A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

20/03/2012 09:01

UFMS vira canteiro de obras, orçadas em mais de R$ 9,4 milhões

Elverson Cardozo

Entre as principais mudanças está a construção do prédio da Faculdade de Computação, revitalização do Complexo Aquático e reativação do Restaurante Universitário

Complexo multiuso será entregue ainda este ano. (Fotos: João Garrigó)Complexo multiuso será entregue ainda este ano. (Fotos: João Garrigó)

As mudanças reais ainda são poucas, mas visíveis. A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) em Campo Grande, virou um canteiro de obras. Entre as principais mudanças, destacam-se a construção do prédio da Facom (Faculdade de Computação), a revitalização do Complexo Aquático e a reativação do Restaurante Universitário - uma briga antiga da comunidade acadêmica.

Proveniente do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades, o recurso destinado às obras de reforma somam R$ 13,4 milhões, dos R$ 9,4 milhões serão para Campo Grande.

O valor será destinado à construção de um Centro de Convivência, na área do antigo Autocine, construção de guaritas nas entradas principais da universidade, próxima a ponte de acesso ao Biotério e instalação dos cursos de química, administração e economia.

Os centros de saúde também devem ganhar novas estruturas. O CCBS (Centro de Ciências Biológicas e da Saúde) vai abrigar o SAP (Serviço de Atendimento Psicossocial) - que é ligado ao curso de psicologia – e uma clínica multiuso destinado aos cursos de enfermagem, fisioterapia e nutrição. Haverá adequações nos laboratórios de farmaco-gnosia, botânica, de microbiologia clínica e de alimentos.

Para o CCHS (Centro de Ciências Humanas e Sociais), novas instalações para atender ao curso de música e um prédio multiuso com salas de aula e laboratório para as outras turmas. Já o CCET (Centro de Ciências Exatas e Tecnologia) deverá receberá um prédio com novas salas de professores e laboratórios.

A policlínica da Faculdade de Odontologia também passará por mudanças que vão possibilitar a ampliação do número de atendimentos à comunidade externa. A revitalização das antigas instalações da serralheria, do programa de pós-graduação em administração, também está incluída no pacote de obras.

Nas proximidades da pró-reitoria está sendo construído um complexo multiuso que vai abrigar dois pavimentos, com salas de aula, de administração, almoxarifado e copa. O espaço, que contará ainda com dois auditórios, será entregue ainda este ano, mas a data não foi divulgada.

O núcleo do HU (Hospital Universitário) também receberá investimentos do programa. Serão reformados o pronto-socorro, centro cirúrgico, unidades de terapia intensiva, patologia, nutrição, centro de materiais e outros setores.

O curso de jornalismo ganhou melhorias na infra-estrutura. Também está sendo construído um espaço para abrigar o laboratório de rádio. O ensino à distância ganhou um estúdio de gravação e os laboratórios do curso de medicina veterinária receberam melhorias na infra-estrutura de ensino e pesquisa.

Restaurante Universitário – Uma das principais mudanças deste ano foi a Reativação do Restaurante Universitário, que fica aberto de segunda a sexta-feira, das 6h às 17h. Para acadêmicos, o café da manhã custa R$ 1,00. Já o almoço, que tem cardápio diferenciado toda semana, custa R$ 2,50.

“Foi uma conquista gigante do movimento estudantil”, afirma Ana Karolina Orro Borges, de 20 anos, acadêmica do curso de análises de sistemas.

Para acadêmicos, café da manhã custa R$ 1,00 e almoço R$ 2,50.Para acadêmicos, café da manhã custa R$ 1,00 e almoço R$ 2,50.

A gerente do restaurante, Aliciane da Silva Moreira, explica que atende, diariamente, cerca de 1 mil estudantes. Ao todo, 30 profissionais trabalham no local que conta com um espaço para 360 pessoas. “No início eles vieram desconfiados”, afirma.

Nas férias, conta Aliciane, a média de atendimento é de 70 acadêmicos por dia. A comunidade externa também pode utilizar os serviços do local, mas, neste caso, o café da manhã custa R$ 2,39 e o almoço, R$ 6,27.

Facom - No ano passado, foi entregue o prédio da Facom (Faculdade de Computação), que atende os acadêmicos dos cursos de análises de sistemas, ciências da computação, tecnologia em análise e desenvolvimento de sistemas, engenharia da computação e rede de computadores.

O prédio ocupa uma área de 2,5 mil metros e conta com salas de aula de graduação e pós-graduação, anfiteatros, laboratórios, biblioteca setorial, sala de professores para suporte de redes, central de cabeamento, além da parte administrativa.

Para Ana Karolina, de 20 anos, as mudanças foram significativas e contribuíram para o aprendizado em sala de aula, especialmente nos laboratórios de informática e, além disso, para integração entre as turmas.

“Antes a gente ficava espalhados”, contou, acrescentando que o novo espaço permite formar uma rede de futuros contatos profissionais.

Prédio da Faculdade de Computação foi entregue ano passado.Prédio da Faculdade de Computação foi entregue ano passado.
Acadêmicos aprovam novas instalações.Acadêmicos aprovam novas instalações.

Jean Carlos Atagiba Chainm Asseff, de 19 anos, do mesmo curso, também aprovou a idéia. O estudante, que veio da UFMS em Corumbá, vê as mudanças como uma forma de incentivo. “É uma coisa que é só do nosso curso”, afirma.

De “cara nova” - Acadêmica do curso de arquitetura e urbanismo, Adriana Oshiro, de 19 anos, acredita que os investimentos na universidade resgataram um pouco da confiança dos estudantes com relação à preocupação da universidade com a segurança e infra-estrutura.

Bloco de arquitetura e urbanismo também sofreu mudanças.Bloco de arquitetura e urbanismo também sofreu mudanças.
Paisagismo foi realizado pelos próprios alunos.Paisagismo foi realizado pelos próprios alunos.

“Acho que o que aconteceu do ano passado para cá foi uma evolução”, explicou.

O bloco de arquitetura também está incluído no projeto do governo federal. Vai receber salas de aulas, de professores, maqueteria, laboratórios e auditórios. As obras começaram no ano passado com a reforma e implantação de novas salas de aula. “Os próprios alunos ajudaram com a parte de jardinagem”, disse Adriana.

Outro espaço que passou por mudanças é o Complexo Aquático, que recebeu trocas de filtros, da grande elétrica do comando de bomba, pintura nova e reforma dos vestiários.

Complexo Aquático.Complexo Aquático.

Interior – As unidades da UFMS do Estado também receberão parte dos recursos. Em Três Lagoas devem ser finalizadas este ano as construções da nova biblioteca e de um novo bloco. Já foram iniciadas obras do anfiteatro, pórtico e guarita e também de uma subestação.

No campus de Chapadão do Sul, será construído um galpão que servirá como abrigo para atividades práticas de alguns cursos, além de um prédio para atividades pedagógicas e administrativas.

Em Coxim, será finalizada as obras de um prédio destinado ao curso de enfermagem.



Os comentários que rondom pela universidade é de que em breve, na proxima semana, entrará uma ação na justica pedindo o afastamento do cargo de reitor e vice da UFMS. vamos ver se é verdade ou nao.
 
Alberto Roberto em 21/03/2012 08:38:02
E o campus de Aquidauana como fica? O campus atende os municipios de Anastácio, Bodoquena, Dois Irmãos do Buriti, Miranda, Nioaque e outros municípios da região. As universidade na modalidade Ead pública e particular estão crescendo nestes municípios em virtude das opções de cursos oferecidos. Está na hora da UFMS investir nestes municípos.
 
Ronaldo da Silva em 20/03/2012 10:14:03
Como assim "instalação dos cursos de química, administração e economia."??? Minha amiga cursa química e eu curso ADM lá: nós temos o DEA! (que não tem bebedouro, cantina, nem lâmpadas suficientes - a noite é uma escuridão só). Enfim, estamos INSTALADOS... queremos INFRAESTRUTURA MÍNIMA para poder estudar.
Só isso.
 
Mel Righez em 20/03/2012 09:52:16
Agora só falta o R.U. se organizar melhor pra atender os 1000 alunos por dia. Porque uma hora e meia na fila, embaixo do sol esperando pra almoçar, é um pouco desagradável.
 
Leandro Bichara em 20/03/2012 07:58:08
Boa tarde.
Em questão da FACOM não ter ralos, se observarem na BIBLIOTECA também não há.
Isto é uma questão técnica de projeto de arquitetura e engenharia, pois a ausência de ralos é para evitar que inventem de lavar, pois isto aumentaria a umidade nestes locais vindos a danificar livros e equipamentos, molhar por acidentes na hora que se estiver lavando ou choque elétrico os colaboradores se houver tomadas embutidas no chão.
 
Mario Cezar Anthunes em 20/03/2012 06:37:21
É está melhorando mesmo as federais, mas falta muita coisa ainda!!! Estudo na UFGD, o que falta aqui é cobertura do estacionamento até os blocos em tempo de chuva fica dificil, para todos. Mas tirando isso tem uma ótima estrutura.
 
wilke figueiredo em 20/03/2012 01:42:42
Começou a campanha para reeleição na UFMS! Aliás, a imprensa sabe que o prédio da FACOM, noticiado aqui, não tem ralo para escoar água!!??...rsss... Acorda UFMS! Fique atenda dona imprensa, dia 22/03 terá um "golpe" dado pela atual administração no conselho universitário, querem antecipar as eleições na ufms, não permitindo o debate democrático. Péssimo exemplo para sociedade sul-mato-grossense!
 
Pedro Alfonso em 20/03/2012 01:13:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions