A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

17/03/2013 17:42

Visita é normal na Máxima, mesmo com ataques atribuídos a presidiários

Ângela Kempfer
Dia normal hoje na Máxima. (Foto: Marcos Ermínio)Dia normal hoje na Máxima. (Foto: Marcos Ermínio)

Na semana de 18 carros incendiados na região de Campo Grande, a visita ocorreu normalmente hoje no Presídio de Segurança Máxima, local conhecido como base de facção criminosa que estaria envolvida na série de ataques.

No domingo de contato com a família, os presos se comportaram bem, contam os parentes que estiveram hoje no complexo penal. Não houve reforço na segurança, ainda conforme os visitantes, nem mudanças na revista

O clima foi considerado sem alteração, o que destoa do alarde criado fora dos portões da Máxima. Mulheres que estiveram lá dentro hoje pediram para não ter os nomes divulgados, mas concordaram em conversar com o Campo Grande News.

Na saída, devagar, uma a uma deixava o complexo tranquilamente. “Está tudo normal”, garante a operadora de caixa, de 25 anos, que visitou o marido neste domingo.

Ela diz que ouviu mais comentários na rua do que dentro do presídio. Para a mulher, não há nem lógica para ordenar ataques pela cidade, já que os presos não têm reclamações sobre o sistema penal. “E se fossem eles, os ataques seriam bem piores”, avalia.

Outra esposa de preso, a babá de 44 anos concorda. Ela conta que levou comida para o marido e “tudo passou”, sem nenhum problema, o que não acontece quando há riscos de rebelião. No pavilhão onde o esposo cumpre pena, a mulher também não percebeu tensão. “Tudo foi como de praxe, sem mudança”, relata.

A copeira, de 28 anos, apareceu para ver o irmão, uma rotina de 7 anos. Durante esse tempo, lembra que o clima só ficou tenso uma vez. “Daí não entrei”, diz.

Hoje, a visita foi como em outro dia normal o que deve se repetir na próxima. “Quando tem algum perigo, eles avisam para a gente não vir. Mas semana que vem pode entrar criança e ninguém falou nada”, explica.

Policiais militares que fazem a segurança externa no complexo penal de Campo Grande confirmaram que não houve alteração, apesar da ordem de atenção redobrada por conta dos ataques contra veículos em Campo Grande.



policias devem abordar elememtos suspeito na ruas ápos de meia noite ou seja zero hora fazendo circular as viaturas como policia civiel e militar se possivel o exercito tambem pois temos efetivo para dar tranquilidade para nós campo grandensse.



 
WASHINGTON LUIZ DA ROCHA MARTINS em 18/03/2013 07:57:04
Tinham que proibir a visitação em represália, afinal de contas, nesse país só os bandidos não podem ter seus direitos atingidos.
 
Mathias Hanns em 18/03/2013 07:26:34
AHhAhHAHAHhaHA.. temos que rir ! Nós aqui fora apavorados e lá dentro tudo em clima de "Colonia de Férias" ... chupa sociedade.
 
Pedro Tituia em 18/03/2013 00:53:28
Será mesmo que os atentados, os carros queimados foram feitos pela facção criminosa. Ou a a imprensa não sabe a verdadeira realidade...
 
Robson Silva em 17/03/2013 21:27:48
Lógico que no Brasil é normal bandidos terem direitos invioláveis. Quem está preso somos nós trabalhadores e contribuintes que nem podemos deixar nossos veículos em frente de casa que colocam fogo. Traficante decide eleição com dinheiro lavado, é por isso que eles tem regalias. Coitado do trabalhador.
 
Aldo Novaes em 17/03/2013 19:58:33
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions