ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Rede de ensino distribui 115 toneladas de merenda para 117 mil alunos

Por Aline dos Santos | 23/01/2017 09:50
Alimentos estocados em depósito na Vila Sobrinho. (Foto: Pedro Peralta)
Alimentos estocados em depósito na Vila Sobrinho. (Foto: Pedro Peralta)

Custo de R$ 1,7 milhão por mês, 115 toneladas e 117 mil pessoas. Esses são os números da merenda, que será distribuída de hoje (dia 23) a 3 de fevereiro para 232 escolas, Ceinfs (Centros de Educação Infantil) e entidades cadastradas.

Na manhã desta segunda-feira, os caminhões saíram da Suali (Superintendência de Abastecimento Alimentar), na Vila Sobrinho, com direção às escolas.

De acordo com a secretária municipal de Educação, Ilza Mateus de Souza, o custo anual da alimentação escolar é de R$ 21 milhões. As 115 toneladas são utilizadas por dois meses. Enquanto que frutas, verduras, legume e ovos começarão a ser entregue na próxima semana. No caso dos hortifrutigranjeiros, o abastecimento é semanal.

A partir de hoje, começa a entrega de arroz, feijão, farinhas (trigo, mandioca, milho), óleo, temperos, suco, bolacha, achocolatado, carne bovina e carne de frango. Neste ano, a nova gestão encontrou mais de nove mil quilos de arros com prazo de validade vencido. “O depósito estava muito desorganizado, com os alimentos muito mal acomodados”, afirma a secretária.

Como a maioria dos caminhões estava em manutenção, a entrega dos alimentos teve reforço de veículos de outras secretarias. “A organização está muito boa, colocamos equipe muito competente”, diz Ilza. O cronograma de entrega da merenda prevê abastecimentos de 94 escolas, entidades conveniadas e 99 creches.

Os produtos foram adquiridos em licitações empenhadas ano passado. Neste ano, a programação é comprar alimentos para manter um estoque capaz de atender os alunos por seis meses.

A Reme (Rede Municipal de Ensino) tem 19 nutricionistas. “Elas fazem o cardápio bem balanceado e escolhem os produtos que devem ser adquiridos”, diz Ilza. O ano letivo começa em 6 de fevereiro e a Semed ainda espera que sete mil alunos já matriculados confirmem a vaga.

Já o aumento do número de escola integral fica para 2018. Conforme a secretária, a equipe assumiu em 2 de janeiro e prioriza, neste começo de gestão, transporte escolar rural, merenda, kit escolar e uniforme. Campo Grande tem duas escolas de tempo integral.

Prazos - Os pais e responsáveis de alunos que perderam os prazos de matrícula poderão comparecer até 6 de fevereiro nas secretarias das escolas para fazer a efetivação. Para os que desejam ingressar na Reme, será realizado um novo período, que vai vigorar do dia 26 até 31 de janeiro.

O responsável deverá comparecer à escola designada para efetivar a matrícula. Não será oferecido matricula online, com todos os procedimentos realizados de forma presencial.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário