A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

30/06/2008 10:12

Com prisão, Betão vai a júri popular nos próximos dias

Redação

Réu em cinco processos, o funcionário público estadual Alberto Aparecido Roberto Nogueira, o Betão, preso na sexta-feira (28) no Paraguai, pode ir a júri popular nos próximos dias.

Com a prisão dele, dois processos que responde por homicídio doloso que tramitam na comarca de Campo Grande devem ser concluídos. Um deles é do assassinato do policial militar Hudmam Ortiz e baleamento do irmão dele, Hudson Ortiz, crimes ocorridos em 2003. O outro da morte de Claudemar Barbosa Xavier, ocorrida em junho de 2000 no bairro Serradinho.

Os juízes da 1ª e da 2ª Vara do Tribunal do Júri, só aguardavam a prisão para marcar julgamento, já que nenhum júri pode ser realizado sem a presença do acusado. Betão estava foragido desde 2004.

O comunicado oficial sobre a prisão dele ainda não chegou nas mãos dos juízes, mas assim que for recebido, é feito pedido para incluir os processos na pauta de julgamentos.

O advogado de Betão, José Roberto Rodrigues da Rosa, disse que pretende conversar com os juizes Júlio Siqueira Cardoso e Aluízio Pereira dos Santos, para que os júris possam ser realizados o mais breve possível. José Roberto quer conversar ainda hoje com Betão e verificar a possibilidade de algum recurso, mas inicialmente a intenção dele é trabalhar para apressar os julgamentos.

José Roberto explicou que Betão só fugiu após a decretação da prisão pela Justiça de São Paulo. Estado em que ele é acusado dos assassinatos de um empresário e de um geólogo no Guarujá, em 2004. Depois disso, não compareceu mais aos compromissos com a Justiça de Mato Grosso do Sul e também teve a prisão decretada.

Segundo o advogado, um habeas-corpus em caráter liminar sobre o processo de São Paulo tramita no Superior Tribunal de Justiça e já teve parecer da Procuradoria da República. O recurso está nas mãos do ministro Nelson Naves.

Outro homicídio que Betão responde em Campo Grande, é um culposo (sem intenção de matar). O advogado de Betão explicou que neste ele já foi absolvido, mas o Ministério Público Estadual entrou com recurso.

O servidor público ainda responde por corrupção ativa (oferecer propina), cuja sentença deve sair nos próximos dias. Segundo José Roberto, Betão é acusado de oferecer dinheiro pessoalmente ao promotor de Justiça Carlos Alberto Zeola, para que não desse continuidade a uma ação envolvendo fiscais de renda.

Betão foi preso em Pedro Juan Caballero junto com mais dois policiais de Mato Grosso do Sul

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions