A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 17 de Outubro de 2018

31/07/2015 12:23

Professores vão distribuir café de "verdade" na Câmara Municipal

Antonio Marques
Depois de cortar bolo na frente da Prefeitura, na última quarta-feira, na semana que vem os professores em greve vão distribuir café na Câmara Municipal (Foto: Fernando Antunes)Depois de cortar bolo na frente da Prefeitura, na última quarta-feira, na semana que vem os professores em greve vão distribuir café na Câmara Municipal (Foto: Fernando Antunes)

As vésperas de completar dois meses de paralisação, a greve dos professores da Reme (Rede Municipal de Ensino) está longe do fim, diante do impasse entre a ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública) e o prefeito Gilmar Olarte (PP). Nem a Justiça e o Ministério Público conseguir apresentar uma solução para que as aulas voltem à normalidade. Pelo menos 50% das escolas estão funcionando parcialmente, sem professores de algumas disciplinas. Na próxima semana os educadores vão distribuir café de "verdade" na Câmara Municipal.

A Prefeitura alega que não tem mais escolas totalmente paradas, sendo 59 com aulas normal e em 35, com funcionamento parcial, como se isso não levasse prejuízo aos alunos, que já estão deixando a rede municipal e migrando para estadual, especial os estudantes do 9º ano do ensino fundamental. “Mesmo em sala de aula, os professores estão sem brilho nos olhos, em razão de o prefeito não cumprir a lei que ele mesmo encaminhou à Câmara Municipal”, comentou o presidente da ACP, Geraldo Alves Gonçalves.

O sindicato informou que na próxima semana divulga novo balanço sobre a greve, mas conforme o Campo Grande News apurou não existe mais escola totalmente parada. Nos dados do sindicato, relativos à segunda-feira passada, seriam 51 escolas funcionando parcialmente; 38, com aula normal; e uma com todos os professores parados. Porém na terça-feira, a Escola Municipal Carlos Vilhalva Cristaldo, localizada no Jardim Aeroporto, única apontada em greve geral, teria retornado a funcionar parcialmente.

Na tarde de hoje, a partir das 14 horas, haverá nova assembleia geral na sede do sindicato, mas conforme o presidente da ACP, Geraldo Alves Gonçalves, na pauta será debatido apenas o calendário de atividades dos grevistas para a próxima semana, considerando que a Prefeitura não apresentou nenhuma nova proposta e nem respondeu à solicitação da categoria.

“Cobramos do secretário de educação Marcelo Salomão a audiência com o prefeito, que ele fez compromisso na terça-feira e até agora não nos respondeu”, lembrou o dirigente sindical, referindo-se ao envio de ofício da entidade cobrando resposta do chefe da Semed (Secretaria Municipal de Educação).

Os professores cobram do prefeito o cumprimento da Lei Municipal 5.411/2014, que estabelece o reajuste de 13,01% do piso salarial nacional para 20 horas semanais. No primeiro semestre, a paralisação foi suspensa depois de 47 dias e nesta semana já são mais 5 dias de paralisação.

A proposta da prefeitura, que previa reajuste de 8,5% em 10 vezes e condicionava o aumento à redução no gasto com pessoal, foi rejeitada pela categoria, na segunda-feira, 27, em assembleia geral da categoria.

Segundo o presidente da entidade, a proposta do município piorou em relação a anterior, porque não prevê a retomada da negociação em outubro para o 4,5% restantes e ainda condiciona o reajuste ao gasto com a folha ficar abaixo do limite prudencial de 51,3% da receita, conforme prevê a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal). “Isso não é proposta para nós, pois se não alcançar a redução do limite prudencial não haverá reajuste algum”, destacou Geraldo Gonçalves.

Café - Na próxima semana, com a volta do recesso legislativo, os professores retomam as manifestações na Câmara Municipal. Agora eles vão distribuir café na Casa. “Na terça-feira e quinta-feira, os educadores vão tomar café de verdade com os vereadores”, declarou o presidente da ACP, informando que o sindicato vai levar garrafas de café para as dependências da Câmara dos Vereadores e oferecer o produto aos frequentadores e os próprios parlamentares. Antes do recesso, os professores distribuíram pizzas no local.

Geraldo Gonçalves disse que o Tribunal de Justiça deve incluir na pauta uma audiência de conciliação para tratar do assunto, porém sem previsão. E o Ministério Público vai abrir inquérito contra a Prefeitura para apurar as duas representações da ACP, pelo descumprimento da lei municipal 5.411/2014, e por improbidade administrativa.

De acordo com assessoria da Prefeitura, não houve até o momento qualquer alteração relativa à proposta apresentada aos professores.

Antes do recesso legislativo, os professores distribuíram pizzas na Câmara dos Vereadores para cobrar apoio da Casa na negociação com a Prefeitura (Foto: Divulgação ACP)Antes do recesso legislativo, os professores distribuíram pizzas na Câmara dos Vereadores para cobrar apoio da Casa na negociação com a Prefeitura (Foto: Divulgação ACP)
Após 49 dias de greve não há mais escolas paradas totalmente
No segundo dia de greve dos professores, após o retorno das férias na Reme (Rede Municipal de Ensino), já não tem mais escolas totalmente paradas com...
Abordada no Centro, jovem é mantida refém e deixada por bandido no Noroeste
Uma jovem de 22 anos foi deixada no Jardim Noroeste em Campo Grande, depois de ser mantida refém dentro do próprio veículo Gol, que foi roubado por u...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions