeita, e elas repassam. Daí os agentes entregam para os cantineiros do presídio, que distribuem para os presos”, conta.

Para os agentes fazerem com que os celulares cheguem até os presos, o preço varia de acordo com aparelho. No caso dos via satélite, o valor chega a R$ 3 mil, entregues no dinheiro vivo nas mãos dos agentes, segundo a comunicante. Este montante não conta com o preço pago apenas no aparelho, que é a parte e não é comprado em Campo Grande.

Contudo, ela também entrega e não é qualquer detento que tem acesso a esses celulares via satélite. “São só os grandes que têm, só quem o comando deixa”, afirma a mulher.

Possibilidade – Para o presidente do Sinsap/MS (Sindicato dos Agentes Penitenciários de Mato Grosso do Sul), Francisco Sanábria, existem muitos caminhos para os aparelhos celulares e as drogas chegarem aos detentos, mas ele não descarta a possibilidade do envolvimento dos agentes. “Qualquer pessoa pode ser corrompida, assim como existem profissionais de má fé em outras categorias”, expõe Sanábria.

De acordo com o promotor do Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado), Marcos Alex Vera, é feito periodicamente pente-fino nas celas dos presídios da Capital, sendo que o último foi feito no dia 21 de fevereiro. O promotor afirma ainda que nenhum aparelho com tecnologia via satélite foi encontrado com os detentos.

Sobre a denúncia de que os aparelhos entram nos presídios por intermédio dos agentes penitenciários, o promotor Marcos Alex diz que não pode se pronunciar quanto a investigações em andamento, apenas recorda que há alguns anos um agente foi preso por contribuir com os detentos.

Porém, atualmente, não há provas contra ações de agentes junto aos detentos para facilitar a entrada de celulares nos presídios, de acordo com o promotor do Gaeco.

Sem sinal - De acordo com o diretor-presidente da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), Deusdete de Oliveira, o isolamento do Complexo Penal em Campo Grande, no Jardim Noroeste, está na fase final de testes em busca de “buracos” nos 15 mil metros quadrados do local.

Segurança corta celular de presos, mas secretário diz que ainda é teste
O sábado é de celular mudo no Complexo Penal de Campo Grande, localizado no Jardim Noroeste. O bloqueio do sinal da telefonia móvel deixa em silêncio...
Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...
Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...


Enquanto houverem servidores públicos corruptos, esses inuteis terão mordomias na "prisão" onde no primeiro dia procuram fazer amizades com os agentes onde muitos desses devidos a esse contato diário com os bandidos se tornam refém deles.Banho de sol, visitas, visita " intima", lanche e bolos trazidos pelos familiares, campo de futebol,saidas temporárias, são mordomias q o estado oferece aos foras da lei, quando deveriam estarem trabalhando no pesado, a chamada terapia ocupacional. Mas ficam fumando maconha, dando golpe do celular, se rebelando e exigindo...porque não tem ocupação, um ótimo incentivo a praticas delituosas. Somente 3% se regeneram, os outros da pra lotar um Hercules da FAB...dar uma voltinha sobre o mar e...Vamos educar nossas crianças de hoje p ñ serem bandido do amanhã
 
Samuel Gomes em 26/03/2014 18:06:59
Eu só queria saber quem comprou e quem entrou com os aparelhos, será que nossa policia carceraria é tão incompetente assim? Tinha que melhorar as leis, se uma pessoa entra no presidio e é encontrado um aparelho celular para passar aos presidiários, esta pessoa deve ser presa na hora, fica pelo menos dois anos na cadeia pra não fazer de novo, isso sem interessar se ela está gravida, se tem filhos pequenos, enfim, temos que pensar nas consequencias antes de fazer, se eu tenho um filho pequeno que depende de mim, eu não posso ser preso e portanto não vou praticar nada que possa me colocar na cadeia, a corrupção no sistema carcerário é ridicula, tinha que haver punição mais severa para os agentes que facilitam, é cana neles, querem ajudar, fiquem aí dentro então.
 
maximiliano rodrigo antonio nahas em 26/03/2014 12:24:58
O que não conseguimos entender de foma alguma é como os presos conseguem fazer entrar e manter aparelhos de celulares dentro da prisão, o que falta na verdade é um controle rigido do que entra e sai dos presidios, pois aparelhos de celulares não andam sozinhos e não voam, portanto´só existe uma explicação, ou são levados por visitas ou através de agentes corruptos.
 
juvenil marques do vale em 26/03/2014 11:16:54
* o brasil esta cheio de corruptos , e para acabar com esse bando de bandido é facil , solte uma bomba dentro do presidio . pronto vai ser tudo resolvido
 
antonio gonçalves da silva em 26/03/2014 10:52:33
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions