A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

28/05/2009 17:17

Com infecção, bebê com sangue raro precisa de doadores

Redação

Depois de ser submetida a um procedimento cirúrgico de risco, a menina Jéssica, de um ano e cinco meses, precisa novamente de doadores do tipo sanguíneo AB negativo. O motivo é que enquanto se recuperava da cirurgia ela contraiu infecção hospitalar.

Ainda internada no CTI (Centro de Terapia Intensiva) da Santa Casa, em Campo Grande, ela sofre há três semanas a ação de uma bactéria. A família aguarda o resultado do exame para saber se a infecção já se espalhou pelo sangue, o que pode agravar o quadro clínico da criança.

Para resistir ao problema, ela precisa de plaquetas do sangue AB negativo, considerado raro. A mãe de Jéssica, Elisângela Dias Silgueiras dos Santos, explica que, além de não haver esse tipo sanguíneo disponível, é necessário que haja voluntários até que ela se recupere.

Isso ocorre porque a plaqueta, parte do sangue da qual ela necessita, não pode ficar armazenada por muito tempo. "Depois que o sangue é fracionado para separar a plaqueta, ela só serve se for usada dentro de cinco dias. Depois disso, é necessário que haja mais doadores", explica a mãe da criança.

Enfrentamento - Logo que nasceu, Jéssica teve dificuldades para respirar e teve que ficar por três meses na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) neonatal. O problema no coração foi descoberto apenas oito dias após o nascimento. Com a 'cardiopatia congênita' vieram problemas nos pulmões, na respiração e a dificuldade para se alimentar.

Em abril deste ano, ela precisou de doadores do sangue AB negativo para ser submetida a um procedimento cirúrgico de alto risco. Após a história de Jéssica ser divulgada pela imprensa, foi grande a mobilização de pessoas e entidades para ajudar a salvar a vida da menina. O número de doadores excedeu o necessário para a cirurgia.

Mas, apesar de o procedimento ter sido considerado pela família como 'bem-sucedido', a criança contraiu uma bactéria hospitalar durante a recuperação e precisa novamente de doadores para sobreviver.

Para a mãe de Jéssica, a dificuldade maior é que as pessoas que doaram sangue à criança em abril não podem fazê-lo novamente agora em maio, porque precisam esperar pelo menos três meses. Por isso, a família faz um apelo por novos doadores com tipo sanguíneo AB negativo.

Quem quiser ajudar a família, pode entrar em contato pelos telefones dos pais da criança: (67) 9922-8038 / 9922-8037.

Indenizações por morte no trânsito crescem 24% em relação a 2016
O número de indenizações pagas pelo Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Seguro Dpvat) entre janeiro e novemb...
ANS regulamenta novas regras de compartilhamento para planos de saúde
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou duas resoluções normativas na tentativa de dar mais segurança e estabilidade ao mercado de pla...
UFMS recebe inscrições para vários cursos no Vestibular 2018
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions