ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEXTA  14    CAMPO GRANDE 29º

Capital

“Surto” de vazamentos causados por combustível contaminado assusta pilotos

Relatos sobre suspeitas de vazamentos já circulam nos hangares dos aeródromos de Campo Grande

Por Jones Mário | 11/07/2020 12:20
De coloração azulada, avgas adulterado rompe vedação e vaza por compartimentos das aeronaves (Foto: Reprodução)
De coloração azulada, avgas adulterado rompe vedação e vaza por compartimentos das aeronaves (Foto: Reprodução)

Áudios, vídeos e fotos se espalham nas redes sociais com relatos recentes de “surto” de panes e vazamentos de combustível em aviões de pequeno porte. O problema já levou a Aopa Brasil (Associação de Pilotos e Proprietários de Aeronaves) a notificar e se reunir com a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), ontem (10).

A recomendação da associação é de suspender as operações caso sejam constatados indícios de vazamento do chamado “avgas”, combustível usado em aeronaves com motor a pistão.

Em Campo Grande, pilotos estão temerosos em levantar voo. Informações sobre suspeitas de vazamentos já circulam nos hangares dos aeródromos Santa Maria e Teruel, onde operam as aeronaves de menor porte.



O avgas usado na aviação civil brasileira é importado, diferente do querosene, voltado para aviões de grande porte e fabricado no País.

A ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) informou que iniciou coleta de amostras e informações em campo para mapear o problema. Por sua vez, a Aopa se comprometeu a repassar um primeiro relatório de evidências para ANP e Anac, na segunda-feira (13).

Os primeiros vídeos e fotos registrados apontam que o combustível supostamente contaminado corrói anéis o’ring, feitos de borracha e responsáveis pela vedação de partes do motor. Com o rompimento, o avgas se espalha e vaza por diversos compartimentos da aeronave.

Vazamento de combustível na lataria de aeronave de pequeno porte (Foto: Direto das Ruas)
Vazamento de combustível na lataria de aeronave de pequeno porte (Foto: Direto das Ruas)

Recomendações - Na quinta (9), a Anac emitiu um BEA (Boletim Especial de Aeronavegabilidade) para informar sobre os riscos de operar com combustível contaminado. O documento, porém, tem caráter apenas recomendatório.

No BEA, a Anac informa que “a operação com combustível contaminado ou adulterado pode provocar a degradação acelerada de componentes do sistema de armazenamento e distribuição de combustível”.

A agência relatou ainda não ter, até a data, “informações fáticas” para confirmar a contaminação,”tampouco [...] que tenha agido como fator contribuinte em alguma ocorrência recente”.

O boletim recomenda que proprietários de aeronaves afetadas e pilotos façam, antes de cada voo, inspeção visual dos componentes do sistema de combustível para diagnosticar degradação ou vazamentos, e inspecionar indícios de ressecamento nos componentes de borracha.