ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SÁBADO  20    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Hospital do Câncer pede ajuda para pagar enfermagem

Hospital Alfredo Abrãao pede ajuda à população e entes públicos para arcar com novo piso salarial da categoria

Silvia Frias | 17/08/2022 09:08
Da demanda total do hospital, 99% é de pacientes encaminhados via SUS. (Foto/Divulgação)
Da demanda total do hospital, 99% é de pacientes encaminhados via SUS. (Foto/Divulgação)

Com 132 profissionais da enfermagem, entre enfermeiros e técnicos, o Hospital de Câncer Alfredo Abrãao emitiu comunicado informando que pode entrar em colapso por não ter condições de arcar com o novo piso salarial da categoria. O impacto financeiro representa aumento de R$ 3,5 milhões ao ano na folha de pagamento.

No comunicado, além de informar que pediu ajuda aos entes públicos  - Estado e Município – a reportagem apurou que a incapacidade de pagar o aumento da folha também foi encaminhado ao MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul).

No documento, consta que o hospital já enfrenta dificuldades, agravadas ainda pela covid-19. “A situação que já era crítica, tornou-se insustentável financeiramente ante os custos crescentes e uma tabela SUS defasada há mais de 13 anos”, informou. Atualmente, 99% dos pacientes atendidos no hospital são encaminhados via SUS (Sistema Único de Saúde).

Atendimento a pacientes pode ser comprometido. (Foto/Divulgação)
Atendimento a pacientes pode ser comprometido. (Foto/Divulgação)

Após a pandemia, o hospital registrou aumento superior a 70% dos atendimentos, que saltou de 48.321 procedimentos em 2020 para 83.196 em 2021. Na lista, a entidade   realiza tratamentos contra neoplasias com equipe multiprofissional especializada, infraestrutura e insumos de altíssimo custo: Radioterapia, Quimioterapia, Braquiterapia, Centro Cirúrgico e de Diagnóstico por Imagem, Uti, Pronto Atendimento Médico 24h, Farmácias, Enfermarias e demais dependências necessárias. No total, são 421 funcionários.

O comunicado foi emitido também como forma de pedido de doação ao hospital. Os pagamentos já devem começar na folha de setembro.

Novo piso - A lei estabelece que enfermeiros devem receber, no mínimo, R$ 4.750 por mês. Técnicos de enfermagem devem receber, ao menos, 75% disso (R$ 3.325). Já auxiliares de enfermagem e parteiras têm de receber, pelo menos, 50% desse valor (R$ 2.375).

O Siems (Sindicato dos Trabalhadores na Área de Enfermagem de MS) estima que o reajuste deve ser aplicado a partir de setembro na folha salarial de profissionais do setor. Já os servidores públicos, no entanto, poderão ter a remuneração reajustada somente a partir de 2023.

Nos siga no Google Notícias