A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

02/08/2012 12:58

Santa Casa está sem atendimento cardiológico no Pronto-Socorro

Aline dos Santos

Plantão nunca funcionou como prevê portaria do Ministério da Saúde

A Santa Casa de Campo Grande está há cinco dias sem atendimento cardiológico no Pronto-Socorro. Os médicos exigem que o hospital cumpra a portaria do Ministério da Saúde que obriga a ter cardiologista 24 horas na unidade.

De acordo com o coordenador da cardiologia, Waldir Salvi, a categoria negocia desde janeiro com a direção, mas, em junho, foi informada de que o hospital não tem dinheiro para manter plantonista 24 horas.

“O plantão já é cumprido para cirurgião-geral, anestesista, radiologista. Mas na hora da cardiologia, a Santa Casa diz que não tem dinheiro”, afirma Salvi. O plantão pode chegar a R$ 100 à hora e pode ser feito em regime de 6h ou 12h.

Sem acordo, os cardiologistas comunicaram à direção do hospital e ao CRM/MS (Conselho Regional de Medicina) que suspenderiam o atendimento a partir de 28 de julho.

O coordenador explica que o plantão nunca funcionou como prevê a portaria do Ministério da Saúde. Até a paralisação, os cardiologistas mantinham uma escala de sobreaviso, ou seja, o profissional era chamado ao hospital em caso de urgência.

Em geral, os chamados acontecem quando o Samu ou bombeiros levam pacientes com infarto. No entanto, o plantonista também faz o risco cirúrgico, avaliação antes de o paciente ser operado, e ajuste da medicação, por exemplo, a pacientes hipertensos.

A Santa Casa também tem uma unidade coronariana, que não sofreu paralisação. Porém, o plantonista do setor deve permanecer no CTI cardíaco e, monitorar, no máximo, dez pacientes.

Conforme Waldir Salvi, a direção informou que poderia, apenas, manter plantonista durante o dia. A proposta foi recusada, porque a categoria lembra que não existe hora para se ter um infarto.

Preocupante - Segundo Sérgio Ocampos, diretor clínico em exercício da Santa Casa, a paralisação é preocupante e já foi informada à direção. Segundo ele, no começo da semana, houve reunião entre a junta administrativa e secretária estadual de Saúde, Beatriz Dobashi.

Em seguida, os diretores repassaram que o plantão não seria pago por falta de recurso. De acordo com Sérgio, a paralisação afeta a realização de cirurgias, que não podem acontecer sem análise de risco cirúrgico. Sem cardiologista no Pronto-Socorro da Santa Casa, sobra apenas o HR (Hospital Regional) Rosa Pedrossian como opção para atendimento.

Abstenção em concurso da Câmara Municipal da Capital passa dos 30%
O domingo (17) foi de provas para milhares de campo-grandenses, tanto na manhã como no período da tarde, no concurso da Câmara Municipal, que segundo...
Com forte dores, mulher reclama de falta de atendimento em UPA
Mesmo apresentando fortes dores e inchaço na região do estômago, sem conseguir comer a três dias, uma mulher que procurou atendimento na UPA (Unidade...


A administração deve respeitar os profissionais medicos, a população não tolera mais esta indiferença frente a problemas tão serios da nossa saúde. O MPE deveria acompanhar este problema.
 
Juarez Goncalves em 02/08/2012 06:14:42
Enquanto o povo padece, sem atendimento em uma das áreas mais importantes da saúde, as raposa felpudas...esbanjam dinheiro nas eleições.
Pelo amor de Deus meu povo, não ACREDITEM em falsas promessas, sorrisos e histórias mentirosas desses políticos.
Saúde pede socorro..............
 
Juan Charlymoon em 02/08/2012 04:01:37
Que Pena!!! a Santa Casa, apesar dos pesares, é nosso melhor hospital, o mais equipado do estado.
Todos os cardiologista, que atendem o setor de cardiologia da Santa Casa, são excelentes profissionais.Mas, por outro lado não dá para trabalhar tanto e ganhar uma miséria...
Espero que essa situação, seje urgentemente regularizada para o bem da nossa sociedade tão carente na SAÚDE PÚBLICA.
Boa Sorte
 
Neyde de Oliveira em 02/08/2012 03:58:09
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions