ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Temendo despejo, famílias em área invadida aguardam negociação da Prefeitura

Área já exibe casas construídas de alvenaria e moradores esperam que administração consiga negociar a compra junto ao proprietário do local

Izabela Sanchez e Graziella Almeida | 30/08/2018 12:25
Moradores colocaram placa da Associação para demarcar o local (Arquivo/Campo Grande News)
Moradores colocaram placa da Associação para demarcar o local (Arquivo/Campo Grande News)

O local onde funcionou o antigo Samambaia Country Club, de 1980 a 2005, é hoje alvo de disputa judicial. O terreno exibe as casas de alvenaria, já construídas por moradores que invadiram o local. O proprietário tenta reaver o terreno na Justiça, mas o apelo dos moradores fez com que a Prefeitura tentasse negociar a compra do local. Enquanto o impasse continua, os ocupantes temem o despejo e aguardam uma resposta da administração.

Liderança da ocupação irregular, o mecânico Claudemir Lopes, 31 anos, afirma que há 15 dias houve um comunicado do proprietário do terreno , que pede a desocupação da área. Conforme explicou, foi dado o prazo de 30 dias para as 500 famílias que residem no local saírem, mas não foi apresentada ordem de despejo. O comunicado, explica, foi feito aos moradores na última sexta-feira (24).

“A gente não está aqui porque quer, nem por gostar de invadir terreno de ninguém. Eu fiquei desempregada, meu marido também e nossa única solução com 4 filhos no colo foi aqui. Há 16 anos eu espero por uma casa da Emha, vejo gente vendendo e nada da minha casa sair, eles não pensam que a gente tem filho, que as crianças precisam estudar, que existe gente sem serviço, só querem que a gente saia daqui com uma mão na frente e outra atrás”, comentou a comerciante Gisele Antônio Oliveira, 27 anos.

Conforme explicou Claudemir, os moradores procuraram a prefeitura, que teria acionado o MPMS (Ministério Público Estadual) para ajudar a comunidade a ganhar tempo para que a remoção das famílias seja realizada com segurança, para uma área pública.

“O prefeito disse em uma audiência que iria nos ajudar, fazendo um tipo de permuta com o dono da área, mas não resolveu nada. Agora pedimos ajuda pra ele também, que está tentando a mesma negociação com o atual proprietário, que está irredutível quanto a isso”. Disse Jader

O líder dos moradores explica que os ocupantes fizeram mutirão e juntaram dinheiro para ajudar na construção das casas. “Ajudamos quem não tinha condições de fazer a obra e construímos todas essas casas juntos. Estamos todos esperando esse compromisso que o prefeito fez com a gente, ele é nossa única confiança”, afirma Claudemir.

Titular da Emha (Agência Municipal de Habitação), Eneas José de Carvalho explicou que as negociações continuam, mas afirma que a questão envolve uma série de problemas, entre eles a falta de “caixa” da administração.

“As tentativas continuam sendo feitas com os proprietários, existe uma dificuldade quanto à questão de valores. Qualquer gasto que não seja o que está dentro de uma avaliação razoável implica investigação do MP. Nós temos uma série de condicionáveis. A vontade de regularizar existe. Isso é um trabalho que está sendo feito em conjunto com a Defensoria”, declarou.

Nos siga no Google Notícias