A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 20 de Setembro de 2018

28/10/2013 18:35

Terapeuta afirma que policial estava com depressão, mas rejeitou ser internado

Mariana Lopes e Filipe Prado
Marlon fazia tratamento psicológico há aproximadamente 1 mêsMarlon fazia tratamento psicológico há aproximadamente 1 mês

A psicóloga que acompanhava o estado mental do policial civil Marlon Robin de Melo, 36 anos, suspeito de matar a ex-esposa e se suicidar com tiros, na tarde hoje (28), no Centro de Campo Grande, disse que ele passava por tratamento por causa de uma depressão severa, mas rejeitou a ordem de internação dada pela terapeuta.

A profissional não quis se identificar, mas garantiu que Marlon havia parado de tomar os remédios que controlavam o seu estado emocional e nos últimos dias oscilava o humor em extremos de felicidade e tristeza.

Segundo a terapeuta, o policial civil procurou ajuda psicológica após a separação do casal. Marlon e Márcia Holanda eram casados há 10 anos e tinham uma filha de 8 anos.

A terapeuta disse ainda que Marlon gostava muito da ex-esposa e que ela também participava de algumas sessões de terapia. “Tudo indicava que ela queria voltar com ele, mas adiava porque estava com alguns problemas pessoais”, comentou a psicóloga. Márcia tinha uma consulta marcada hoje.

Filhos – Márcia deixou quatro filhos, sendo duas meninas, uma de 18 e outra de 8 anos, e dois meninos, sendo um de 15 e o outro de 21 anos. A menina de 8 anos era filha também de Marlon e mora com os pais do policial, segundo uma amiga da família que entrou em contato com o Campo Grande News, mas pediu para não ser identificada.

Segundo a amiga, a criança está com a mãe de Marlon porque Márcia havia perdido a guarda da filha na Justiça. “Na época ela não tinha renda fixa e ele era concursado, então ficou com a menina”, conta a amiga.

Violência – Ainda de conforme a amiga, Marlon já havia ameaçado Márcia de morte e também a agrediu algumas vezes. Segundo relatos, o policial tinha um filho fora do casamento, que teve quando ainda estava junto de Márcia.

Funcionários da cantina onde Márcia trabalhava, no colégia Mace, disseram que Marlon rondava a região da escola nos útlimos tempos e que sempre mandava presentes a ela.



Nossa em pensar que alguns dias antes eu teria ido na delegacia pra pedir pra ele dar conselhos pra minha eis namorada que não esta aceitando o termino de nossa relação eu vi que ele parecia bem perturbado tanto que falou de levar ela embora e que iria leva-la pra conhecer uns lugares bacanas no final de semana , cheguei lógico a pensar que ele queria se aproveitar da situação não deixei e a levei embora denovo. Ele mal a conhecia e já estava fazendo propostas que sinistro.
 
Junior Gouveia em 29/10/2013 17:33:32
Tristeza,
Deus conforte os seus familiares com muita paz e serenidade
Ajudando-os a enfrentar com muita força este momento de tristeza.
 
EVANGELISTA LAURINDO FERREIRA em 28/10/2013 22:33:50
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions