A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

01/07/2013 12:14

Teto despenca, fecha Centro Cirúrgico e operações são canceladas no HU

Aliny Mary Dias
Teto cedeu ontem (30) e setor também foi interditado (Foto: Aliny Mary Dias)Teto cedeu ontem (30) e setor também foi interditado (Foto: Aliny Mary Dias)
UTI neonatal abriga oito bebês e foi interditado (Foto: Aliny Mary Dias)UTI neonatal abriga oito bebês e foi interditado (Foto: Aliny Mary Dias)

Os problemas estruturais e de superlotação no PAM (Pronto Atendimento Médico) do Hospital Universitário já se tornaram rotina para médicos e pacientes que precisam de tratamento. Porém, a deficiência parece cada vez mais séria e agora o centro cirúrgico geral, a UTI neonatal e o centro cirúrgico da maternidade estão interditados.

Na quarta-feira passada, infiltração no teto impossibilitou todas as cirurgias na unidade. A UTI neonatal e a intermediária também tiveram de ser fechadas por conta dos problemas estruturais, apesar de recentemente ter passado por uma reforma ao custo de R$ 35 milhões.

A UTI possui leitos para oito bebês que são transferidos para o local após complicações durante o parto. Todos tiveram de ser transferidos para a enfermagem da maternidade. O cenário na sala é de infiltrações no teto com algumas partes já no chão, goteiras e poças.

A situação da ala da maternidade, referência no Estado em partos de risco, se agravou neste domingo (30) quando parte do teto do centro cirúrgico onde os partos são realizados cedeu e o local também teve que ser interditado. Uma outra sala ao lado também possui os equipamentos para partos, mas as infiltrações no teto fazem com que os médicos evitem usar o local a todo custo.

Macas eletrônicas foram colocadas no corredor (Foto: Aliny Mary Dias)Macas eletrônicas foram colocadas no corredor (Foto: Aliny Mary Dias)

Uma médica que não quis se identificar disse ao Campo Grande News que na última quarta-feira o centro cirúrgico estava apenas com goteiras e quatro dias depois o teto cedeu. “Agora só temos essa outra sala onde o teto pode cair a qualquer momento. Eu só vou usar esse local se for uma grávida de muito risco porque entre ela morrer esperando e uma infecção hospitalar, eu prefiro tratar a infecção”, afirma a médica.

Com a interdição das UTIs e do centro cirúrgico da maternidade, macas eletrônicas e equipamentos de raio-x foram colocados no corredor. A médica afirma que tudo foi retirado às pressas quando as goteiras surgiram.

Um documento afixado em um dos murais da maternidade e assinado pela pediatra infectologista Ana Lúcia Lyrio na última quinta-feira (27), atesta as faltas de condições da unidade que realiza 100 partos por mês.

Documento sobre interdição foi afixado em mural da maternidade (Foto: Aliny Mary Dias)Documento sobre interdição foi afixado em mural da maternidade (Foto: Aliny Mary Dias)

O ofício foi encaminhado ao Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), Corpo de Bombeiros e à Central de Vagas para que nenhuma gestante seja encaminhada ao hospital. O texto afirma que as chuvas causaram infiltrações no teto no Centro Obstétrico e que nenhum paciente pode tratado no local.

Conforme informações da diretoria repassadas aos médicos, equipes de engenharia trabalharam durante o fim de semana, mas até agora tanto a ala da maternidade quando o centro cirúrgico geral não foram liberados.

O HU Maria Aparecida Pedrossian foi construído entre os anos 1970 e 1971, como suporte ao curso de Medicina da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul). O hospital é referência para atendimento de alta complexidade no tratamento de HIV, cirurgia cardiovascular, hemodiálise, neurologia, gestação de alto risco e urologia. 

Diretor do HU por 6 anos, médico diz que radioterapia sempre foi ponto crítico
O cardiologista Gualberto Nogueira, que dirigiu o HU (Hospital Universitário) Maria Aparecida Pedrossian por seis anos, afirma que o setor de radiote...
Brinquedos feitos por detentos são doados para crianças em escola
Parceria feita entre a a Semed (Secretaria Municipal de Educação) e a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) garantiu ne...


E a culpa do caos na saúde é falta de médicos... Q condições nossos médicos têm para trabalhar num lugar assim? Se tá assim num hospital federal, na capital, imagina nos interiores?
 
Luciana Souza Reino em 02/07/2013 11:14:46
Ontem estive nesse hospital, nossa é uma vergonha pessoas nos corredores, sendo medicadas em cadeira, a maioria das pessoas idosas, uma falta de respeito com o ser humano.
 
Roberta Cersosimo em 02/07/2013 08:57:58
É ISSO AI MEU POVO, VAMOS NOS CALAR PRA SAÚDE E VAMOS GRITAR NA COPA! BORA GENTE, ACORDA PRA VIDA, O BRASIL SEM ESTRUTURA HOSPITALAR, MAIS COM OS ESTÁDIOS TODOS REFORMADOS. BORA GRITAR BEM ALTO: VEM COPA, VEM COPA, SAÚDE JAMAIS, COPA SIM.
 
Wilson Roberto Escarmanhane em 02/07/2013 04:06:52
Que absurdo..com tantos milhões vindo e indo, não sobra uma migalha pra arrumar o teto.
 
Kennedy Queiroz em 01/07/2013 21:11:46
NINGUÉM ESTÁ FALANDO QUE A CULPA DISSO TUDO SÃO DAS OBRAS FEITAS PELO SENHOR DORSA, QUE COLOCOU EMPRESAS DE FACHADA PARA REFORMAR O HU, FAZENDO UM TRABALHO MEDÍOCRE COLOCANDO EM RISCO OS FUNCIONÁRIOS E OS PACIENTES. A ULTIMA FOI ESSA EMPRESA QUE ESTÁ TROCANDO O TELHADO DO HU. PORQUE NÃO INVESTIGAM ISSO?????
 
DILMA PRATES em 01/07/2013 17:34:18
Este é um problema que não deveria acontecer, mas que acontece por FALTA DE MANUTENÇÃO e por PROJETO ARQUITETÔNICO INADEQUADO, onde o telhado é complicado na sua função principal de carregar a água de chuva para o chão ou para o pluvial subterrâneo, sem por isso passar por calha, canaleta, cano, corrente ou outra parafernalha de arquiteto, coisas bonitas no projeto mas ineficazes para uma obra em meio a muitas árvores, como acontece no HU e em outros locais de Campo Grande. E cadê a VIGILÂNCIA SANITÁRIA para explicar como é que deu alvará para uma sala cirúrgica com SPLIT DE TETO?
 
Bruno Maddalena em 01/07/2013 17:10:39
É a realidade cruel dos hospitais de Campo Grande, vidas estão sendo perdidas, e pouco se faz com o dinheiro público, como vimos nas reportagens e na mídia, o povo brasileiro tem que unir ir para ruas cobrar do poder público: saúde como prioridade. Muitos vidas estão sendo perdidas com infecção, falta de atenção, descaso, é cruel o que se faz com a vida das pessoas indefesas.
 
Thais Mendes em 01/07/2013 17:07:56
E agora? Vão chamar os médicos cubanos pra consertar a estrutura do HU que tá caindo aos pedaços? Ou podemos confiscar a conta bancária do Dorsa e de seu assessor que mora em PARIS para "angariar" fundos para arrumar este hospital!
 
Rhaisa Figueira em 01/07/2013 15:13:57
ISSO NAO TEM FIM. É O CAOS TOTAL. ISSO NAO É FAZER SAUDE.
ISSO É BRINCAR.
O H.U. VAI VIRAR NOVELA DA GLOBO.
TEM FORTES EMOÇOES. NOVIDADES. E VALE A PENA TENTAR
DE NOVO.
 
julio junior em 01/07/2013 14:15:46
PQ AS PESSOAS RECLAMAM DO CORREDOR DO H.U.
ESTE CORREDOR ATENDE PACIENTES A MAIS DE 15 ANOS.
AGORA TODO MUNDO RECLAMA.
A populaçao devia ter vergonha. Pq se o h.u. ta assim a
Culpa tambem e do povo.
Que vive calado e aceita tudo.
 
julio junior em 01/07/2013 14:04:36
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions