A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

12/03/2012 19:23

Relatórios apontam risco de infecção em hospitais de Campo Grande

Nadyenka Castro

Dados são referentes aos últimos três anos. Ministério Público Estadual deu prazo para regularização

A promotora de justiça Sara Francisco explica a situação do controle de infecção hospitalar na Capital. (Foto: Marlon Ganassin)A promotora de justiça Sara Francisco explica a situação do controle de infecção hospitalar na Capital. (Foto: Marlon Ganassin)

Relatórios feitos pela Vigilância Sanitária Municipal e entregues ao MPE (Ministério Público Estadual) indicam que há risco de infecção hospitalar em 11 hospitais - públicos e particulares - de Campo Grande.

A promotora de justiça Sara Francisco Silva, da Promotoria de Justiça de Saúde Pública, foi quem solicitou as informações, em outubro de 2011. “Foi uma medida preventiva. Decidimos verificar como estava a situação antes de acontecer alguma coisa polêmica”, justifica.

A Vigilância encaminhou relatórios das inspeções feitas em hospitais desde 2009 e a conclusão da promotoria é de que é preciso melhorias para que a situação não chegue ao nível mais crítico. “A solução é que os hospitais estruturem corretamente as CCHI’s Comissões de Controle e Infecção Hospitalar”, fala Sara Francisco.

De acordo com a promotora em cada unidade de saúde foram verificadas situações distintas. E entre as irregularidades encontradas nos hospitais estão: falta de controle de uso de antibióticos, problemas com limpeza, armazenamento irregular de medicamentos, luvas a serem usadas armazenadas em recipientes abertos e falta de mapeamento quando detectada alguma bactéria.

Sara explica que as irregularidades algumas vezes são decorrentes da falta de funcionamento adequado das CCHI’s. “Cada hospital tem que ter a sua comissão, que é formada por médicos, enfermeiros e outros profissionais que geralmente têm outras funções e não conseguem fazer o trabalho na comissão, que é de treinamento, visitar ambientes e mapeamento de incidência de infecção”.

O mapeamento de bactéria funciona mais ou menos assim: cabe ao profissional da comissão anotar a data, o setor e qual o tipo que foi detectada. “Se a curva sobe tem que entrar com medidas. Como não tem mapeamento, só vai saber o que está acontecendo quando cinco [pessoas] forem infectadas”, exemplifica a promotora.

O controle do uso de antibióticos é fundamental para evitar que, em caso de infecção, o medicamento utilizado no combate seja eficaz.

A promotora cita também como situação irregular o sistema de limpeza dos hospitais. “Tem hospital que passa normas para economizar luvas, produtos de limpeza”, fala. Há problemas ainda com uso de produtos inadequados e a forma de fazer o serviço.

“As empresas terceirizadas não têm treinamento para desinfetar hospitais”, declara Sara. Além disso, o mesmo trabalhador que limpa mais de um setor.

Apesar das irregularidades, a promotora afirma que as unidades de saúde têm melhorado e que na maioria dos hospitais os problemas não são em todos os setores. “Todos têm melhorado”.

E agora?- Diante das constatações, a promotoria abriu Inquérito Civil e determinou que os hospitais regularizem a situação o mais rápido possível. A determinação foi publicada em Diário Oficial no dia 6 de março e as unidades têm 10 dias úteis para prestar informações, a contar da data da notificação de cada uma.

Após repassar informações ao MPE, os hospitais terão novo prazo para se adequarem. “Muitos já podem ter se regularizado”, fala a promotora de Saúde Pública.

Caso não sejam verificadas melhorias, a Vigilância Sanitária é avisada, assim como o Ministério da Saúde, podendo até haver interdições.

Ainda não foram encaminhados à promotoria relatórios de inspeções nas Unidades de Pronto Atendimento, da rede municipal. A promotora irá pedir ainda dados referentes ao Hospital Evangélico e aos hospitais da Base Aérea e do Exército.

Foram considerados “insatisfatórios” o controle de infecção hospitalar nas seguintes unidades: Maternidade Cândido Mariano, Santa Casa de Campo Grande, Hospital Universitário, Clínica Campo Grande, Proncor, Hospital Infantil São Lucas, Hospital da Criança, Hospital da Mulher, Miguel Couto, El Kadri e Adventista do Pênfigo.

Problema- Conforme a promotora, outra situação encontrada é de pacientes de hospitais particulares que contraem alguma infecção durante o tratamento e vão para a rede pública por não ter mais dinheiro para pagar a internação. “A ida desse paciente para a rede pública acaba interditando um setor com 10,12 leitos”, declara Sara.

Moradores prendem suspeito de assaltar mulher com criança no colo
Armado com uma faca, Igor Mateus Lima da Costa, 19 anos, assaltou uma mulher que estava com o filho no colo e acabou preso por moradores. O caso acon...
Homem de 30 anos é esfaqueado e fica em estado grave
Bartolomeu Gomes de Araújo Barbosa, 30 anos, ficou gravemente ferido após ser atingido a golpes de faca no abdômen, na noite de ontem (12), na Rua Bo...
Após documento vazar, Sesau diz que hemogramas não foram suspensos
A Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) afirmou que os hemogramas continuam sendo feitos na rede pública de saúde de Campo Grande. A informação inici...


Sou de uma empresa que produz desinfetante hospitalar. Trabalhamos com um produto chamado CICLO BAKARIS, esse produto tem ação frente as bactérias, Salmonella, Acinetobacter, Staphylococcus, pseudomonas, KPC e outras,possui também feito residual de 04 horas, ou seja, não precisa repassar o produto o tempo todo. Encontramos muita resistência em vender nos hospitais por se tratar de produto novo. Os hospital tem a cultura que o álcool 70° é o melhor desinfetante que tem, porém, existem bactérias multi-resistente que o álcool não tem ação. Além do mais não se faz um controle correto de bactérias e antibióticos aumentando o risco dos paciente.
Os CCIH's precisam tomar mais consciência e dar abertura para novos produtos, quem vem como a missão de Melhorar o dia-a-dia.
 
Aline Pinheiro em 08/01/2014 11:10:02
É uma vergonha mesmo, e se somarmos isso tudo com o descaso de muitos profissionais que deveriam prezar pela saúde dos usuários, chegaremos a conclusão de que a situação pode ser ainda mais séria.
 
Luciana Rodrigues em 13/03/2012 10:05:59
Isto é mesmo uma barbaria porque os médicos fazem o trabalho deles bem feito ai na recuperação o paciente morre devido a infecção que pegou foi o que aconteceu com uma pessoa querida nossa!!!A cirurgia foi um susseço mas a infecção a levou de nós
 
Eulenice da silva em 13/03/2012 09:42:46
Que vergonha, isso é um absurdo.
A pessoa paga, pra ter um atendimento diferencial
e o que acontece? sai pior do que entrou, é pra caba.........
 
Rosi Meire em 12/03/2012 11:24:29
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions