A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 23 de Abril de 2019

24/01/2019 08:55

Réu por matar traficante rival a tiros vai a júri 6 anos após o crime

Wenderson, conhecido como “Chiquinho”, matou Bruno Camargo durante uma briga

Danielle Valentim
Arma usada no crime foi entregue à polícia pela mãe de Wenderson. (Foto: Rodrigo Pazinato)Arma usada no crime foi entregue à polícia pela mãe de Wenderson. (Foto: Rodrigo Pazinato)

O lombador de frigorífico Wenderson Felipe Dias de Souza, de 24 anos, conhecido como “Chiquinho” passa por júri nesta quinta-feira (24) pelo homicídio de Bruno Camargo de Alencar, conhecido como “Alemão”, em novembro de 2012. Além do homicídio simples, Wenderson é acusado de porte ilegal de arma de fogo.

Conforme o processo, o motivo da briga entre o acusado e a vítima foi por um ponto de drogas no bairro. Durante uma discussão, Wenderson sacou uma arma, do tipo revólver, calibre 6.35, Marca MAK, e atirou em Bruno. O crime ocorreu por volta das 21h53, na Rua Teodoro de Oliveira, bairro Jardim Botafogo, em Campo Grande.

A vítima e o acusado comercializavam drogas e se desentenderam em razão de seus pontos estarem situados muito próximos. Conforme a denúncia, Chiquinho adquiriu a arma usada no crime, pela quantia de R$ 1.500,00, cinco dias antes, porque estaria sofrendo ameaças.

O policial militar que atendeu a ocorrência afirmou que as testemunhas que estavam no local confirmaram que foi Chiquinho quem atirou em Alemão.

O acusado alegou, em interrogatório da fase judicial, que a vítima o ameaçou de morte, pois o acusava de vender drogas e atrapalhar seu ponto de droga, apesar de o acusado negar que tivesse envolvimento com o tráfico de entorpecentes. A defesa pleiteia a absolvição sumária do acusado, alegando ter agido em legítima defesa.

O juiz do caso, Carlos Alberto Garcete de Almeida, observou que quanto à autoria do crime há indícios suficientes, mormente a confissão de que o acusado adquiriu e que portava arma de fogo ilegalmente no momento em que efetuou os disparos, noticiados na denúncia. Assim, incumbe ao conselho de sentença (jurados), como juiz natural do caso, concluir se o réu também cometeu ou não este crime conexo.

“Posto isso, na forma do art. 413 do Código de Processo Penal brasileiro, pronuncio o acusado a fim de que seja submetido a julgamento pelo egrégio Tribunal do Júri desta comarca, pelo art. 121, em relação à vítima e o art. 14 (porte ilegal de arma de fogo) da Lei nº 10.826/2003”.

Jovem de 20 anos morre após ser atingido por tiros no Jardim Botafogo
Um jovem de 20 morreu na noite desta quinta-feira (1) no Jardim Botafogo, em Campo Grande, ao ser atingido por dois tiros. Um deles atingiu o tórax, ...
Homem será julgado 15 após matar colega com golpe de 'picareta' na cabeça
Quinze anos depois de ter matado Olegário Gimenes com um golpe de picareta na cabeça, Amilton Maidana, de 65 anos, será julgado nesta terça-feira (23...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions