A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 18 de Setembro de 2018

10/07/2018 19:40

Tragédia mobiliza vizinhos e gera campanha para ajudar família após incêndio

Heróis anônimos que ajudaram no resgate das vítimas também se dispuseram a receber doações para a família.

Adriano Fernandes e Izabela Sanchez
Cômodo do imóvel que teve móveis completamente destruídos pelas chamas. (Foto: Fernando Antunes)Cômodo do imóvel que teve móveis completamente destruídos pelas chamas. (Foto: Fernando Antunes)

O recomeço da família que perdeu tudo em incêndio, esta manhã (10) no Parque do Lajeado, vai contar com o apoio de moradores, dentre eles, muitos que ajudaram no resgate da família e até mesmo de profissionais acostumados a salvar vidas, diariamente.

Sensibilizada com a situação da família, a técnica de enfermagem do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) Carla Bernal decidiu tentar mobilizar não só amigos, mas colegas de profissão para tentar arrecadar todo tipo de doação para as 10 pessoas que viviam no imóvel.

“A história deles me comoveu então eu decidi pedir doações em grupos de WhatsApp e até na central de regulação do próprio Samu. Estamos mesmo sempre tentando salvar vidas e ajudar, se não for de um jeito é de outro”, comenta Carla.

Amanhã já serão entregues as primeiras doações de agasalhos, cobertores e até fraldas para a bebê de 10 meses que está internada na Santa Casa da Capital com queimaduras de 1º e 2º grau.
Carla conta que campanha ainda continua e quem puder fazer uma doação pode ir até o complexo regulador do Samu, no prédio da Sesau, na esquina da Rua Bahia com a Avenida Afonso Pena, no Jardim dos Estados.

Na casa simples da Rua Elídio Pinheiro, no Lageado, viviam duas irmãs com mais oito crianças e as causas do incêndio ainda serão apuradas pelo Corpo de Bombeiros. Pela manhã, ainda abalados pelo ocorrido, vizinhos que ajudaram nos resgate das crianças relataram os momentos de desespero por conta do incidente.

“Uma das crianças bateu na campanhinha lá em casa e quando eu sai, o fogo já estava alto. Uma das mulheres sangrava muito pelas mãos ao pedir ajuda”, comenta Rosemar Silva, de 37 anos, ao explicar que desesperada, uma das mulheres quebrou os vidros da casa com as próprias mãos para tentar tirar o bebê.

“Já tinha muita gente tentando ajudar, mesmo assim meu pai e irmão tentaram entrar lá dentro. Um homem também tentou quebrar a janela com uma marreta”, conta a estudante Jéssica Gabriele Formentão, de 13 anos.

Moradora nos fundos da casa incendiada junto do pai, Maria Carolina Paz Sanchez lembra da tensão ao ver o desespero das crianças.

“Meu pai estava fazendo café e escutei um menininho de 5 anos pedindo socorro, logo comecei a ver as crianças gritando pela janela”, conta. O pai de Maria, senhor Pedro Paz dos Santos também foi encaminhado com as crianças na Upa Vila Almeida porque também inalou muita fumaça.

A vizinhança da Rua Rua Elídio Pinheiro também esta de prontidão para receber doações para a família e mais informações podem ser obtidas pelo 99307-9635.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions