A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

15/03/2011 13:10

Comunidade japonesa une forças para enviar doações a vítimas de tsunami

Ricardo Campos Jr. e Fabiano Arruda

Dinheiro será depositado na conta de entidade nacional

 Comunidade japonesa une forças para enviar doações a vítimas de tsunami

Preocupados com a situação de caos que se instalou no Japão depois do terremoto e do tsunami, que atingiram o país oriental na madrugada do último dia 14, membros da Associação Nipo-brasileira de Campo Grande mobilizam a comunidade e a população da Capital a colaborar com uma campanha que pretende arrecadar dinheiro para ajudar as vítimas.

O presidente da associação Bernardo Tibana explica que não é possível o envio de alimentos, remédios, roupas e outros, por causa da dificuldade no transporte. A unida ajuda possível neste momento, segundo ele, é dinheiro.

Trata-se de uma mobilização que está sendo feita a nível nacional por uma entidade chamada Bunkyo, que congrega todas as associações nipo-brasileiras no País. “A Associação é como se fosse uma filial. Foram disponibilizadas duas contas. A verba será revertida para a compra de produtos lá no Japão”, explica Tibana.

Um telão foi colocado em uma das salas e a conversa, feita por meio de webcam, era transmitida em tempo real a todos os participantes.

A campanha será "lançada" oficialmente em Campo Grande após uma missa que será celebrada na próxima sexta-feira, ás 18h30, na paróquia São Judas Tadeu em memória dos mortos na tragédia.

"Vamos aproveitar para mibilizar mais pessoas", diz Tibana.

Célio conversou com sobrinho por teleconferência na manhã de hoje. (Foto: JOão Garrigó)Célio conversou com sobrinho por teleconferência na manhã de hoje. (Foto: JOão Garrigó)

Pela manhã aproximadamente 30 pessoas entre membros e diretores da Associação se reuniram para acompanhar uma teleconferência com um campo-grandense que está no país afetado. O objetivo foi ter uma ideia da situação que está sendo vivida no Japão.

Celso Oshiro e a família estão longe da Capital há 22 anos. Eles vivem em Gunma, a mais ou menos 300 quilômetros do epicentro do terremoto. No local foi sentido somente o tremor. Ele comentou a respeito da dificuldade de conseguir água, alimentos e combustível, tendo em vista que o governo libera de 10 a 12 litros por pessoa.

Acelino Sinjo Nakasato, tio de Celso, conversar com o parente trouxe tranquilidade. “No início fiquei sete horas sem contato e agora estou tranquilo que meu sobrinho está bem. Estou preocupado somente com a questão dos racionamentos”, comenta o diretor da associação.

Tibana acredita que a catástrofe fará grande parte dos brasileiros que vivem no Japão pensarem em retornar. Para ele, quem está a mais tempo tem mais chances de voltar . “Cada um tem sua maneira de pensar e analisar a realidade para voltar ou não”.

Contato - Pela manhã, Yoshihiro Taíra, 56 anos, foi até a sede da Associação Nipo-brasileira pedir ajuda para contatar o irmão Yoshihiro que mora na cidade de Kanagawa. Ele contou que há 1 ano e meio o parente mudou de endereço e desde então não teve mais contato.

“Ele não passou para mim onde estava trabalhando. Aí, por conta dos acontecimentos, me ocorreu de tentar encontrar ele porque há mais de um ano não tenho contato”, disse Yoshihiro.

A Associação Nipo-brasileira entrou em contato com a embaixada brasileira no Japão para tentar localizar o irmão de Taíra.

Como participar - Os interessados em ajudar podem fazer depósitos direto nas contas da Bukyo, listadas abaixo:

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CULTURA JAPONESA E DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - BUNKYO

CNPJ: 61.511.127/0001-60

BANCO BRADESCO

Agência: 0131-7

Conta Corrente: 112959-7

ou

BANCO SANTANDER

Agência: 4551

Conta Corrente: 13090004-4



Foi terrível o que ocorreu no Japão! Quem sabe acontecendo algo dessa magnitude, talvez essas pessoas (inclusive as que aqui vivem) se tornem mais humildes, menos prepotentes e arrogantes.

Pelos e-mail acima, percebe-se que não só os brasileiros estão fartos de serem tratados como sub-espécie pelos japoneses naquele país, mas estamos fartos tbém dessas "colônias" que se julgam melhores que nós brasileiros. vocês nunca serão brasileiros de coração. Quando podem, só contratam japoneses em suas empresas, discriminam inclusive os sansei, os niseis e os nãosei...

Reflitam e tratem melhor o povo que os acolheu, pois, se não fosse isso quem sabe vocês estariam numa hora dessas boiando em cima de algum notebook de última geração ou com toalhas molhadas na cabeça em terras orientais...Mas esperamos que Deus possa olhar por cada uma daquelas famílias que lá estão e as que aqui permanecem. DEUS e somente DEUS!!!
 
Luiz Otávio em 16/03/2011 12:17:16
E povo japonês jamais moveu uma palha para ajudar os legítimos donos deste país, e tragêdia não falta neste imenso Brasil,quem ajudar esse povo pode dar a ele o diploma de TROUXA puxa saco.
 
Rubens ferreira em 15/03/2011 08:55:51
Sou Sul Matogrossense sou Campo Grande de corpo e alma mas sou descendente de japoneses e sei o quanto esta dificil a situaçao do povo japones!! nao temos pra onde correr nao temos pra onde ir ficar trancado dentro de casa pois a radiaçao da Usina Nuclear de Fukushima esta no alerta maximo ajudem sim quem quiser e quem puder!!!
 
Elza Kishdaryash ziba em 15/03/2011 08:26:21
Parabens senhor Tibana!!!!
demonstração de solidariedade.
 
Mario Miyazato em 15/03/2011 08:13:39
Gente por favor... se quiserem ajudar é só ajudar.. pq tem pessoas que ajudam mais nao falam, vcs deveriam olhar melhor situação do japão aqui perdemos coisas materiais la perdemos vida... Olha tenho família lá e estamos muito preocupados também, vc não conhece o trabalho da nippon, não precisa aparecer na mídia pra dizer EU AJUDEIIII NA ENCHENTE DE MS ... vocês não sabe o que e passar um dia sem noticias de pessoas que você ama... Todos em casa estamos preocupados, mas cada um e cada um, brasileiros sao explorados no japão mais infelizmente querem continuar la por uma vida melhor, nos mobilizamos pelo Rio que é considerada cidade maravilhosa, Luan Santana mandou um caminhão de comida e aqui em campo grande ele fez algo ...??? Deixem de dizer o que vcs não sabe mídia não e tudo... Pra ficar na mídia e so doar algo e falarr EUU DOEIIIII coloca no site, proximo passo e eleição !!! Picarelli do céu exemplos querem mais pensem !!! Apesar de ser ou não primeiro mundo temos vidas lá, desaparecidos e situação precária muito pior do que campo grande enchentes aqui e por uma falta de estrutura perfeita, falta de um engenheiro bom ... Só Deus e minha família sabe o que estamos passando com preocupação....
 
Carla Zurutuza em 15/03/2011 07:57:01
Quando a tragedia é aqui no Brasil, japoneses nos mandam dinheiro? Quem tiver parentes vitimas do terremoto, mande dinheiro diretamente à eles. Quem não tiver parente no Japão doe aos desabrigados pela chuva de MS.
 
leticia mello em 15/03/2011 04:04:48
PARABÉNS!!!!!! SR. PEDRO SANTIAGO..........

PORQUE ELES NUNCA LEVARAM UM PÃO SECO NA COMUNIDADE ALI PERTO DO LIXÃO????? NA "FAVELA CIDADE DE DEUS"

TO ACHANDO QUE ESSES JAPONESES.....SÓ VÊEM O UMBIGO........COITADOS ELES SÃO CHAMADOS DE "DOROBÔ" LA NO JAPÃO....DE "GAIJIM"...EXTRANGEIROS NÃO SÃO TÃO CONSIDERADOS ASSIM.......KKKKKKKKK

O FEIJÃO E O TUFU É DAQUI QUE VOCÊS COMEM....
PRESTEM ATENÇÃO!!!!!!
 
Gilmar candido em 15/03/2011 03:42:20
As enchentes aconteceram a menos de 140 km daqui de Campo Grande e essa associação não fez nada para ajudar. Agora algo que acontece lá do outro lado do mundo eles querem fazer isso? E ainda pedindo dinheiro, ta parecendo igreja ja. Abre o olho seu Tibana, o Sr. é Sul-Matogrossense, olhe pelos seus conterraneos aqui.
 
Pedro Santiago em 15/03/2011 02:59:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions