ACOMPANHE-NOS    
MAIO, QUARTA  27    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Se atenderem normas, setores ainda proíbidos poderão reabrir em até 24 horas

Alguns estabelecimentos precisam apresentar Plano de Biossegurança para voltarem a funcionar

Por Lucia Morel e Anahi Zurutuza | 06/04/2020 19:10
Academias e todos os serviços no ramo de educação presencial, além de reuniões de qualquer natureza, festas, bingos, entre outros têm pontuação 0 ou 1 e não podem reabrir sem apresentação de plano. (Foto: Henrique Kawaminami)
Academias e todos os serviços no ramo de educação presencial, além de reuniões de qualquer natureza, festas, bingos, entre outros têm pontuação 0 ou 1 e não podem reabrir sem apresentação de plano. (Foto: Henrique Kawaminami)


Atendendo a todas as normas de biossegurança necessárias para minimizar os riscos de contágio com o novo coronavírus, estabelecimentos que ainda não têm data para reabrir, poderão fazê-lo em até 24 horas.

Em transmissão ao vivo por rede social esta tarde, o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), prometeu liberar o funcionamento de comércios como Shoppings, feiras, salões de beleza e academias em até um dia.

“Apresentando o projeto de respeito à vida, biossegurança, assinado por um profissional, poderá retomar até no dia seguinte”, disse o chefe do Executivo municipal.

O Plano de Contenção de Riscos, ou simplesmente de biossegurança, é uma exigência do município às empresas cuja data de reabertura ainda não está definida.

Tais estabelecimentos, classificados como de alto risco para contágio, são salões de beleza, academias e instituições de ensino, que receberam avaliação 0 ou 1 na classificação de risco da prefeitura.

Para permitir a abertura gradual das empresas, o município avaliou o grau de risco das atividades econômicas através de notas que vão do 0 ao 5, sendo a mínima, para atividades de maior risco sanitário e de contágio para a Covid-19 e a máxima, mais segura.

Para se ter uma ideia, as atividades com somatório 4 ou 5, como lojas varejistas em geral, reabriram hoje, entre 9h e 16h30. Serviços de saúde, escritórios de contabilidade, imobiliárias, agências de viagens, advocacias, concessionárias e oficinas mecânicas estão nessa categoria.

Já as com pontuação entre 3 ou 2, ficam suspensas até o dia 13 de abril, como estúdios fotográficos e fornecimento e gestão de mão de obra para terceiros. Quem pontuou em 1 ou 0, a liberação deve ocorrer depois de 20 de abril, ou até que o Plano de Biossegurança seja apresentado e aprovado.

Tal atuação se aplica para academias e todos os serviços no ramo de educação presencial, além de reuniões de qualquer natureza, festas, bingos, sessões de cinemas, academias, shoppings, bares e casas noturnas. Também entram nessa lista eventos culturais ou esportivos e salões de beleza e estética.

RESOLUÇÃO – O secretário de meio ambiente e gestão urbana, Luís Carlos Costa explica que cada segmento tem sua especificidade e é isso que será levado em conta para aprovação ou não do plano.

“Uma academia de luta, por exemplo, terá que ter um regramento diferente de uma academia de musculação. Como vão mitigar os problemas?”, questiona, lembrando que são os setores que deverão apresentar as soluções de biossegurança.

Depois de aprovado o plano, que deve ser assinado por um médico do trabalho, infectologista ou mesmo engenheiro de segurança do trabalho, a Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana) vai publicar uma resolução específica para a categoria, que deverá servir de modelo para todas as empresas do mesmo setor.

“O objetivo é levar as pessoas a terem mais segurança na realização dessas atividades, reduzindo os riscos de contágio”, explica Costa.