A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 26 de Agosto de 2019

29/08/2012 10:38

Trad vai recorrer de decisão e diz que ciclovia é desejo da população

Aline dos Santos e Paula Vitorino

"Agora, oportunistas começam a se manifestar, não oportunismo no Judiciário, mas oportunismo de campanha"

Nelsinho reclamou de oportunistas. (Foto: Rodrigo Pazinato)Nelsinho reclamou de oportunistas. (Foto: Rodrigo Pazinato)

Irritado, o prefeito Nelsinho Trad (PMDB) afirmou que vai recorrer da decisão judicial que paralisou a obra da ciclovia e proíbe qualquer outra intervenção no canteiro central da avenida Afonso Pena.

“Vamos buscar alternativa legal para derrubar toda decisão que, a nosso ver, vai prejudicar a cidade”, afirmou o prefeito de Campo Grande.

Nelsinho reclamou que quando o canteiro não estava revitalizado, ninguém falava nada. No ano passado, a avenida foi recapeada e as vagas de estacionamento do canteiro central foram retiradas.

“Agora, oportunistas começam a se manifestar, não oportunismo no Judiciário, mas oportunismo de campanha”, enfatizou.

Questionado por que a ciclovia não foi feita junto com a obra de recapeamento, entregue em dezembro de 2011 ao custo de R$ 6,9 milhões, Trad explicou que na ocasião não existia o clamor público.

Ainda segundo ele, implantar a ciclovia é atender a vontade da população. “Vamos usar tijolo ecologicamente correto. Vai ser a ciclovia mais bonita do Brasil”, promete.

A Justiça determinou a suspensão de obras nos canteiros centrais da avenida Afonso Pena, com multa de R$ 1 milhão caso a prefeitura descumpra a decisão.

A liminar, concedida pelo juiz da Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, Amaury da Silva Kuklinski, manda que o poder público de abstenha de destruir, demolir, mutilar, total ou parcialmente, os canteiros centrais ao logo da avenida, desde a praça Newton Cavalcanti até a avenida do Poeta, na entrada do Parque dos Poderes

A proibição também é válida para as árvores. Dentro de 60 dias, a prefeitura terá que atualizar o levantamento florístico e fitossanitário, realizado em 2009/2010.

Em seguida, deve ser feita uma faxina na vegetação, com remoção de árvores secas e recuperação das árvores em bom estado. O magistrado deu prazo de 120 dias para as intervenções, sob pena de multa diária de R$ 10 mil.

A paralisação e proibição de obras nos canteiros foram solicitadas pelo MPE (Ministério Público Estadual).



Eu acho interessante o seguinte, é o que o prefeito disse... Quando o canteiro era "feio" ninguém metia a boca, agora que ficou tudo lindo querem cobrar manutenção das árvores...
 
Helen Rangel em 29/08/2012 01:20:00
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions