ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 13º

Capital

Sangue no banheiro confirma que baterista matou Mayara sozinho

A Perícia não encontrou material genético de Anderson Sanches Pereira e Ronaldo da Silva Olmedo

Danielle Valentim | 26/01/2018 17:31
Luís Alberto Bastos Barbosa, de 29 anos, confessou ter matado a musicista (Foto: Marcos Ermínio/ Arquivo)
Luís Alberto Bastos Barbosa, de 29 anos, confessou ter matado a musicista (Foto: Marcos Ermínio/ Arquivo)

Os resultados dos laudos do Instituto de Análises Laboratoriais Forenses de Mato Grosso do Sul encontraram apenas o material genético de Luis Alberto Barbosa, misturado ao sangue de Mayara Amaral, de 27 anos, recolhido das paredes do banheiro do motel. A mesma análise não encontrou perfil genético da dupla apontada como comparsa do baterista. A musicista foi morta a marteladas no dia 25 de julho de 2017, em Campo Grande.

A perícia encontrou sangue de Mayara em duas calças jeans, tênis All Star, martelo, toalha de rosto, camiseta, botas, assoalho do carro, assim como nas paredes do banheiro do quarto e no piso da garagem do motel. O material extraído do sangue encontrado na calça jeans, trouxe o mesmo perfil genético de Luis.

Porém, os mesmos laudos assinados pelas peritas criminais Francis Paes Saffran e Thaís Nichikuma Harada, no dia 2 de outubro de 2017, concluíram a exclusão de DNA de Anderson Sanches Pereira e Ronaldo da Silva Olmedo.

“Os resultados obtidos revelam que o perfil haplotípico identificado no sangue da parede do banheiro do quarto, e nas amostras-referência não foram coincidentes, indicando a exclusão de Anderson Sanches Pereiras e Ronaldo da Silva Olmedo (sic)”.

O resultado confirma o segundo depoimento do baterista, que já havia livrado a participação de Anderson e Ronaldo.

Entenda

Mayara foi morta a golpes de martelo em um motel na madrugada do dia 25 de julho, e teve o corpo abandonado e carbonizado em uma estrada vicinal na região do Inferninho, na saída de Campo Grande para Rochedo.

Luís está preso desde o dia 27 de julho quando foi surpreendido por equipes da Polícia Civil, e preso em flagrante pela morte da musicista de 27 anos. Na data, outros dois suspeitos de participação foram presos também, Ronaldo da Silva Olmedo, de 30 anos e Anderson Sanches Pereira.

Após versões contraditórias, o suspeito acabou confessando que matou Mayara sozinho, durante uma discussão. Ele alegou ainda que estava sob efeito de drogas e teve um rompante de raiva.

Por conta disso, e pelas faltas de provas, o Tribunal de Justiça livrou Anderson e Ronaldo das acusações de envolvimento no assassinato.

Apesar do clamor popular para que Luis Alberto fosse enquadrado por feminicídio, o Ministério Público manteve a tese de que o baterista matou para roubar e, inclusive, destacou que os bens de Mayara que estavam com o assassino confesso estão avaliados em R$ 17,3 mil - um notebook, um celular, um violão, uma guitarra, um aparelho amplificador e o VW Gol, modelo 1992. Luís responde por latrocínio.

Nos siga no Google Notícias