A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

18/03/2016 13:57

Protesto contra Dilma fecha 400 lojas no Centro, afirma organização

Ricardo Campos Jr. e Viviane Oliveira
Maioria das lojas aderiu ao movimento, diz organização (Foto: Alan Nantes)Maioria das lojas aderiu ao movimento, diz organização (Foto: Alan Nantes)
Funcionários e empresários fizeram uma passeata (Foto: Alan Nantes)Funcionários e empresários fizeram uma passeata (Foto: Alan Nantes)

O comércio no Centro de Campo Grande reabriu após a manifestação dos lojistas realizada do meio-dia às 13h desta sexta-feira (18). Conforme a organização do movimento, cerca de 400 empresas fecharam as portas, o que corresponde a 90% dos estabelecimentos. Empresários e funcionários fizeram uma pequena passeata pedindo o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).

Hermas Renan Rodrigues, presidente da CDL (Câmara dos Dirigentes Lojistas), afirma que 200 pessoas participaram da caminhada.

No entanto, a PM (Polícia Militar) informou que na contagem da corporação apenas 70 foram às ruas.

“A avaliação não podia ser melhor, surpreendeu as nossas expectativas. Cada ação tem uma reação e a de hoje foi uma reação a tudo o que vem acontecendo no Brasil”, pontua Rodrigues.

O andou pela Rua 14 de Julho do cruzamento com a Avenida Afonso Pena até a esquina com a Rua Cândido Mariano. Vários empresários e funcionários paralisaram as atividades, mas acompanharam o movimento da calçada, enquanto os manifestantes os convidavam a se unir ao ato.

A PM (Polícia Militar) chegou ao local após o início do evento. O trânsito não foi interditado e a corporação orientou as pessoas a usarem apenas uma das faixas, já que havia muitos integrantes caminhando entre os carros. Alguns motoristas fizeram um buzinaço em apoio ao protesto. No final, os participantes agradeceram o apoio dos militares “batendo continência”.

Eli Botelho, 20 anos, trabalha como cabeleireira no Centro e aproveitou o horário de almoço para ir ao ato, já que a dona do salão optou em permanecer com o estabelecimento aberto. Ela estava acompanhada por um grupo de colegas.

“Nós estamos revoltados, só queremos tirar os dois [Lula e Dilma]. Tem que começar pelos piores, porque foram eles que afundaram o Brasil”, afirma.

População 'bate continência' para agradecer o apoio dos policiais (Foto: Alan Nantes)População 'bate continência' para agradecer o apoio dos policiais (Foto: Alan Nantes)

A trabalhadora conta que tem ido a todos os protestos sempre que possível e divulga fotos dos eventos nas redes sociais para atrair mais gente. “Se tudo isso resultar em melhorias, vai valer muito à pena, mas mesmo assim estou feliz em ter contribuído”, diz.

Fabíola Deiss é dona de uma loja na região, fechou as portas e participou da passeata. “Nunca se viu a 14 de Julho com as portas fechadas, o coração do Centro”, opina.

O ato foi convocado ontem pela CDL (Câmara dos Dirigentes Lojistas) e pela ACICG (Associação Comercial e Industrial de Campo Grande).




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions