A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

21/07/2013 15:30

Usuários temem violência e são contra passe livre para todos nos ônibus

Leonardo Rocha e Edivaldo Bitencourt
Usuários não querem transporte gratuito, desejam apenas a redução na tarifa (Foto: Cleber Gellio)Usuários não querem transporte gratuito, desejam apenas a redução na tarifa (Foto: Cleber Gellio)

No final de junho, milhares de pessoas foram às ruas de várias capitais para pedir passe livre para todos no transporte coletivo urbano. No entanto, usuários dos ônibus, ouvidos pelo Campo Grande News, querem a redução no valor de R$ 2,75, que ainda consideram caro apesar da redução de R$ 0,10 no dia 1º deste mês, mas são contra a isenção do valor para todos. 

O principal temor da população é que a gratuidade eleve a violência dentro dos ônibus e dos terminais de transbordo. Muitos usuários ainda se lembram da ação de gangues e marginais no transporte coletivo aos domingos (segundo e último de cada mês), quando os usuários eram isentos do pagamento da tarifa. 

Os usuários afirmaram, que quando este modelo foi adotada na cidade, pelo então prefeito André Puccinelli (PMDB), ele era aplicado em apenas dois dias do mês (segundo e último domingo) e nestas datas aumentavam o número de assaltos, brigas e casos de violência tanto no transporte público como no centro da cidade.

“Se implantar o sistema gratuito, os ônibus vão ficar precários, sem contar a falta de segurança”, destacou o assistente administrativo Jorge Souza. De acordo com ele, a melhor opção é a diminuição na tarifa. “Já amenizaria a situação, estava de bom tamanho”, avaliou.

A funcionária pública, Cristiane Rodrigues, que foi mais além, afirmou que o transporte iria virar “bagunça”. “Ficaria pior do que está, seria uma péssima decisão da prefeitura”.

A dona de casa Celina Conceição ponderou que seria ótimo para as famílias “humildes” passearem no final de semana, porém a situação seria inviável no dia a dia. “O ônibus já é lotado, imagina de graça? Ficaria insuportável”.

Valdir Dias, aposentado, lembrou que na época que era gratuito aos domingos a sua família não saía de casa. “Não tinha carro, mas não podia sujeitar minha família à violência, era muito inseguro andar de ônibus”, apontou ele.

Juraci Nunes, empregada doméstica, foi mais direta e destacou que a melhor opção é a redução na tarifa, já que propor algo mais radical não irá dar certo na prática. “Reduziu o preço, mas poderia abaixar mais, é isto que a população está querendo”, completou.

Após o aumento da violência, o então prefeito Nelson Trad Filho (PMDB) acabou com a gratuidade no transporte coletivo. Ele implantou a tarifa social em seis datas do ano, como Dia das Mães, Natal, Ano Novo e Finados. Na época, cerca de 80% dos usuários aprovaram o fim da gratuidade para todos aos domingos. 

Atualmente, o valor passou de R$ 1,00 para R$ 1,15. O aumento foi autorizado pelo prefeito Alcides Bernal (PP), que manteve as seis datas já previstas no decreto. Com a redução na tarifa de R$ 2,85 para R$ 2,75, o valor passou para R$ 1,10 neste mês. 

Em Campo Grande, desde 1993, estudantes da rede pública e particular não pagam para ir e voltar da escola de ônibus. A gratuidade também contempla outras 10 categorias, incluindo idosos, carteiros, bombeiros, deficientes, entre outros. 



Acho que não tem que ser de graça e sim o preço justo. Fizeram passeata para baixar a passagem dos transporte, tinham é que fazer passeata para baixar o preço dos combustíveis. Se somos auto-suficiente em petróleo se a cana-de-açúcar é nossa, porque o combustível é tão caro. Tem país que o preço do combustível é $ 0,60 e não é auto-suficiente.
 
Placida Barros em 22/07/2013 09:15:23
Eu imagino a cabeça de uma pessoa pensar em serviço de graça. Todo serviço tem custo de pessoas, materiais e patrimônio; vai cair do céu? Alguém paga de uma forma ou outra. Sou contra coisa de graça, o ser humano só valoriza quando conquista. O que precisa é ser justo com o serviço.
 
luiz alves em 22/07/2013 08:58:01
O problema não é a isenção de tarifa do transporte público, e sim a FALTA de segurança, a frota PRECÁRIA, o mau preparo dos funcionários dos terminais e motoristas em atender aos consumidores do serviço, a falta de PLANEJAMENTO e ORGANIZAÇÃO do transito campo-grandense. Nas eleições ouvi promessas de redução de 0,20 c, conseguimos só 0,10, porém a QUALIDADE é baixa.
 
Maria Conceição em 22/07/2013 08:49:03
Sem essa de passe livre, o que deve haver é redução nas tarifas e melhoras (muitas) no serviço oferecido.
 
Kaio Gleizer em 22/07/2013 08:39:20
tem que se pensar muito bem pois ja tem muito estudante com passe livre que fazem muita baderna dentro dos ônibus gritão fala muito palavrão na frente de criança e idoso..na sexta feira no horário de meio dia entrou no expresso uma turma com camisetas do senac numa baderna total falando palavrão como se estivesse só eles dentro do ônibus em um banco perto deles estava uma senhora com um menino de uns 3 anos no colo ela pediu para eles parar de gritar por que ela estava com dor de cabeça ai e que eles dava risadas e falava mais alto ainda; isso também e ato de vandalismo tem que por uns fiscais a paisana dentro dos ônibus nos horário de saída das escola ou fazer migracao dos alunos para colégio do seus bairros destumultuar os ônibus e acabar um pouco com a bagunça a falta de respeito ......
 
antonia mariano em 22/07/2013 06:55:33
Só na cabeça daqueles membros do Passe Livre para ter tarifa zero. Se conseguissem, teriam que depois começar movimento pela Segurança Urgente. Lógico que a violência iria aumentar muito. Campo Grande é prova de que não dá certo. Aliás, aqueles membros do movimento Passe Livre são apenas jovens que vivem de ilusão, criam um mundo ideal, totalmente utópico, que o objetivo deles é apenas romper e ser comprar todo o sistema existente. A política deles é só ser do contra.
 
Rafael Santos em 21/07/2013 22:05:22
PRICIZAMOS SIM COBRAR A REDUÇAO MAIS NAO DEVEMOS ESQUECER DE COBRAR EM PRIMEIRO LUGAR A QUALIDADE E SEGURANÇA DO TRANSPORTE COLETIVO TEMOS QUE PAGAR SIM MAIS TER QUALIDADE TEMOS QUE TER CONDIÇOES DE TRABALHOS COM MELHORIA EM O TAO SONHADO CORREDOR DOS ONIBUS PROMETIDO POR PREFEITO QUE SO LEMBRA DO TRANSP EM ELEIÇAO
ESTAMOS DE OLHO
 
antonio pereira em 21/07/2013 20:28:44
DIFICIL.
ISSO VAI JUNTAR MUITO MALOQUEIRO NOS ONIBUS.
DO TIPO VANDALOS, GANGUEZINHAS MALANDROS COCA COLA,

SEM PASSE LIVRE.
MAS UMA PASSAGEM DE R$ 2,50
E MAIS ONIBUS NAS LINHAS
ASSIM O USUARIOS NAO FICA DUAS HORAS NO PONTO DE ONIBUS.

TRANSPORTE COLETIVO DE PESSIMA QUALIDADE + PASSE LIVRE + A MALOCADA = CAOS NA CIDADE.
 
julio junior em 21/07/2013 19:50:04
Acredito que assim como eu, a grande parte da população não quer ônibus grátis.... Queremos transporte público de qualidade, com uma tarifa justa.
Não quero um estado paternal, quero um estado funcional, aonde os serviços públicos tais como segurança, saúde, educação tenham qualidade.

http://restrito.campograndenews.com.br/cidades/capital/usuarios-temem-violencia-e-sao-contra-passe-livre-para-todos-nos-onibus
 
Nelson Junior em 21/07/2013 16:09:29
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions