ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEGUNDA  21    CAMPO GRANDE 17º

Cidades

Com rival de Marcelo Piloto no alvo, ação mira família de traficantes em MS

Líder de quadrilha alvo da Polícia Civil do RJ é o sul-mato-grossense Edson Ximenes Pedro, conhecido como "Pelincha"

Por Anahi Zurutuza e Patricia Hadlich, do Rio de Janeiro | 17/01/2019 07:03
Sede da 25ª DP do Rio, que comandou as investigações e chefia a operação (Foto: Polícia Civil do RJ/Divulgação)
Sede da 25ª DP do Rio, que comandou as investigações e chefia a operação (Foto: Polícia Civil do RJ/Divulgação)

Com uma família de Paranhos na mira, a Polícia Civil do Rio de Janeiro deflagrou na manhã desta quinta-feira (17) a Operação Bad Family contra o tráfico de drogas e armas. Com apoio de policiais da Mato Grosso do Sul, a força-tarefa está nas ruas para cumprir 18 mandados de busca e apreensão e 19 de prisão.

Segundo o delegado Fabio Asty, titular da 25ª DP (Delegacia de Polícia) do Rio, o líder da organização criminosa é o sul-mato-grossense Edson Ximenes Pedro, conhecido como "Pelincha", um dos principais concorrentes do traficante “Marcelo Piloto”.

O esquema de tráfico de drogas e armas conta com a ajuda da mulher, irmãos e cunhado do alvo.

As investigações demonstraram, ainda conforme divulgou a Polícia Civil do Rio de Janeiro, que Pelincha fornecia mensalmente às comunidades fluminenses cerca de duas toneladas de maconha e meia tonelada de cocaína, valores que ultrapassam R$ 200 milhões ao ano.

A “Bad Family”, de acordo com a apuração, abastece as principais comunidades da região metropolitana do Rio, como os complexos do Alemão, da Maré, do Lins e Jacaré, além dos municípios de Cabo Frio e Nova Friburgo, no interior do Estado, e em Cachoeiro de Itapemirim, no Espírito Santo.

Edson Ximenes já foi preso em 2013 pela Polícia Federal e cumpriu pena por tráfico de drogas e associação para o tráfico. Ainda conforme a investigação, hoje ele usa uma identidade falsa, em nome de Fabio Pereira de Souza e está foragido desde que foi para o regime semiaberto.

Lavagem de dinheiro – Segundo a apuração, a família de Pelincha é atuante no agronegócio e usa sua propriedade na fronteira com o Paraguai como entreposto para o recebimento e distribuição de drogas, principalmente maconha e cocaína, além de armas e munições de diferentes tipos e calibres.

A fazenda e os negócios rurais também foram usados na lavagem do dinheiro ganho com a venda de armas e drogas, conforme constatou a investigação. Por isso, a Polícia Civil do Rio de Janeiro também pediu e 9 integrantes da organização criminosa tiveram os valores das contas bancárias sequestrados por determinação judicial.

A operação – Além do Rio de Janeiro e de Mato Grosso do Sul, equipes da Operação Bad Family também estão nas ruas do Espírito Santos para prender envolvidos e vasculhar endereços.

Até o momento 10 pessoas foram presas, pelo menos duas em Mato Grosso do Sul, e drogas apreendidas.