A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

02/05/2011 09:20

Trad pode livrar professores do corte de ponto durante negociação salarial

Aline dos Santos e Ítalo Milhomen
Prefeito participou de café da manhã com trabalhadores. (Foto: João Garrigó)Prefeito participou de café da manhã com trabalhadores. (Foto: João Garrigó)

O prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad (PMDB), afirmou hoje que vai repensar o corte do ponto dos professores que suspenderam as aulas na última semana.

A categoria fez mobilização por reajuste salarial e as aulas foram afetadas por três dias. Na sexta-feira, Trad anunciou que ia descontar o dia de quem faltou.

No dia anterior, ele havia participado de reunião com os professores e se comprometido a prosseguir com as negociações. No sábado, Trad foi à ACP(Associação de Profissionais de Educação Pública em Campo Grande) e fez acordo com a categoria.

“Estou discutindo com os professores o corte ou não do dia dos faltosos. Se houver o compromisso de reposição de aula, o corte pode ser cancelado”, salienta o prefeito.

Os professores aprovaram por unanimidade a proposta de reajuste mínimo de 6,5% para docentes, agora, e 3,5% de reajuste linear em outubro. Em alguns casos, em que docentes desfrutam de alguns benefícios, o reajuste final chegará aos 15% e até 20%. O salário base da categoria vai ser de R$ 982 para 20 horas de carga horária.

Sobre os servidores, o prefeito ainda afirmou que será feita a revisão do Estatuto do Servidor, com o objetivo de atender reclamações dos funcionários públicos.

Qualificação – Nesta segunda-feira, o prefeito participou de um café da manhã com trabalhadores no teatro de arena do Horto Florestal. Ontem foi comemorado o Dia do Trabalhador.

“A gente traz várias empresas, damos incentivos. Mas se não tem qualificação profissional, pegam as malas e vão embora”, enfatiza Nelsinho.

O prefeito afirma que a qualificação profissional é sua “obra” mais importante. “É o investimento no ser-humano”, frisa.



Acho correta a decisão do prefeito de voltar atrás, pois os professores estavam reivindicando um direito deles. É fato que a paralização era desnecessária, já que o prefeito tinha garantido o diálogo no sábado, mas acho que faltou tato por parte dos professores. O fato é que a situação está sendo bem contornada, com sensibilidade pelos dois lados. Quem não pode sair prejudicado são as nossas crianças.
 
Bruno Vilardi em 02/05/2011 10:08:35
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions