A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

28/10/2013 18:35

Terapeuta afirma que policial estava com depressão, mas rejeitou ser internado

Mariana Lopes e Filipe Prado
Marlon fazia tratamento psicológico há aproximadamente 1 mêsMarlon fazia tratamento psicológico há aproximadamente 1 mês

A psicóloga que acompanhava o estado mental do policial civil Marlon Robin de Melo, 36 anos, suspeito de matar a ex-esposa e se suicidar com tiros, na tarde hoje (28), no Centro de Campo Grande, disse que ele passava por tratamento por causa de uma depressão severa, mas rejeitou a ordem de internação dada pela terapeuta.

A profissional não quis se identificar, mas garantiu que Marlon havia parado de tomar os remédios que controlavam o seu estado emocional e nos últimos dias oscilava o humor em extremos de felicidade e tristeza.

Segundo a terapeuta, o policial civil procurou ajuda psicológica após a separação do casal. Marlon e Márcia Holanda eram casados há 10 anos e tinham uma filha de 8 anos.

A terapeuta disse ainda que Marlon gostava muito da ex-esposa e que ela também participava de algumas sessões de terapia. “Tudo indicava que ela queria voltar com ele, mas adiava porque estava com alguns problemas pessoais”, comentou a psicóloga. Márcia tinha uma consulta marcada hoje.

Filhos – Márcia deixou quatro filhos, sendo duas meninas, uma de 18 e outra de 8 anos, e dois meninos, sendo um de 15 e o outro de 21 anos. A menina de 8 anos era filha também de Marlon e mora com os pais do policial, segundo uma amiga da família que entrou em contato com o Campo Grande News, mas pediu para não ser identificada.

Segundo a amiga, a criança está com a mãe de Marlon porque Márcia havia perdido a guarda da filha na Justiça. “Na época ela não tinha renda fixa e ele era concursado, então ficou com a menina”, conta a amiga.

Violência – Ainda de conforme a amiga, Marlon já havia ameaçado Márcia de morte e também a agrediu algumas vezes. Segundo relatos, o policial tinha um filho fora do casamento, que teve quando ainda estava junto de Márcia.

Funcionários da cantina onde Márcia trabalhava, no colégia Mace, disseram que Marlon rondava a região da escola nos útlimos tempos e que sempre mandava presentes a ela.

Apae recebe doação de brinquedos da campanha Compartilhe o Natal
Foi iniciado nesta segunda-feira (11) a entrega de brinquedos arrecadados na campanha "Compartilhe o Natal", realizado pelo Ministério Público Estadu...
Ação oferece serviço especial na UBSF do Tarumã nesta terça-feira
A UBSF (Unidade Básica de Saúde da Família) do Tarumã promove nesta terça-feira (12) diversas atividades voltadas para a promoção de saúde da populaç...
Prefeitura e Sebrae fazem estudo em lojas para revitalizar rua 14 de Julho
A prefeitura de Campo Grande a o Sebrae de Mato Grosso do Sul estão realizando na rua 14 de Julho, Centro da cidade, um estudo técnico em 230 lojas, ...


Nossa em pensar que alguns dias antes eu teria ido na delegacia pra pedir pra ele dar conselhos pra minha eis namorada que não esta aceitando o termino de nossa relação eu vi que ele parecia bem perturbado tanto que falou de levar ela embora e que iria leva-la pra conhecer uns lugares bacanas no final de semana , cheguei lógico a pensar que ele queria se aproveitar da situação não deixei e a levei embora denovo. Ele mal a conhecia e já estava fazendo propostas que sinistro.
 
Junior Gouveia em 29/10/2013 17:33:32
Tristeza,
Deus conforte os seus familiares com muita paz e serenidade
Ajudando-os a enfrentar com muita força este momento de tristeza.
 
EVANGELISTA LAURINDO FERREIRA em 28/10/2013 22:33:50
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions