A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 18 de Setembro de 2019

23/08/2019 14:55

Promotor desmaia, réu vai para posto e júri de serial killer é cancelado

Douglas Oldegardo dos Santos foi levado por equipe do Samu para um hospital

Marta Ferreira e Maressa Mendonça
Nando exaltado, ao deixar Fórum, depois de júri tumultuado. (Foto: Henrique Kaiwaminami)Nando exaltado, ao deixar Fórum, depois de júri tumultuado. (Foto: Henrique Kaiwaminami)

Réu levado para o posto de saúde e promotor socorrido pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). Esse é o quadro do 10º júri de Luiz Alves Martins Filho, 54 anos, o Nando, acusado de matar jovens, a maioria dependentes químicos, e enterrar os corpos em cemitério clandestino no Bairro Danúbio Azul, em Campo Grande. A sessão ocorreu nesta sexta-feira (23) no Fórum de Campo Grande e acabou cancelada, depois de uma série de confusões.

Primeiro, foi Nando quem teve de deixar o julgamento, após se estapear, chorar, ameaçar e xingar pessoas. Depois, na sala de espera, bateu três vezes com a cabeça na parede, bastante exaltado, e foi levado para posto de saúde do Bairro Tiradentes.

Por volta das 14h, já na fase final do julgamento, o responsável pela acusação, o promotor Douglas Oldegardo Cavalheiro dos Santos, 44 anos, fazia sua explanação final, pedindo a condenação do réu, quando sua voz foi falhando e ele desabou, desmaiado.

O promotor demorou a acordar e o Samu foi novamente acionado, para levar o promotor a um hospital. Ele saiu do prédio do Fórum acordado. Foi levado para o Hospital da Unimed, na Avenida Mato Grosso, e passa bem. A suspeita é de que tenha sofrido uma queda de pressão. A reportagem apurou que o promotor passará por um check-up de saúde.

Momento em que o promotor passa mal no júri. Na foto, o defensor aparece de preto, abaixado e Douglas está no chão. (Foto: Maressa Mendonça)Momento em que o promotor passa mal no júri. Na foto, o defensor aparece de preto, abaixado e Douglas está no chão. (Foto: Maressa Mendonça)

O motivo – Tudo aconteceu quando o promotor fazia sua tréplica ao defensor de Nando no caso, Rodrigo Antônio Stochiero Silva. O representante do Ministério Público ficou bastante irritado com a afirmação de Stochiero de que estava pedindo a condenação do réu baseado apenas em confissão.

“Faz mal ao processo penal quando pede condenação com base apenas em confissão” é a frase atribuída ao defensor. Em sua fala, na sequência, Douglas falou por mais de 20 minutos e subiu o tom de voz. Disse que tem outros elementos para pedir a condenação, como o fato de Nado ter indicado o local onde estava o corpo da vítima, Eduardo Dias Lima, 15 anos, e o testemunho de dois policiais.

“Isso é me ofender, mesmo coisa de dizer que o MP está prejudicando, pedindo condenação com base em confissão”, disparou. “É cuspir na minha história, no meu trabalho, na minha instituição”.

Ao final da explanação, o promotor foi perdendo a voz e fez um sinal para o magistrado. Depois, desmaiou.

Com o ocorrido, o juiz Aluizio Pereira dos Santos cancelou o júri. Nando é acusado homicídio triplamente qualificado: por motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima.

Viaturas do Samu deixam prédio do Fòrum, onde promotor desmaiou. Viaturas do Samu deixam prédio do Fòrum, onde promotor desmaiou.
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions