A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

30/08/2012 14:41

Contra ou a favor, estudantes dizem que cotas preenchem "lacuna"

Mariana Lopes e Aline dos Santos
Estudantes de cursinho, Roger e Larissa criticam o ensino público (Foto: Simão Nogueira)Estudantes de cursinho, Roger e Larissa criticam o ensino público (Foto: Simão Nogueira)

Mesmo com opiniões divididas entre concordar ou não com a nova lei sancionada pela presidente Dilma, que reserva 50% das vagas das instituições federais de educação superior para estudantes de escolas públicas, uma opinião comum entre os que estão preparando para entrar na universidade é para preencher uma lacuna no ensino público no país.

“Acho que a cota é uma muleta que o Governo usa para tentar amenizar a qualidade inferior das escoas públicas”, opina o estudante de cursinho Roger Monge, 18 anos. Por ter concluído o ensino médio em escola particular, ele não usufrui da cota e acredita que isso seja uma forma de exclusão.

A estudante Larissa Gomes, 18 anos, também faz cursinho para tentar uma vaga no curso de Direito da UFMS. Mesmo sendo egressa do ensino público, ela confessa que se sente privilegiada por poder concorrer à cota. “Estudei no Colégio Militar, que tem um método diferenciado do restante das escolas públicas, e eu posso concorrer igual. Não sei se é justo”, comenta.

Para a estudante Stephanye Marta Correa, 18 anos, do 3° ano da Mace, o sistema de cotas é bom, mas ela acha que não irá funcionar. “Acho que dá oportunidade para quem não tem condições de pagar uma universidade, mas por outro lado, acredito que o ensino público não dá base para o estudante entrar na universidade”, diz.

“O certo seria investir na educação, para que todos pudessem concorrer igualmente”, enfatiza o estudante Bruno Ribeiro do Prado, 17 anos, também da escola Mace. Ele concorda com as cotas, pois acredita que o Governo tem que criar maneiras de dar suporte a quem teve a educação desprivilegiada.

Mas para quem vive na pele o que é estudar em uma escola pública, tem a opinião menos crítica, mas concorda que precisa melhorar. “Eu acho que é relativo, a qualidade do ensino depende mais do professor”, argumenta a estudante do Joaquim Murtinho Lindaiane Veron, de 17 anos.

Ela admite que nunca se esforçou muito nos estudos, mas também acha que isso não lhe tira o direito de tirar o ensino superior. “Não sou uma ótima aluna, mas quero ter uma vaga na universidade e poder ter uma profissão no futuro”, afirma.

A lei valerá para os próximos vestibulares das instituições e também na próxima edição do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do Ministério da Educação. A regulamentação, com o cronograma para a adequação das universidades à lei, está prevista para setembro.

Para o estudante Bruno, o certo seria investir mais na educação pública ao invés de criar cotas  (Foto: Simão Nogueira)Para o estudante Bruno, o certo seria investir mais na educação pública ao invés de criar cotas (Foto: Simão Nogueira)
Mesmo não considerando uma ótima aluna, Lindaiane acha que tem o direito deuma vaga na universidade (Foto: Rodrigo Pazinato)Mesmo não considerando uma ótima aluna, Lindaiane acha que tem o direito deuma vaga na universidade (Foto: Rodrigo Pazinato)

Universidades - No IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul), metade das vagas já é destinada aos alunos egressos de escola pública. De acordo com a pró-reitora de Ensino e Pós-Graduação, Marcelina Maschio, a cota foi adotada como ação afirmativa do instituto. A reserva é para quem estudou integralmente na rede pública e não atende, por exemplo, quem estudou com bolsa em escola particular. “Agora, vamos ter que fazer a estratificação para indígenas e afrodescendente”, afirma.

Com a nova lei, ela explica que da metade das vagas, 50% vai para quem tenha cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas e o restante para pretos, pardos e indígenas. No primeiro caso, os estudantes devem ser oriundos de famílias com renda igual ou inferior a 1,5 salário mínimo.

“Essas políticas de inclusão tentam atenuar em parte essa história de que aluno de escola pública vai para universidade particular e vice-versa”, afirma. O IFMS tem 7.193 alunos em cursos presenciais e à distância.

A UFGD (Universidade da Grande Dourados) também já adota do sistema de cota, mas somente 25% das vagas são destinadas a alunos do ensino público.

De acordo com a assessoria de imprensa, a universidade criará uma comissão para fazer um estudo regional para conseguir atender a demanda. A previsão para o sistema de cota funcionar de acordo com a lei é somente para 2014.

Na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), foi criada uma comissão para estudar a implantação das cotas. Segundo a assessoria de imprensa da universidade, a intenção é de que já tenha uma definição da distribuição das vagas para o próximo Enem.

Conforme a lei, publicada nesta quinta-feira, as instituições deverão implementar, no mínimo, 25% da reserva de vagas a cada ano, e terão o prazo máximo de 4 anos para o cumprimento integral da legislação. O programa de cotas será revisto em dez anos.

Dilma sanciona Lei de Cotas e veta apenas artigo que criava mecanismo de seleção
A presidenta Dilma Rousseff sancionou hoje (29) a lei que institui o sistema de cotas raciais e sociais para universidades federais de todo o país. A...
Carro roubado no RJ é recuperado em estrada rumo ao Paraguai
Um automóvel recentemente roubado no Rio de Janeiro foi recuperado por policiais militares em uma estrada vicinal de Japorã –a 487 km de Campo Grande...


Povo sem mentalidade, uma escola particular custa a partir de 150 reais por mês, vai ver quanto custa uma faculdade! a partir de 600! dizer que alguém pagou escola particular então pode pagar a faculdade é burrice...
 
Julyane Dutra em 31/08/2012 12:55:17
Engraçado, nos EUA os alunos estudam a vida toda em colégios públicos de qualidade para economizarem dinheiro e entrarem nas melhores universidades do país. UNIVERSIDADES PARTICULARES!!! e ainda assim muitos não conseguem. Criar sistemas de cotas no Brasil é ridiculo. O governo tenta tapar o sol com peneira. Invista em escolas públicas de qualidade.
 
João Fernandes em 31/08/2012 11:31:34
Senhores procurem estudos sobre cotas e iram ver que nunca deram resultado efetivo, política populista copiada, que não resolverá o problema, irá apenas piorar o que já está ruim, achar centros de excelência no Brasil é tarefa difícil, aqui quem tem algum sucesso, quem se esforça é sempre tachado como ``burgues``, ``riquinho``.. enfim aqui o bonito é ser pobre, se for negro então... perfeito !
 
Arnaldo Antunes em 31/08/2012 11:29:33
Eu acho que todas as universidades publicas deveriam ser apenas para alunos de escolas publicas, tem dinheiro pra pagar escola particular, mas não paga a universidade? Mas por outro lado acho q as escolas publicas deveriam sim oferecer um ensino de melhor qualidade não adianta tapar o sol com a peneira dando mais vagas a quem não esta preparado para usurfrui-la.
 
Renata Lima de Souza em 31/08/2012 11:19:33
"Se conseguiu pagar a vida toda ensino privado, Por que agora estudar em Universidade Pública?"
Filho, ensino público é direito de todos, sistema de cotas é você tirar o direito de uma parte da população.
Sistema de cotas foi adotado na Alemanha nazista.. lá aceitavam apenas arianos, veja no que deu..
Há uns dias era 10, depois 25, agora 50%.. O que será amanhã?
 
Uriá de Mello Soares em 31/08/2012 10:49:30
Política populista de custo zero, e incoerente pois o ITA e o IME foram excluídos das cotas sociais/raciais pq? O próprio governo sabe que essa medida sucateara o ensino público superior assim como o de base já está falido, somente um ingenuo para ser a favor de uma medida absurda como essa, faculdade exige base, o único diferencial das universidades públicas ERA o bom nível dos alunos.
 
Roberto Inzagaki em 31/08/2012 09:14:21
Tanto na rede pública como na privada, os que realmente se esforçam e merecem uma vaga na faculdade, infelizmente é uma minoria. Esses que merecem, não precisam de cotas, acabam entrando pelo próprio esforço. De que adianta entrar na faculdade sem base, se formar um profissional despreparado que só vai trazer problemas para a sociedade. Ao invés de ensinar a pescar, o governo está dando o peixe
 
Paulo Lemos em 31/08/2012 09:04:11
Sou egresso de escola pública e hoje curso Ciências Biológicas na UFMS, não acho que essa lei realmente AJUDE. Com esforço você chega onde sonha, o Governo deveria mesmo era investir na educação pública (básica e superior) e deixar de "maquiar" a atual situação em que o Brasil se encontra.
 
Johnny Alexandre em 31/08/2012 08:31:00
Concordo com o Felipe é um comentário que condiz com o assunto sim! isso nos mostra o quanto a educação brasileira é sem rumo e a UFMS ta de mal a pior, isso é um governo que responde a demandas espontâneas e não com prevenção de melhorar o ensino, vergonha do Brasil que quis copiar um modelo dos EUA de politicas afirmativas e está legalizando o que era pra ser provisorio
 
Jackeline Ferreira em 31/08/2012 07:43:37
É sabemos que alguns alunos estuda em escolas particulares mas também sabemos que alguns não são ricos, mas não querem estudar em escola publicas eles são os que conseguem a maioria das vagas nas federais, eu conheço pessoas que tem dinheiro e estão la na federal, e tem condições de pagar uma universidade particular.
 
Uedson Silva Macena em 31/08/2012 07:01:13
Meire Ellem de Almeida não falei a meu respeito pois graças a minha força de vontade não necessito de cotas
Na teoria é tudo muito lindo, certo e blá blá blá.
Não adianta erguer uma bela casa em um terreno arenoso, essa do politicamente correto está passando dos limites.
Sem uma base educacional o aluno estará ocupando sim a vaga de alguem mais capacitado, não adianta tampar o sol com a peneira
 
Marcio Brunholi em 31/08/2012 06:51:30
Conhecimento não requer raça, etnia, religião, etc. Que se faça cotas aos menos favorecidos economicamente. Pois existe pobre branco, negro, pardo, amarelo, índio, com e sem religião. Que o acesso dos futuros discentes das universidades pública federais seja pelo mérito. Como desenvolver o Brasil, com índice baixo de intelectualidade, dos alunos do ensino médio; principalmente da escolas públicas
 
GALIANO PACCINI NETO em 31/08/2012 02:12:03
Uriá, descordo de ti. Não é porque estudou a vida toda em escola particular que ele tem de fazer a faculdade particular, não tem sentido sua crítica, cada um tem o direito de escolha, além do que, existem cursos nas universidades públicas que serão superiores aos das particulares.

Roger Monge falou tudo! O Governo sancionou essa lei, pra amenizar o descontentamento com a Educação Pública no país.
 
Érico Correa Lopes em 31/08/2012 01:49:45
É engraçado ver que algumas pessoas vivem fora da realidade, que não conseguem entender que quem está no ensino público está lá porque não teve nenhuma oportunidade de escolha, porque com uma família de 5 pessoas onde só um trabalha e o salário é de R$622 não tem se quer 10% (62 reais) para investir nos estudos. Parem de ser egoístas a cota é uma chance de ter a realidade transformada duma família
 
Rauane Costa em 30/08/2012 10:30:02
Este negócio de cota é uma piada!Por que não melhorar a ensino nas escolas públicas? Onde já se viu não poder reprovar aluno?Tem aluno no quinto ano que não sabe ler! Eu estudei a vida inteira em escola pública, passei na UFMS no meu primeiro vestibular, sem cota nenhuma. Foi difícil? Não. Só estudei. Prestava atenção nas aulas, estudava mais 6 horas por dia em casa e 12 nos finais de semana.
 
Ana Oliveira em 30/08/2012 08:12:17
Ao inves de cotas, porque não melhorar a qualidade de ensino, ou seja, escola publica ao mesmo patamar das escolas particulares, bons salarios, escola modelo, professores preparados, a unica diferença e a alimentação, pois a escola publica alimente melhor os alunos, o x da questão esta aqui, escola publica preparada não dá retorno financeiro aos homens publico, construir escola, pontes, asfalto si
 
Guilherme Ascurra Filho em 30/08/2012 07:43:17
Devemos entender que nem todas as familias são iguas, e que as classes sao ocilantes entre si. Existe o rico e o mais rico, como tambem existe o pobre e o mais pobre. acredito que nenhum estudante irá "estar roubando" a vaga de ninguem e sim tendo uma oportunidade que lhes "foi roubada".
O que vi faltar agora é a melhoria na qualidade no ensino publico do brasil e fim da cota para os nao a favor!
 
Paula Inácio em 30/08/2012 05:51:40
Acho bom o sistema de cotas para estudantes de escolas públicas, pois terão a oportunidade de ingressar numa faculdade.
Cotas dá a chance para alunos que nao puderam ter um ensino de qualidade, ao contrario daqueles que estudaram em colegio particular.
Afinal quem pôde concluir o estudo em escolas particulares, podem tambem pagar para para se formar em uma faculdade. a menos que passem na UFMS.
 
Paula Inácio em 30/08/2012 05:44:40
Penso que estabelecer cotas é o mesmo que dizer que uma pessoa oriunda de escola pública, dessa ou daquela etnia/raça/cor não tem capacidade para concorrem em pé de igualdade. E o princípio constitucional de que todos são iguais perante a lei?
 
Flavio Serafim de souza em 30/08/2012 05:42:00
Quem estuda em escola publica, porque é pobre. Quem estuda em escola particular, porque é rico ou é pobre que gosta de se aparecer. Quem estuda em universidade publica, si é pobre, continua querendo se aparecer, si é rico , tem vergonha de estudar em universidade particular.
 
Gilberto DIAS em 30/08/2012 05:38:38
Caro Sr. Marcio Brunholi, o senhor não é obrigado a "roubar" a vaga de ninguém. É só nse inscrever na ampla concorrência, amigo.
 
Meire Ellem de Almeida em 30/08/2012 05:21:38
Concordo plenamente com a Natália. Fiz tudo no ensino público, do fundamental ao doutorado, e tudo por mérito. Universidade é lugar de excelência acadêmica. Não dá tempo de tentar ensinar para o aluno a base que ele não aprendeu. Ele deve vir preparado. É na base que o ensino deve precisa de reforma urgente, não adianta forçar a entrada no topo.
 
Ana Micheleti em 30/08/2012 05:08:31
Sou do ensino publico e isso não me faz menos competente para disputar uma vaga com alguém do ensino privado.

Acho muito injusto "roubar" a vaga de outro por um simples sistema de cota.
 
Marcio Brunholi em 30/08/2012 05:00:29
Não importa se estudou no particular ou público, quando é estudioso passa em qualquer lugar. LEI ABSURDA!!!!!!!!!!!!!
 
elia bento em 30/08/2012 04:36:55
Colégio privado não é somente para burguês, existem pais que se privam de várias coisas, ( prestação de carro, sair para comer uma pizza, festinhas...) para poder oferecer um ensino de qualidade ao seu filho na base do sacrificio e de muita luta, qto as cotas o governo tem que se basear na realidade de cada familia, ai sim, ver se realmente aquele aluno satisfaz os requisitos.
 
Rosemir A Ferreira em 30/08/2012 04:31:55
Felipe, vc nem sabe o que está dizendo, seu comentário não condiz com o assunto, quem quer passar na federal é porque sabe que o ensino ali é muito melhor e tem que ser muito bom para passar.
 
elia bento em 30/08/2012 04:31:53
Instituir cotas é errado, pois contrai o criterio de merito para entrar na universidade. É obrigação (constitucional) do governo melhorar o ensino publico. Cotas são mais baratos mas não resolvem o problema da má qualidade do ensino publico.
Como alternativa, poderia ter cotas agora, mas a porcentagem de vagas ser zerado em 12 anos, enquanto o governo implanta HOJE ensino publico de qualidade.
 
Marcos da Silva em 30/08/2012 04:20:50
Estudar em colégio particular não é sinônimo de quem tem dinheiro, conheço pais que andam de transporte coletivo e até mesmo de bicicleta para trabalhar, se privando de pagar a prestação de um carro para se locomover, e poder pagar um colégio particular ao seu filho, oferecendo assim uma qualidade de ensino ao mesmo.
 
Rosemir A Ferreira em 30/08/2012 04:17:31
Sempre estudei em escola pública e ingressei na UFMS por meio do vestibular tradicional. Concorri com todos e consegui passar por meu mérito. Acredito que o ensino deve ser corrigido na base, e não na universidade. que é lugar de excelência. Quem quer entrar em uma universidade federal deve se preparar, estudar, independente da cor da pele ou fatores economicos. Mas espero que dê certo.
 
Natália Martins em 30/08/2012 03:40:19
O que o governo deveria fazer, investir no ensino fundamental e ensino medio de grande qualidade, agora vem colocar cotas na univerdade, acorda Brasil, o que precisamos e ter escolas com qualidade para chegar na faculdade não so entrar mais sim concluir tambem.
 
Aparecida Romeiro em 30/08/2012 03:32:01
Vejam o que a classe média enfrenta - não tem segurança pública, escola pública e nem unidade de saúde no seu bairro. Sofre para pagar ensino particular para o filho, pois o ensino público é péssimo. Aí quando acha que vai conseguir receber alguma coisa pelo imposto que paga vem uma lei de diz que 50% das cotas de faculdade publica são para alunos de escolas particulares.
 
Marta Lan em 30/08/2012 03:22:45
Muitos são contra e poucos a favor. O ensino das escolas públicas é hoje muito precário e quem acaba prejudicado são os alunos!
Essa cota é justa para os alunos das escolas públicas, que não tem professores qualificados suficiente e que acaba deixam a desejar. Precisamos de melhores condições de ensino!!!
 
Carla Lopes em 30/08/2012 02:59:00
Se conseguiu pagar a vida toda ensino privado, Por que agora estudar em Universidade Pública? Engraçado esses burgueses, usam nossos passes gratuitos e agora quer as universidades também, se tem dinheiro faça na UCDB ou UNIDERP que entra qualquer um e são privadas Uai!
 
Felipe Lucero em 30/08/2012 02:58:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions