A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

07/12/2012 13:51

Com foco no judiciário, campanha de combate à violência da mulher chega em MS

Paula Vitorino
Campanha foi lançada hoje na Assembleia Legislativa. (Foto: Simão Nogueira)Campanha foi lançada hoje na Assembleia Legislativa. (Foto: Simão Nogueira)

Com maior índice de homicídios de mulheres no Centro-Oeste, Mato Grosso do Sul recebeu nesta sexta-feira (7) o lançamento de campanha nacional de combate a violência da mulher. O Estado ocupa a 1ª posição no índice de homicídios da região e fica em 5º no ranking nacional, de acordo com dados do Cebela (Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos).

Cada região do país será representada por um Estado, sendo que MS é o quarto a receber a ação. Nessa etapa, o foco da campanha “Compromisso e Atitude pela Lei Maria da Penha – a Lei é mais forte” é na conscientização e formação do poder judiciário, envolvendo juízes, promotores, defensores e delegados.

“O objetivo é fortalecer a atuação e prestação jurídica dos estados, já que muitas vezes a sensação de impunidade em relação à Maria da Penha é devido a não aplicação correta da lei”, diz a diretora de enfretamento à violência contra as mulheres da Presidência da República, Ana Teres Lamarino.

Ela explica que a lei Maria da Penha já existe há 6 anos e pesquisas realizadas a nível nacional concluíram que a legislação é conhecida, mas que ainda existe uma sensação de impunidade por parte da sociedade.

Com as ações voltadas para o judiciário, a campanha pretende esclarecer possíveis brechas que possam existir e causa dúvidas na interpretação do texto.

Para o desembargado do Tribunal de Justiça do Estado, Ruy Celso Barbosa Florence, o principal benefício da campanha será a união entre as instituições que atuam diretamente no combate à violência.

“São muitas pessoas ligadas ao assunto, mas a maioria não se conhece e não existem dados gerais”, disse.

Segundo ele, atualmente tramitam 10 mil processo no Estado de violência doméstica. Do total, 6 mil são em Campo Grande.

Mato Grosso do Sul ocupa a 5ª posição em número de denúncias pelo telefone 180, no primeiro semestre de 2012. O desembargador avalia que as várias denúncias são positivas do ponto de vista de que as mulheres estão cada vez mais atentas as leis e denunciam os casos.

Entre as ações previstas para o próximo ano no Estado, o desembargador diz que serão realizadas ações na cidade de Maracaju, onde quase não existem denúncias, e nas usinas de álcool da região.

“Não tem temos muitas denúncias na região, mas é claro que existem casos lá, o que falta é maior esclarecimento para denunciar”, diz.

Além dos trabalhos voltados para o judiciário, será desenvolvida a campanha “Maria Vai à Escola”, que realizará campanhas de conscientização nas escolas.

Em junho será realizado um seminário no município de Dourados para tratar do tráfico de mulheres.

Carro roubado no RJ é recuperado em estrada rumo ao Paraguai
Um automóvel recentemente roubado no Rio de Janeiro foi recuperado por policiais militares em uma estrada vicinal de Japorã –a 487 km de Campo Grande...
Recesso de fim de ano começa nesta semana no Judiciário e Legislativo
Na reta final de 2017, para alguns servidores a "folguinha" das festas começa mais cedo. Em orgãos Estaduais e Federais de Mato Grosso do Sul, tem re...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions