ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, DOMINGO  03    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Sesau identifica 3º posto com ponto eletrônico depredado e vai à polícia

Casos ocorreram nas UPAs Coronel Antonino e Leblon, além do Centro de Especialidades Médicas

Mayara Bueno | 10/08/2018 09:35
Ponto eletrônico da UPA Leblon, em Campo Grande. A tela da máquina foi riscada. (Foto: Divulgação Sesau).
Ponto eletrônico da UPA Leblon, em Campo Grande. A tela da máquina foi riscada. (Foto: Divulgação Sesau).

A Sesau (Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande) foi à Polícia Civil para registrar boletim de ocorrência depois que identificou o terceiro posto de saúde com o ponto eletrônico depredado. Desta vez, a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Leblon, região Sul da Capital, teve o registro danificado.

Os casos ocorreram na quinta-feira (dia 10). Até então, o vandalismo havia sido identificado na UPA do Coronel Antonino e no CEM (Centro de Especialidades Médicas). No fim da tarde de ontem, o terceiro caso veio à tona.

De acordo com a assessoria de comunicação, a secretaria de Saúde já registrou boletim de ocorrência e, da mesma forma, abriu uma sindicância interna para apurar quem cometeu as depredações.

No caso do Leblon, o setor de suporte tecnológico da Sesau foi até à unidade para verificar os danos no ponto eletrônico e resolveu mantê-lo como teste. O aparelho teve um dano na tela, mas a leitura biométrica, a priori, não foi danificada.

No Coronel Antonino, o procedimento foi bem parecido. A máquina segue no posto de saúde, em forma de teste. Se não funcionarem, os aparelhos serão substituídos. Já o Centro de Especialidades está sem o ponto eletrônico, porque não há equipamento em estoque no momento.

Pontos - Os aparelhos de controle de frequência foram instalados em 1º de agosto nas unidades de emergência, Gestão, CEM, almoxarifado, Labcen (Laboratório Central), Vigilância Sanitária, entre outros locais vinculados à Sesau.

A situação ocorreu depois que o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) entrou com ação exigindo a instalação nas unidades de saúde e a Justiça aceitou em 21 de junho.

Na quinta, a Sesau afirmou que o "ato criminoso" ocorreu justamente um dia após a perícia feita pelo secretário Marcelo Vilela, o juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara dos Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande e a promotora de Justiça da Saúde Pública, Filomena Aparecida Depolito Fluminhan, nas unidades onde os pontos foram instalados.

Nos siga no Google Notícias